sábado, 31 de julho de 2010

Orando da janela


Essa foto foi feita durante a procissão na Avenida Cândido de Abreu. Essa senhora do alto de seu apartamento, acompanhava a procissão, orando com seu terço na mão, numa bela demonstração de fé.

Hoje termina a nossa viagem. No fim do dia embarcamos de volta para Curitiba e para o frio.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

As flores da Rua das Flores


Mantendo a linha das flores, as árvores da Rua XV também tiveram a sua florada. Não sei que árvores são essas, parecem cerejeiras, mas pelo que eu saiba, as cerejeiras concentram-se na Praça do Japão por serem um presente do governo Japonês.

A foto foi feita tendo ao fundo os prédios que ficam nas proximidades da Galeria Minerva.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Cerejeiras em flor na Praça do Japão


Pouco antes de sairmos em viagem, as cerejeiras da Praça do Japão estavam em flor e é sempre um espetáculo à parte nessa que já é uma bela praça por sí só.

A garota da foto estava de passagem, mas achei interesante a sacola combinando com a árvore.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Domingo no Parque Barigüi: sinistras figuras.


Estamos na metade da segunda semana da nossa viagem e estou ficando quase sem fotos para postar, mas ainda restam algumas. Semana que vem voltaremos a vida normal.

A foto de hoje mostra (ainda no Barigui) um bando de pássaros sinistros numa formação sinistra de galhos no meio do lago. Ao fundo (ok, façam um esforço para ver) uma pequena figura humana e solitária fazendo seus exercícios matinais.

terça-feira, 27 de julho de 2010

Domingo no Parque Barigüi: o pensador.


O rapaz solitário do primeiro post dessa série do Barigui, depois de muito caminhar, estava solitariamente sentado do outro lado do parque. Parece que ele tinha muito o que pensar.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Domingo no Parque Barigüi: sobre rodas.


No Barigui apenas as pessoas que correm e caminham aparecem nas primeiras horas. Depois surgem as pessoas sobre rodas (bicicletas, patins e skate) e as famílias com as crianças.

domingo, 25 de julho de 2010

Domingo no Parque Barigüi: malhar de graça.


Para os que querem malhar todos os dias, mesmo aos domingos e nao querem perder o passeio no Barigui, junte as duas coisas numa das academias ao ar livre da prefeitura no parque.

sábado, 24 de julho de 2010

Domingo no Parque Barigüi: belas casas.



Poucos privilegiados podem ter o Parque Barigui como seu quintal, como as casas das fotos de hoje. A casa em destaque é especialmente linda e destaca-se das demais.

Estamos no meio da nossa viagem de ferias e essa tem sido fantástica.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Domingo no Parque Barigüi: valentes caminhantes.


Percebi que muitos valentes curitibanos gostam de acordar muito cedo, mesmo no inverno, para caminhar no parque. Nesse dia estava muito frio na hora em que cheguei e já havia muita gente caminhando. Uma vez dissipada a neblina e tendo o sol predominado o ambiente, tudo fica muito mais agradável.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Domingo no Parque Barigüi: a ponte e os chorões


A ponte e as arvores da foto ficam perto da Candido Hartmann, por onde entrei para estacionar o carro nesse dia. No momento dessa foto a neblina já havia dissipado.

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Domingo no Parque Barigüi: Refugio matinal das aves


Antes do sol dissipar a neblina no Barigui, junto ao restaurante do parque, as aves se reúnem (pombos, passarinhos, gansos, patos), nao sei se para aproveitar migalhas daquela área, ou para protegerem-se mutuamente ou para discutir as estratégias do dia que inicia.

terça-feira, 20 de julho de 2010

Domingo no Parque Barigüi: Familia


Alem dos esportistas de final de semana, o Barigui também recebe famílias grandes ou pequenas como essa, registrando o primeiro inverno do filho.

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Domingo no Parque Barigüi: Leitora solitaria


A solitaria leitora estava sentada no gramado do Parque Barigüi, alternando sua atenção entre seu livro e as pessoas que faziam Tai Chi a uma certa distancia dela.

domingo, 18 de julho de 2010

Domingo no Parque Barigui: Jovem Super Homem


O pequenino heroi corria livremente pelo parque, sem ser importunado pelo Lex Luthor Jr ou criptonitas. Pela gorro, pode-se perceber que fazia bastante frio.

sábado, 17 de julho de 2010

Domingo no Parque Barigui: Pessoa caminhando na neblina


Esse rapaz caminhava tranquilamente pela nevoa do Parque Barigui, criando uma serie de contra luzes bem interessantes.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

A dama da Galeria Suissa


Nas minhas andanças pelas galerias comerciais do centro de Curitiba, ao atravessar a Galeria Suissa, encontrei essa senhora de uma elegância extrema, numa postura altiva, cuidando dessa pequena loja que faz cópias de chaves. Fiz uma pequena menção de que gostaria de fazer uma foto dela e ela muito elegantemente concordou com um leve aceno de cabeça. Como estava apressado, não tive a oportunidade de conhecê-la, mas um dia pretendo voltar ao local.

Hoje à noite embarcaremos para um período de 15 dias de férias. Se tudo der certo, do nosso destino, continuarei postando, porém para facilitar a minha vida, serão posts de um tema só: O Parque Barigui. Estive numa fria manhã de domingo no parque e fiz fotos muito bonitas.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

As galerias comerciais de Curitiba: Galeria Asa e Galeria Osório


GALERIA DO EDIFÍCIO ASA
Se a Galeria Ritz é a única com entradas em desnível, a Galeria do Asa (Rua Voluntários da Pátria, 475) é a única com 3 pontos de acesso: pela Praça Osório, pela Voluntários da Pátria e pela Al. Dr. Carlos de Carvalho. Por ter morado no Asa por 12 anos, a Galeria do Asa é para mim a mais familiar. A movimentação diária na galeria é intensa pois além dos estabelecimentos da galeria tais como cabeleireiros, bares, agência de turismo, lojas variadas e portaria dos três blocos do Asa, a galeria dá acesso à dois blocos residenciais e um bloco comercial, todos com 22 andares. Creio que não há o que não se possa ser encontrado no Asa em termos de prestação de serviços.
Um de seus síndicos mais folclóricos foi o Dr. Zarur (já falecido), responsável pelo visual peculiar que até hoje permanece na galeria. A galeria foi inaugurada em 1954.




GALERIA OSÓRIO
Galeria General Osório (Praça General Osório, 333) oferece 33 lojas como salão de beleza, lan house, antiquários, produtos naturais, informática, ótica, confecções, jóias e cópias xerográficas. Localiza-se entre a Praça Osório à Alameda Dr. Carlos de Carvalho.

Dessa galeria lembro-me da primeira (e acho que única) enorme pista de autorama de Curitiba, que ficava montada onde hoje há uma praça de alimentação. Não tenho certeza, mas acho que essa pista pertencia a Lima Hobbies, que se mudou para o Shopping Estação. Nessa galeria funcionava a barbearia (que já não existe) que meu pai freqüentou por décadas até falecer o seu barbeiro. O mais antigo comerciante da Praça Osório é o Sr. Nelson Lehmkhul, há mais de 35 anos concertando relógios no local. O prédio pertence à família Demeterco, antiga proprietária do vizinho e ainda existente Mercadorama.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

As galerias comerciais de Curitiba: Galeria Ritz e Galeria Minerva


GALERIA MINERVA
Fica na Rua XV de Novembro, 384. Não tenho certeza, mas acredito que essa galeria tenha esse nome em função de uma antiga farmácia Minerva que ficava na sua entrada. Galeria pequena, mais larga do que as outras e por isso mesmo, bastante iluminada.




GALERIA RITZ
Fica na Av. Marechal Deodoro, 51 ao lado da loja C&A. Única galeria com dois níveis no centro de Curitiba. O desnível existente entre as Rua XV de Novembro e a Av. Marechal Deodoro é vencido por uma escadaria. Além dos serviços da própria galeria (Cartório, Agências de turismo, lojas de roupas e banco), ela dá acesso ao edifício comercial, onde uma infinidade de serviços é oferecido. Houve um tempo que até uma academia de Karatê existia no local (o Sensei era meu professor de Educação Física na UFPR).

terça-feira, 13 de julho de 2010

As galerias comerciais de Curitiba: Galeria Tijucas



Junto com a Suissa, a Galeria do Edifício Tijucas (Avenida Luiz Xavier, 68) é das mais conhecidas e freqüentadas de Curitiba, não só pelo Tabelionato Marques (aberto na década de 60) em uma das pontas, ou por dar acesso ao gigante prédio comercial e residencial que dá seu nome, mas também, por ser a galeria da Boca Maldita e por oferecer a essa, o seu cafezinho oficial no Café da Boca, inaugurado em 1965.

Quem mora em Curitiba há tempos, deve lembrar-se que todos os dias ao entardecer, um advogado saia à janela de seu escritório no Edifício Tijucas e oferecia à cidade, uma apresentação de música, tocando com maestria o seu trompete. Quem morava por perto (como eu), acostumou-se com esse som todos dias e era muito comum, pessoas paradas debaixo do Tijucas, procurando o músico. O trompete calou-se e não achei referências sobre seu destino.

A galeria dispõe de vários estabelecimentos comerciais, como escritório de advocacia, clínica médica, odontológica, farmácia, imobiliária, lanchonete, casa lotérica, loja de perfumes, estética, costureira e alfaiate, aliás, o único alfaiate que visitei em Curitiba trabalhava nesse prédio. Lá meu pai mandava ajustar seus ternos. O Tijucas já foi reconhecido na década de 70 como reduto dos alfaiates, dentre eles com 74 anos, o alfaiate Ferdinando Nardelli trabalha no Tijucas desde 1958. Ele hoje é um dos 18 alfaiates que ainda trabalham no prédio.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

As galerias comerciais de Curitiba: Galeria Suissa



Vou iniciar hoje uma pequena série sobre as galerias comerciais do centro de Curitiba. Por quase 20 anos morei no centro (no Edifício Asa, uma das galerias que comentarei) e é praticamente impossível circular pelo centro da cidade sem passar, parar e adquirir algum produto ou serviço que é oferecido por essas galerias, que podem ser consideradas sem sombra de dúvidas, as precursoras dos shopping centers de Curitiba. A diversidade de produtos e serviços é mais abrangente do que num shopping, o espaço é democrático, os preços são competitivos e em comparação com os outros comércios de rua, trata-se de um espaço mais seguro.

Existem dezenas de galerias em Curitiba, mas irei aqui abordar apenas aquelas que fizeram ou fazem parte da minha vida e de minha história, espaços pelos quais circulei à caminho de casa, da faculdade, do meu curso de inglês ou por qualquer outro motivo.

O jornalista José Carlos Fernandes, colunista da Gazeta do Povo, produziu o seguinte texto dentro da proposta dos "50 Motivos para amar Curitiba", espero que não se importem pela reprodução:

As vovós dos shoppings

Há três anos pus o pé no petit-pavê e saí contando quantas galerias têm o Centro de Curitiba e vizinhanças. Naquela época, a conta deu 24. Achei que era o número exato. Mas, a cada circulada, parece que uma nova galeria corta a quadra ao meio e desmente a contabilidade. Vá lá – devem ser cerca de 30 “avós dos shoppings” espalhadas pelo principal bairro da cidade. E elas valem o show.
O arquiteto Rafael Dely, morto em 2008, dizia que “toda cidade procura uma identidade. A de Curitiba está nas galerias.” E outro arquiteto, Salvador Gnoato, lamenta que esses espaços acolhedores tenham sido substituídos, no urbanismo contemporâneo, por áreas mais funcionais.
Cá pra nós, não é de todo impossível que galerias como a Tijucas e a Lustosa saiam da obscuridade e se tornem novamente lugares para zanzar numa tarde vadia. A cada vez que um grupo de comerciantes se dispõe a salvar o Centro da decadência, a luzinha acende: é a hora e a vez de lugares como a Pinheiro Lima ou a Suíssa. Aliás, tem galerias para todos os gostos, das “pré-históricas”, abertas para a rua – como o trecho da XV com a Monsenhor Celso –, às “populares”, como a Andrade. Refaça esse mapa você mesmo. José Carlos Fernandes.

A GALERIA SUISSA.
A Galeria Suissa, cujo endereço é Rua Marechal Deodoro, 262 (ligando a Marechal Deodora à José Loureiro), possui loja de materiais elétricos, restaurante, casa de câmbio e turismo, informática, modeladores, produtos de higiene e beleza, moda feminina e masculina, equipamentos eletrônicos, jóias, casa e jardim, material escolar e escritório, alimentos, games e cópias xerográficas e heliográficas.
Ponto de referência para qualquer morador de Curitiba, a Galeria Suissa foi inaugurada em 12 de outubro de 1962, nessa época conhecida por Galeria Alberto Bolliger, servindo apenas uma loja: a Casa Suissa, que vendia eletrodomésticos, móveis, brinquedos e material elétrico. A Casa Suissa ainda hoje mantém-se na galeria, comercializando material elétrico, sob a administração de outra família. Aos Bolliger cabe hoje a administração da galeria como um todo. Desde 1977 a galeria foi aberta para outras lojas.

domingo, 11 de julho de 2010

Agentes de trânsito e as corridas de rua


A prefeitura de Curitiba organiza diversas corridas de rua pela cidade de Curitiba, com apoio de diferentes associações de corredores de rua. Várias ocorrem na região do Bacacheri e Alto da XV. No último domingo, diversos agentes de trânsito estavam dispostos na Rua Fagundes Varela e Augusto Stresser, junto ao que pareciam ser os organizadores do evento, aguardando a passagem dos corredores.

sábado, 10 de julho de 2010

O Diabolo e seu malabarista


Mais um malabarista de rua de Curitiba, este na esquina da Rua 13 de Maio com a Barão do Serro Azul. O aparelho em questão era um diabolo e a placa de rua parece indicar a trajetória que o objeto irá seguir.
Diabolo é um brinquedo antigo originario da China, muito famoso em todo o mundo, podendo ser considerado uma evolução do ioiô chinês. Ele é composto pela união de duas semi-esferas invertidas, que devem ser movimentadas e equilibradas por um cordão acionado por duas baquetas. Com o diabolo, um jogador experiente consegue fazer centenas de manobras.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Atualizando na Boca Maldita



As fotos, feitas numa tarde de domingo, mostam para qual propósito a Boca Maldita foi concebida: reunir velhos amigos (casualmente ou não), parar por alguns ou vários minutos e conversar sobre tudo e sobre todos, voltando para casa sentindo-se atualizado dos fatos de Curitiba (principalmente políticos).

quinta-feira, 8 de julho de 2010

No Beto Batada do Alto da XV




Ontem após tentativa frustrada de acesso ao Cana Benta (lotado), fomos ao Beto Batata, que recentemente fez uma repaginação em sua fachada, que ficou muito boa. Como sempre, o ambiente é muito agradável, as batatas (algumas novidades no cardápio que eu não conhecia) sempre muito boas, uma boa cerveja e dois músicos, um no piano e outro no trompete, criando um clima ainda mais confortável.

Aviso aos que em Curitiba desejam fazer um grande curso de fotografia, as inscrições para o curso anual da Omicron estão abertas. Mais informações no site: http://www.omicronfotografia.com.br/

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Paineira da Praça Vivian Calopreso Braga


Na manhã do último domingo, a caminho do Parque Barigui, passei no Juvevê pela Praça Vivian Calopreso Braga e o visual da forte neblina (prenuncio de um dia de muito sol) com o gramado da praça totalmente coberto pela paina recém desprendida das paineiras da praça, criaram um visual pouco comum em Curitiba. Tive que parar para registrar o momento.

Um dos rostos mais familiares do jornalismo da televisão Curitibana nos anos 80, foi da jornalista Vivian Calopreso Braga. Na praça que leva o seu nome no Juvevê, encontra-se uma placa com os seguintes dizeres: "Esta praça homenageia, por iniciativa do vereador Mário Celso Cunha, a jornalista Curitibana (1959-1991) que pautou sua vida profissional pela ética e pela verdade."

terça-feira, 6 de julho de 2010

Brincadeira tem hora


A Prefeitura Municipal de Curitiba, através da Secretaria Municipal do Esporte e Lazer, promovem nos finais de semana nos espaços públicos de Curitiba (como na foto na Boca Maldita), eventos recreativos denominados "Brincadeira tem hora", disponibilizando para a população, mesas de ping-pong e vários tabuleiros com jogos variados.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Festra junina da APAE



A APAE Curitiba é uma entidade filantrópica, sem fins lucrativos, fundada em 6 de outubro de 1962, com o objetivo de prestar atendimento à pessoas com deficiência mental ou múltipla deficiência, da infância à velhice, oferecendo atendimento nas áreas da saúde, educação, assistência social e trabalho, objetivando o pleno desenvolvimento de suas potencialidades e também, de promover sua integração junto à sua sociedade, lutando pela garantia dos seus direitos.

Em Curitiba a APAE é composta por cinco escolas, que oferecem atendimentos gratuitos nas áreas de pedagogia, fisioterapia, fonoaudiologia, terapia ocupacional, psicologia, medicina, hidroterapia, educação física, musicoterapia e nutrição, prestando mais de 800 atendimentos diários em suas escolas, sendo elas: Luan Mueller, CITA, Vivenda, Escola Agrícola Henriette Morineaux e o CEDAE.

Antes que esfrie demais o período das festas juninas, decidi fazer esse post com as fotos feitas por mim na festa junina da APAE, que aconteceu na escola agrícola em Santa Felicidade no dia 13/06. Todas as escolas apresentaram a sua quadrilha e as crianças retratadas por mim, são do CEDAE (que atende crianças de 0 a 6 anos), cuja sede fica na Rua Alferes Angelo Sampaio, 1597 no Batel.

A APAE faz um trabalho maravilhoso e de alta qualidade, que dignifica muito todos os profissionais que lá trabalham. Já tive bastante contato com o CEDAE e posso dizer que é uma experiência fantástica conhecer o trabalho deles e conhecer/se emocionar com essas crianças, que são uns doces.

A APAE, por não ter fins lucrativos, tem grandes dificuldades para manter sua estrutura, portanto se você (pessoa física ou jurídica) desejar fazer o bem com seu dinheiro, procure a APAE, certamente ele será empregado com seriedade numa entidade que faz toda diferença na vida dessas crianças.

domingo, 4 de julho de 2010

Fotógrafas no MON



Duas fotógrafas, alunas do curso intermediário da OMICRON, numa aula prática de flash com luz mista numa segunda-feira à noite no MON.
Infelizmente aulas práticas noturnas no MON já não são mais possíveis, pois a administração do museu proibiu o acesso ao local, mesmo sem acesso ao interior do Museu. Sequer a permanência abaixo da marquise é permitida, mesmo tratando-se de local público e tendo segurança no local.

sábado, 3 de julho de 2010

Restaurante Castello Trevizzo

Dos restaurantes de Santa Felicidade, dois chamam a atenção pela arquitetura, o Siciliano (com sua fachada imitando uma ruína romana) e o Castello Trevizzo.
Administrado pela família Trevisan, que atua no ramo de restaurantes há mais de 55 anos, o Castello Trevizzo foi inaugurado em 23 de outubro de 1991 e trabalha dentro dos padrões de Santa Felicidade, ou seja, comida italiana.

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Brasil 1 x 2 Holanda


Infelizmente caimos diante da Holanda! Fim da copa para o Brasil, que não soube como sair da posição de desvantagem no segundo tempo ou não tinha time e banco de reservas para isso, depois de um primeiro tempo no qual dominou completamente a Holanda e poderia de liquidado a fatura.
Todos os milhões de técnicos brasileiros se encarregarão agora de buscar todos os culpados, a começar pelo Dunga. Não fico pelo menos, com a péssima impressão da copa anterior (com Zidane dando chapéu no Ronaldo e o Roberto Carlos ajeitando o meião). Acho que fizeram o melhor possível com o que o Dunga levou (se o Dunga levou o melhor possível do que teria disponível, é outra história).
Não resta outra alternativa senão engavetar as bandeiras, camisetas da seleção e (se tudo der certo) jogar as vuvuzelas no lixo. E se não acontecer nada em 2012, teremos a copa de 2014 para fazer bonito.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Veranico de Curitiba


Previsão do Simepar para hoje: uma massa de ar seco e quente segue predominando sobre o Paraná. Nestas condições atmosféricas o desenvolvimento de nuvens de chuva no Paraná ainda é desfavorável. Contudo, a situação continua muito propícia para formação de nevoeiros no período da madrugada, o que restringe a visibilidade, nas estradas e aeroportos do Sul do país. O Sol predomina ao longo do dia, com temperaturas mais elevadas à tarde.

Ou seja, o que antes era conhecido em Curitiba como Veranico de Maio, extendeu-se pelo mês de Junho e avança pelo mês de Julho, propiciando temperaturas mais do que agradáveis em Curitiba em pleno inverno.

A foto mostra o casal no MON, aproveitando esse nosso veranico.