sábado, 31 de dezembro de 2011

Pessoas comuns e incomuns de Curitiba 57


Esse tiozinho estava tocando um ukelele, junto ao chafariz da Praça Osório durante a feira de natal. Ele não cantava muito bem (estava nesse momento tentando mandar uma "galoupeeeeiraaaaaa"), mas o pessoal que passava parecia curtir a simpatia dele.
Último dia do ano! Curtam muito a passagem! Bebam com moderação! Divirtam-se!!

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

51 Árvores Imunes de Corte - Araucária Australiana - Alto da XV


Essa árvore imune de corte é uma Araucária Australiana (Araucaria bidwillii hook) fica no jardim de uma construtora no Alto da XV, na esquina da Rua da Paz com a Comendador Macedo (perto do Museu do Expedicionário). Como sempre confirmo a árvore imune com a placa que a Secretaria do Meio Ambiente fixa junto à árvore e essa não apresentava essa placa, falei com uma pessoa que trabalha no local e ele confirmou ser essa uma árvore protegida.
Araucaria bidwillii, também conhecida como pinheiro Bunia, é uma espécie de conífera do gênero Araucária, orginária de Queensland, Austrália, porém encontrada de forma cultivada em diversas regiões do mundo. O nome foi dado pelo botânico William Jackson Hooker em homenagem a John Carne Bidwill, botânico britânico radicado na Oceania e que primeiro coletou dados daquela região da Austrália, enviando espécimes para estudiosos da Inglaterra. A Araucaria bidwillii era uma árvore sagrada para o povo Aborígene. As sementes são comestíveis, semelhantes ao pinhão e foram um importante alimento para eles, que as consumiam cruas ou moidas e assadas numa espécie de pão (fonte: wikipedia).

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Mais lambrequins da Barreirinha




Um bairro com forte influência da colonização polonesa como a Barreirinha, não poderia deixar de apresentar muitos e muitos lambrequins por todos os lados. Apesar do lambrequim não ser uma invenção polonesa, em Curitiba esse ornamento que funciona como pingadeira para os telhados, foi históricamente associado à essa etnia. E repetindo um poeminha que já postei nesse blog aqui:

Do beiral pingam lambrequins rendados.
Estalactites de saudade?
Lágrimas do passado?
(MANOSSO, Radamés)

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Chove quase todo dia em Curitiba!



Agora é oficial o que todos que moram em Curitiba ou passam mais de um dia aqui já sabiam. O INMET (Instituto Nacional de Meteorologia) fez um levantamento tendo como base os últimos 12 meses e constatou que em Curitiba nesse último ano, choveu dia sim, dia não. E isso, considerando apenas as chuvas registradas no Jardim das Américas (onde fica o Inmet), portanto, desconsiderando as chuvas localizadas em outros pontos de Curitiba.
Se considerarmos que dos dias restantes, boa parte esteve nublado, fica fácil de se entender porque dentre todas as capitais, Curitiba é onde o sol menos aparece!
Por mim tudo bem, foi desse jeito que aprendi a amar essa cidade! E não esqueça o seu guarda-chuva!

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Paróquia Catedral de São João Batista


Apesar de estarmos na época de natal e da foto mostrar um presépio, essa não foi feita nesse ano (ficou esperando pacientemente nos arquivos).
A igreja em questão é a Paróquia Catedral de São João Batista Rito Ucraino que fica na Rua Maranhão, no Bairro Água Verde. A foto foi feita a partir da Av. Pres. Kennedy e além do presépio, podemos ver duas datas (988 e 1988). Essa igreja é uma das igrejas Greco-Católica Ucraniana, ou simplesmente Igreja Católica Ucraniana que existem no mundo.
A primeira igreja cristã na Ucrânia foi fundada em no ano 988 e segue o rito Bizantino. Estima-se que exista no mundo cerca 6 a 10 milhões de fiéis, boa parte da Ucrânia. Há no Brasil 246 igrejas greco-católicas (dentre elas essa da Água Verde). Se segunda à sábado as missas são em português e aos domingos a missa é realizada no idioma ucraniano.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Pessoas comuns e incomuns de Curitiba 56



No dia em que saí para fotografar o agito de natal entre a Osório e a Santos Andrade, passei por uma grande roda que se formou por conta da apresentação desses dois índios (?), exatamente ao lado do Palácio Avenida. Eles faziam sons que lembravam mais os rituais que costumávamos ver em filmes sobre índios norte-americanos, os instrumentos davam o toque necessário. Não faço idéia de onde sejam, mas dentro da confusão que estava a XV nesses dias, encaixaram-se perfeitamente no conceito!

domingo, 25 de dezembro de 2011

Feliz Natal!




Desejo à todos vocês, caros leitores, um excelente Natal, com muitos presentes, comida boa e acima de tudo, boa companhia!
Grande abraço!

sábado, 24 de dezembro de 2011

Agitos de Natal.














Nesses últimos dias estive na Feira de Natal da Praça Osório e na noite de ontem, estive na Rua XV para fotografar a agitação dessa região da cidade em função do natal. Podemos dizer que a prefeitura é muito bem sucedida nessa época, entregando a Rua XV o dia todo à população e aos visitantes, pois até as 22:00 (ou mais) a XV fica totalmente lotada de pessoas, o comércio fica aberto e ao longo de todo calçadão, ambulantes vendem seus produtos. Policiais e o clima que se estabelece na rua, garante a tranquilidade e segurança. Os belos arcos que serviram de fundo para um show de natal, chamam ainda mais a atenção à noite e todos querem fazer uma foto. É enfim, um passeio bem bem divertido de se fazer.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Uma onda verde


Sempre passei pela Rua Engenheiros Rebouças, mas somente de cima (Hospital do Cajuru) pude ter noção de como as árvores de ambos os lados da rua, com o tempo criaram uma cobertura verde desde (praticamente) a Av. Affonso Camargo e o Estádio do Capanema. De cima, a sensação é de que uma onda verde tomou a Engenheiros Rebouças e que está prestes a atingir o Cajuru! É muito bonito! Então, se não puder olhar essa rua por cima, observe as belas árvores quando estiver abaixo delas.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Campo Largo - fora do centro











As fotos de hoje eu fiz fora do centro de Campo Largo, onde encontrei várias casas de madeira belíssimas e um moinho abandonado. O dia estava muito bonito, o que deixou as fotos ainda mais interessantes.
Segue um texto sobre a história da cidade que extraí da Wikipedia.
O coronel Antonio Luíz, português de nascimento e conhecido pelo apelido de "Tigre", foi o grande pioneiro do atual município. Possuía uma sesmaria exatamente onde hoje se localiza a sede municipal. Tigre morava na Fazenda Nossa Senhora da Conceição do Tamanduá, e ali mandou construir uma capela sob a invocação de Nossa Senhora da Conceição, templo pioneiro na vastidão dos Campos Gerais.
Em 1819 o capitão João Antonio da Costa, que morava em Curitiba, e era possuidor de terras naquela região, doou à Nossa Senhora da Piedade parte de sua propriedade, permitindo que nela se instalasse quem bem entendesse, sem ônus algum, desde que viesse lavrar e cuidar da terra doada. Muita gente se dispôs ao empreendimento, e não demorou muito espalharam-se chaminés. Neste período o capitão benfeitor enviou ao lugar uma imagem de Nossa Senhora da Piedade, que mandara vir do Estado da Bahia, ainda no ano de 1816. Tomava-se necessário a construção de uma capela, cujas obras foram iniciadas em 1821, sendo executadas pelo capitão Jerônimo José Vieira e administrada por João Antonio da Costa e padre José Joaquim Ribeiro da Costa.
Em 1828, após o término da construção da capela, o vilarejo foi elevado à categoria de Capela Curada, por Provisão do Bispo D. Manuel Gonçalves de Andrade. O padre José Joaquim, benfeitor da comunidade, foi o primeiro a rezar missa na Igreja Primaz de Campo Largo. Depois de prestar humanitário serviço ao povoado, o padre foi substituído pelo sacerdote Justiniano Ferreira Belo.
Campo Largo da Piedade foi elevado à categoria de Distrito Judiciário em 1841, pertencendo à Comarca de Curitiba. Em 2 de abril de 1870, foi criado o município, com território desmembrado do município de Curitiba. A instalação oficial ocorreu no dia 23 de fevereiro de 1871. No dia 6 de novembro de 1882, elevou o município à categoria de Cidade e passou a sede de Comarca no dia 18 de abril de 1873.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Pessoas comuns e incomuns de Curitiba 54


Esse pessoal, tendo uma aula sobre como utilizar um teodolito, estava no campus da PUC do Prado Velho, no dia e exatamente no local que estive para fotografar uma edificação super-especial, que espero poder mostrar aqui num futuro não muito distante! Adianto que foi uma grande honra poder acessar essa casa e que essa é de cair o queixo!

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

A bicicletada do Oil Man










Soube pelos jornais que a última bicicletada do ano seria uma espécie de homenagem ao Oil-Man e seus seguidores, todos pertencentes à AHOC (Associação dos Homens Óleo de Curitiba). A concentração aconteceu no pátio da Reitoria da UFPR e de lá, percorreram a Rua XV e seguiram para a Câmara de Vereadores, onde levaram um vidro de óleo de peroba para os vereadores caras-de-pau (segundo os manifestantes) que recentemente votaram uma matéria altamente favorável à eles mesmos (nossa! Isso nunca acontece no Brasil!).
Pelos comentários de leitores nos jornais, pude observar que muitos ficaram horrorizados com os Oil-Men e as Oil-Girls, mas acho que um pouco de bom-humor não faz mal à ninguém. Fico muito mais horrorizado com a falta de vergonha dos nossos políticos!

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

A Praça 19 de Dezembro e a Maçonaria










Aguardei até o dia de hoje, 19/12/2011, dia do 158 aniversário da Emancipação Política do Paraná, para dividir com vocês algumas informações curiosas que obtive sobre símbolos maçônicos que podem ser observados na Praça 19 de Dezembro.
Antes, apenas um esclarecimento. Não sou membro da maçonaria, mas as informações aqui prestadas foram obtidas através de um membro ativo, que permitiu o uso dessas no meu blog. As divulgo por achar fascinante esse tipo de história (sinais ocultos) e por guardarem uma relação direta com nossas vidas, pois dizem respeito a um local que todos que moram em Curitiba conhecem.
Dois ex-prefeitos de Curitiba, Ernani Santiago de Oliveira e Wallace Tadeu de Mello e Silva (ambos Maçons), homenagearam a Maçonaria do Paraná colocando em prática o projeto da Praça 19 de Dezembro, onde diversos símbolos maçons foram inseridos e também, referencias à cidade de Washington, capital dos Estados Unidos. A maçonaria brasileira tem ligação direta com a maçonaria norte americana.
O obelisco da nossa praça, foi inspirado no Washington Monument (que fica no centro do Constitution Gardens). O obelisco americano tem 169,7m e o curitibano tem 41,31m de altura.
O formato do chafariz da Praça 19 de Dezembro copia o Tidal Basin, um grande lago próximo ao Washington Monument (como pode ser visto nas imagens aéreas obtidas no Google).
Os outros símbolos ocultos na praça são os seguintes. O numero 7 na Maçonaria é considerado o numero perfeito, obtido da soma de 4 (os elementos da natureza) e 3 (a Santa Trindade), ou seja, a união da ciência com a espiritualidade. Sete eram os refletores no chafariz, 7 metros é a altura da estátua do homem nu e 70cm o tamanho do pé da estátua.
O triangulo na maçonaria significa estabilidade, harmonia e o triangulo eqüilátero simboliza a divindade. Um triangulo eqüilátero é formado na praça 19 de Dezembro unindo três importantes membros da maçonaria, o Barão do Serro Azul (rua que termina na praça), Cândido de Abreu (avenida que inicia na praça) e Tiradentes (colégio de frente para a praça), marcando a assinatura maçônica.
A letra G também tem forte simbologia para os maçons. O “G” significa Geometria em diversas línguas. A Geometria era tida quase como uma ciência sagrada, mãe da arquitetura e da construção, sem a qual as Catedrais não podiam ser planejadas e concluídas. Na praça o G está representado no punho fechado do Homem Nu.
A escultura e o painel da praça foram executados por Erbo Stenzel, Humberto Cozzo e Poty Lazzarotto
Isaac Lazzaotto, pai de Poty, era ferroviário e trabalhava para Wallace de Mello e esse solicitou ao seu filho Wallace Thadeu de Mello e Silva (um dos prefeitos que idealizaram a praça) que desse à Poty a execução do mural de azulejos. No centro do painel de Poty, há um homem vestindo um avental maçônico, que simboliza o iniciado maçônico, representando a prontidão para o trabalho e simbolicamente, representa a vestimenta corpórea da alma.
Apenas recentemente (15/10/2014), fui informado de que o Sr. Guilhobel Aurélio Camargo, pesquisador e autor de várias matérias sobre a Praça 19 de dezembro, é a fonte das informações desse post.