segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Pessoas comuns e incomuns de Curitiba 18


A escadaria do prédio histórico da UFPR da Praça Santos Andrade tem muitas funções: arquibancada para assistir a apresentações na praça, palco para fotos de turma para convite de formatura e nos finais de semana (principalmente) sala de estar! Dalí tem-se uma bela vista da praça toda e é suficientemente grande para reservar o seu espaço particular, como nosso amigo da foto batendo um tranquilo papo no celular.
Falando em UFPR, hoje a faculdade volta com força total, começando as aulas para todos os cursos. Volta a minha rotina de levar os filhos para a faculdade, incluindo agora minha filha que acaba de passar na federal!

domingo, 27 de fevereiro de 2011

51 Árvores Imunes de Corte de Curitiba: Tamareira - Praça Eufrásio Corrêa


A árvore imune de corte de hoje é algo que não imaginava existir em Curitiba. Trata-se de uma Tamareira das Canárias ou Palmeira das Canárias (Phoenix canariensis), que o próprio nome diz, é originária das Ilhas Canárias.
Ao fundo da placa indicando a árvore, vê-se a escultura do "Semeador" de Zacco Paraná, presenteado à cidade em 1922 pela colônia polonesa.

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Igreja do Portão



Construída entre 196 e 1928 para substituir a antiga capela em tijolos e barro que, por sua vez, tomou o lugar da capelinha existente no início do século XX, a Igreja do Portão é dedicada ao Senhor Bom Jesus. A pintura é de 1949 e a administração está a cargo dos padres Oblatos de São José. A igreja é marco referencial de paisagem no bairro Portão.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Fim de um dia chuvoso: do Novo Mundo ao Parolin.







Fim de mais um dia de trabalho, chuvoso por sinal. Por razões que desconheço, estava me sentindo particularmente bem nesse final de dia. Rádio sintonizado numa boa estação, câmera de prontidão e os olhos atentos como há tempos não acontecia (acabara de sair de uma forte gripe). Coincidentemente, ouvi no radio uma propaganda da Omicron que termina com a seguinte frase: “Quem aprende a olhar não perde o clique”.

Não tenho a menor pretensão de dizer que sou um bom fotógrafo, sem ir muito longe, basta ver algumas fotos do João Urban, Nego Miranda e outros grandes fotógrafos de Curitiba, para humildemente perceber que a distância que nos separa é abissal, mas é fato que há dias em que você passa por tudo e por todos sem enxergar nada que lhe chame a atenção e provoque o clique da câmera e há outros dias em que se vê beleza nas cenas mais banais.

Nesse final de dia, logo na primeira quadra rodada, duas amigas conversando sob uma sombrinha já me fez rapidamente fazer uma foto, um casal dividindo o mesmo guarda-chuva desfocados pela velocidade que passei por eles, outra foto e assim foi, cena após cena, até a luz deixar de ser interessante.

O espaço é pequeno para esse tipo de divagação, assim como o tempo que passei pensando no assunto, mas me parece que na alternância dos dias, o que muda é a forma que olhamos o mundo (estado de espírito?) e não o mundo em si.

Desejo um bom final de semana à todos e que vejam o mundo com bons olhos!

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Casas de madeira de Curitiba 15




Essa muito bem cuidada e bela casa de madeira fica praticamente escondida na esquina das Ruas Professor Brandão e Vinte e Um de Abril. Há anos passo pela Amintas de Barros/Professor Brandão em direção ao Alto da XV e Jardim Social, porém apenas recentemente reparei na casa (mais uma vez constatando que olhar e reparar são coisas muito diferentes) e parei para fazer a foto. Percebam que a luz da primeira foto é diferente das duas seguintes. A primeira fiz num dia de sol. Ontem um leitor do blog perguntou se eu já havia fotografado essa casa e verificando meu arquivo, encontrei apenas uma (a casa fica bem "camuflada pelo muro e vegetação, talvez por isso não tenha tentado diferentes angulos da primeira vez). Hoje voltei lá bem cedo e fiz as outras duas fotos. Como hoje o dia amanheceu nublado, a luz é outra e o resultado também!
A casa fica ao lado da Malharia Santa Helena.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Quatro Tipuanas da Rua Ébano Pereira.




Em Curitiba são tombados 58 bens pela Coordenadoria do Patrimônio Cultural do Estado do Paraná. Desses 58 bens, 6 são árvores ou grupamento de árvores. Hoje destaco as 4 tipuanas que de igual porte e distribuição, adornam a Praça Santos Dumont e a entrada principal da Secretaria de Estado da Cultura, na Rua Ébano Pereira, 240 - Centro.

As quatro tipuanas, devido aos portes semelhantes, certamente foram plantadas na mesma época. Alguns fatores levam à conclusão de que estas árvores estão longe de atingir seu estágio de decadência vegetativa, já que apresentam incidência normal de epífitas, baixa ocorrência de galhos ocos, alta densidade de brotos foliares jovens nos processos terminais e perfeita floração na primavera.

Falando de Ébano Pereira, esse era natural do Rio de Janeiro. Em 19 de setembro de 1648 foi nomeado, por Duarte Correia Vasqueanes (Administrador Geral das Minas do Sul e Governador e Capitão-Mor do Rio de Janeiro), General da Armada das Canoas de Guerra de toda a costa e mar do sul. Já em Paranaguá, recebeu, por carta, o direito de administrar as minas de ouro e prata descobertas (e por descobrir) da região.
Foi nomeado Provedor das Minas e da Casa de Fundição e a quintagem de ouro na Vila de Paranaguá pelo Capitão Mor Gabriel de Lara, permanecendo nessa função até 1652.
No período que esteve nesta região, desbravou a serra da mata atlântica e é considerado um dos fundadores da cidade de Curitiba, antiga Villa de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais.

A estátua de Ébano Pereira na Praça Santos Dumont foi executada pelo artista plástico Elvo Benito Damo.

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Banca de Frutas do Nagib




Mostrando para a minha sogra o catálogo da exposição do fotógrafo Synval Stocchero, numa das fotos ela comentou que tratava-se da região do Edifício Tijucas e perto da banca do Nagib!
Opa! Há anos eu conheço essa banca de frutas pois morei na região por muito tempo. As frutas são sempre muito bonitas e esse tipo de comércio individual (merceria, armazém, quitanda), são cada vez mais raros de se encontrar. Depois dessa minha mania de fotografar tudo, sempre que passava em frente a essa banca de frutas, tinha vontade de fotografa-la, tanto que uma vez a fotografei de dentro do carro e postei aqui mesmo sob o título de Quitanda, ao que me corrigiu minha sogra dizendo que o seu Nagib tem uma banca de frutas, quitanda implicaria na venda de frutas, verduras e legumes.
Eis que surgiu a oportunidade ideal para conhecer melhor a história dessa banca de frutas. Minha sogra disse que sua família e a família do seu Nagib são amigas desde que ele era um piá! Eram vizinhos e as crianças freqüentavam as casas uma das outras. Já adultos, o seu Nagib ficou amigo também do meu sogro (seu Modesto), que junto com minha sogra (Dona Pina) possuíam uma mercearia no Alto da XV. De madrugada, seu Modesto e o seu Nagib se encontravam no Mercado Municipal para comprar frutas para seus comércios e dai veio a amizade deles.
Com a recomendação da minha sogra, me apresentei ao seu Nagib e pedi para fotografar a sua banca. Fiz as fotos e conversei um pouquinho com ele.
O seu Nagib tem essa banca de frutas há 52 anos e diz que essa é a terapia dele. Disse ele que Dona Pina de vez em quando aparece para uma conversa, assim como o irmão dela, um engenheiro que ainda trabalha no Edifício Tijucas. Reclamou que as outras irmãs da Dona Pina nunca dão as caras por lá.
A Banca do seu Nagib fica no comecinho da Al. Dr. Carlos de Carvalho, quase esquina com a Des. Ermelino de Leão. A banca abre bem cedo, assim, se quiser comprar frutas muito melhores do que se encontra normalmente nos mercados, passe lá e leve um dedo de prosa com o seu Nagib, certamente ele tem muita história para contar da Curitiba que passou diante de suas frutas nesses 52 anos.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Casa das Pinturas



A Casa das Pinturas fica em Santa Felicidade ao lado do Restaurante Peixe Frito (Av. Manoel Ribas, 5438) e faz parte da relação dos totens do patrimônio cultural de Curitiba. Quando fui fotografa-la, não encontrei o totem e na internet, pouca informação está disponível. No IPPUC achei uma ficha técnica da Casa das Pinturas e nessa ficha encontrei apenas a informação de que se trata de uma edificação de 1878, pertencente ou construída pela Família Menegusso. Trata-se de uma unidade de interesse de preservação do município de Curitiba. Não sei quem a mantém (talvez os proprietários do restaurante), mas está muito bem preservada. O nome obviamente diz respeito às pinturas que se intercalam com as janelas na parede externa da casa.
Hoje, 29/09/2015, fui informado de que essas pintura foram executadas por Gardenio Scorzato. A informação me foi repassada por Carlos Scorzato, neto do artista.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Kids



Voltando do trabalho para casa, no semáforo do cruzamento da Avenida República Argentina e Presidente Kennedy, flagrei esse grupo de jovens sendo revistados por dois policiais militares. Olhando cada um dos garotos, vemos os mesmo tipos que circulam pelos shoppings da cidade: são adolescentes, bem vestidos e que sempre andam em grupo. O que fizeram para que em praça pública fossem revistados, não imagino. Com freqüência assistimos na TV e lemos nos jornais o quanto o mundo das drogas e violência está sempre permeando o mundo dos adolescentes, uma época de muitas dúvidas, afirmações, quebra de laços e por isso tudo, muita vulnerabilidade, uma época em que o grupo de amigos tem grande influência nos atos de cada um deles.

Vendo as fotos e os garotos, me veio à mente a lembrança de um filme da década de 90 chamado KIDS, tendo Nova York como cenário para mostrar o conturbado mundo dos adolescentes, que indiscriminadamente consomem drogas e quase nunca praticam sexo seguro. O filme mostra a trajetória desastrosa de muitos desses adolescentes e como o resultado de atitudes impensadas pode trazer conseqüências terríveis para o resto da vida deles.

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Festa da Uva de Santa Felicidade








Nos dias 4, 5 e 6 de fevereiro, aconteceu em Santa Felicidade a 53.ª Festa da Uva no Bosque São Cristóvão. Voluntários do bairro ajudaram a preparar as comidas típicas do bairro que foram servidas num grande pavilhão. Muita polenta e frango frito, salada de radicci, macarronada, regados a vinho e suco de uva. Houve também a apresentação do coral ítalo-brasileiro de Santa Felicidade, cantando as velhas músicas da colônia. E naturalmente, quem desejasse, poderia comprar vários tipos de uva em caixas de R$6 e R$12. Enfim, foi um bom programa para a família, sem gastar muito.

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Pessoas comuns e incomuns de Curitiba 17


Mais um malabarista de semáforo! Quatro malabares, chuva, rua muito movimentada, pouco tempo para mostrar o que sabe e sair para a coleta! Normalmente não recebem nada (eu mesmo, ocupado em fazer a foto, não procurei por moedas). Ao fundo e à direta, a fábrica de fósforos Swedish Match que fabrica e comercializa os fósforos Fiat Lux e os isqueiros Cricket.
Feliz sexta-feira para todos e um bom final de semana!

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

51 Árvores Imunes de Corte de Curitiba: Pau-Brasil - Prefeitura de Curitiba



A árvore imune de corte de hoje é um exemplar de Pau-Brasil (Caesalpina echinata) que encontra-se plantado em frente à Prefeitura Municipal de Curitiba no Centro Cívico. Não sei quanto a vocês, mas achava que o Pau-Brasil era uma árvore muito maior do que essa que encontrei.
Esse exemplar foi plantado nesse local em 23/05/1975 pelo então prefeito de Curitiba Saul Raiz. A muda de 3 anos na época, foi um presente dos estudantes de Engenharia Florestal de Santa Maria (RS).
O prédio da prefeitura foi inaugurado em 14/11/1969, quanto foi transferida da antiga sede (hoje o Paço da Liberdade). O projeto assinado por Rubens Meister uma vez executado, integrou a Prefeitura Municipal de Curitiba ao complexo do Centro Cívico, previsto no Plano Agache e implantado durante as comemorações do primeiro centenário da emancipação política do Paraná em 1953.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Museu do Automóvel







A história do Museu do Automóvel iniciou em 1968, quando um grupo de entusiastas por automóveis antigos, fundou o Clube de Automóveis e Antiguidades Mecânicas do Paraná – CAAMP, com o intuito de congregar os apreciadores destas máquinas antigas, incentivando a sua preservação.
Após oito anos de atividade, foi fundado em 1976 o Museu do Automóvel (atualmente um dos mais expressivos do gênero no país), para expor ao público o acervo de mais 150 veículos pertencentes aos sócios do CAAMP, constantemente alternados nas 80 vagas do Museu e divididos nas categoria antique, vintage, milestones e classic.
Merecem destaque entre outros: o FORD T Sport Runabout 1926, ERSKINE, FIAT 520 e STUDEBACKER 1928, HUPMOBILE Sport Roadster 1930, FORD Roadster e CHEVROLET Sedan Máster 1933, JEEP Anfíbio e PEUGEOT 202B 1942, CHEVROLET Style Line Station 1950, CADILLAC Presidencial 1952 e Eldorado 1953 único modelo existente no Brasil.
Destacam-se ainda, uma caleça francesa Rotschil de 1910, clássicos como o LINCOLN Continental 1947, o McLaren M23 (doado pela Philip Morris) com o qual Emerson Fittipaldi sagrou-se campeão mundial de Fórmula 1 em 1974, bicicletas, motocicletas e diversas curiosidades mecânicas.
Faça uma viagem ao passado visitando o Museu do Automóvel e conheça estas máquinas que marcaram o século XX.
Fonte: http://www.museuautomovel.com.br/

O Museu do Automóvel fica na Av. Cândido Hartmann, 2300 - Parque Barigui.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Cadê o Edifício Asa?



No final do ano passado, recebi um e-mail do Rodrigo, funcionário da APP-Sindicato, que trabalha no Edifício Asa e disse ele que lá encontrou as duas fotos que estou postando hoje, mostrando duas imagens do início da construção do Edifício Asa. O Rodrigo não soube apurar a autoria das fotos, mas como são muito interessantes e históricas, resolvi compartilhar as imagens com vocês, abrindo uma especial exceção em postar somente fotos minhas.
A primeira foto, feita de dentro dos tapumes da obra, podemos ver o quanto a construção ainda estava no início. Vemos tijolos, trabalhadores e máquinas bate-estacas. Nessa foto temos uma bela visão do Edifício Moreira Garcez e fica bam evidente que todos os prédios que hoje existem na Voluntários da Pátria de frente para a Praça Osório ainda não existiam.
A fotografia é algo realmente fascinante pois um instante de tempo é congelado e nesse caso, 60 anos depois podemos lançar um olhar para o passado e observar o que mudou e o que ainda não mudou nessa mesma paisagem.
A segunda foto, creio eu, foi feita a partir da Alameda Dr. Carlos de Carvalho, pois mostra em primeiro plano uma rua, carros estacionados, uma elegante senhora caminhando na calçada. Na foto podemos observar edificações baixas que alinhavam-se com a Rua Voluntários da Pátria, mais atrás um prédio em construção na Rua XV e mais ao fundo ainda, o prédio do Braz Hotel (prédio de 1941).
Agradeço novamente ao Rodrigo pelas fotos. Espero que gostem.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Pessoas comuns e incomuns de Curitiba 16


Estive na Praça 29 de Março para fotografar mais uma das árvores imunes e aproveitei para fazer algumas fotos dessa praça que por ficar longe de todos os lugares que morei em Curitiba, nunca havia frequentado, sempre vendo a praça de dentro do carro ou de um ônibus. Há muitas curiosidades a respeito dessa praça, que irei postar com outras fotos. Por enquanto, destaco apenas o garoto fotografado por mim através do véu formado pela fonte. Muitas crianças brincam na praça em função do parquinho e do amplo espaço disponível.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Circulando pelo Parque Barigüi





Circundando o Parque Barigui, duas pistas distintas, uma para os ciclistas e outra para padestres. Dentre os ciclistas, os que estão lá apenas para aprender, para ver o movimento e até, os que misturam pedaladas com leitura. Nada como caminhar pelo parque para ver isso tudo.

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Suite Vollard



O Edifício Suite Vollard fica no Bairro Mossunguê (ou como gostariam alguns, Ecoville) e trata-se do primeiro edifício giratório do mundo. Cada apartamento, são apenas 11 unidades (um por andar), gira independentemente dos outros. Um giro completo demora 60 minutos para acontecer. Há logicamente partes fixas no prédio (banheiros, cozinha, área de serviço), girando a parte social e o quarto. O prédio, da construtora Moro, foi inaugurado em 2004 e por muito tempo permaneceu vazio (talvez pelo preço, U$300.000 para um apartamento de solteiro ou casal sem filhos). Não sei quantas unidades foram vendidas até hoje, na internet achei que até 2008 cinco unidades foram vendidas.
O prédio recebeu esse nome em alusão à famosa série de gravuras que Pablo Picasso produziu entre 1930 e 1937 sob encomenda do marchand Ambroise Vollard. O edifício foi lançado durante a exposição de parte dessas gravuras em 2002 no Museu de Arte Contemporânea em Curitiba.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

O carro mais ecológico do mundo!



Enquanto japoneses, coreanos e americanos travam uma verdadeira corrida pelo desenvolvimento de um carro verdadeiramente ecológico, com baixa emissão de CO2, eis que anuncio para o mundo que esse carro já é realidade em Curitiba! Emissão praticamente zero de CO2 (só o que as plantas emitem durante a noite), com a vantagem de produzir oxigênio (pela fotossíntese). O único combustível necessário é água para regar as plantas.
Esse carro está em exposição permanente (permanente mesmo, já que seu único defeito é não sair do lugar) na Rua José de Alencar, perto do Restaurante Jacobina, aliás, um ótimo restaurante e os que o freqüentam, podem estacionar no mesmo local onde está estacionado o nosso carro ecológico.
Curitiba mais uma vez merecendo o título de Capital Ecológica!