quinta-feira, 31 de maio de 2012

Pessoas comuns e incomuns de Curitiba 84


Pois é meus caros, a vida não é fácil para quem vive nas ruas, dependendo da caridade alheia, do assistencialismo do governo e do que consegue garimpar para venda nas latas de lixo (principalmente latinhas de alumínio).
Esse senhor chamou minha atenção pelo contraste dele parecer um Papai Noel, ter uma saco que poderia ser de presentes, mas estava naquele momento catando uma lata na lixeira na esquina da Av. Marechal Floriano e Rua XV de Novembro.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Mia cara Curitiba


Durante os dias 25 de maio e 10 de junho acontecem as festividades da segunda edição do Mia Cara Curitiba que apresenta 18 dias de atrações em homenagem a Itália, país que tanto influencia nos costumes e na formação da cidade. Além do espetáculo que na abertura do evento transformou o Paço da Liberdade numa bela tela para igualmente belas imagens, exposições dos artistas Marta Berger e Paulo Carapuncarlo, a Corritalia Brasile e a Settimana Della Gastronomia Italiana estão entre as atrações que serão apresentadas na cidade, que terá ainda exposições fotográficas, mostra de filmes, ballet e dança folclórica.

Uma realização do Consulado Geral da Itália em parceria com a Prefeitura de Curitiba, o Instituto Municipal de Turismo e CANAL/mkt, Mia Cara Curitiba vai oferecer ainda atrações esportivas e sociais com o objetivo de estreitar os laços entre Brasil e Itália.

Fonte e para informações detalhadas, acesse o site da Mia cara Curitiba.

terça-feira, 29 de maio de 2012

Pichada a primeira casa modernista de Curitiba


Tenho grande admiração pelos exemplares da arquitetura modernista de Curitiba, espalhados por toda cidade. Todo movimento tem que ter um início e em Curitiba esse foi dado por Frederico Kirchgässner em 1930 (acesse o post sobre ele aqui), quando ele projetou e construiu a sua própria casa. Essa casa, que fica na rua Jaime Reis esquina com rua 13 de Maio é considerada a primeira manifestação da arquitetura modernista em Curitiba.
Apesar de considerada uma UIP e um patrimônio de Curitiba (como podemos observar pelo totem na calçada), essa pequena obra prima não escapou da falta de educação e falta de cultura dos vândalos que resolveram deixar seu lixo grafado nas paredes da casa. Felizmente nada que uma ação de restauro não resolva (assim espero).

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Uma Gralha Azul do Poty.




Mais um daqueles detalhes que não se nota, a não ser que o tempo esteja do seu lado. Já passei muitas e muitas vezes em frente à entrada principal da sede do Clube Curitibano na Getúlio Vargas enunca havia notado esse pequeno mural do Poty. Num pequeno jardim na calçada, temos esse mural com uma gralha azul e logo abaixo dela, um pinhão estilizado. Um lado do mural é o negativo o outro. Esse pequeno mural é apenas uma pequena amostra do gigantesco painel que há no hall do clube, que conta a história do clube e sua interação com a comunidade.

domingo, 27 de maio de 2012

Buena Vista!




Num dia desses, passei na região do Cana Benta e vi um daqueles ônibus que parecem típicos dos países andinos parado na rua. Dias depois, lá continuava o ônibus e eu não o havia fotografado ainda por sempre estar de passagem. Na semana seguinte, recebi o seguinte texto da assessoria de imprensa do Cana Benta:

Quem for ao Bar CanaBenta ou passar em frente ao estabelecimento, entre as ruas Itupava e Fernandes de Barros, pode se surpreender com um ônibus um tanto quanto curioso parado em frente ao local. O veículo que mais parece um trailer adaptado saiu da cidade de Las Flores, localizada na província de Buenos Aires, com onze pessoas. Os aventureiros, todos entre 20 e 24 anos, são artesãos, músicos e produtores. Saíram sem destino e pretendem fazer um documentário sobre a viagem depois que voltarem.
Há quatro semanas eles chegaram a Curitiba e logo foram descobertos pelo empresário Délio Canabrava, dono do Bar CanaBenta e de outros três restaurantes da capital. “Passei em frente ao Museu Oscar Niemeyer [MON] e notei aquele ônibus diferente parado. Cheguei, me apresentei e tive a ideia de convidá-los a permanecer por algum tempo no estacionamento do CanaBenta. Já viajei bastante e sei como é importante um apoio quando se está longe de casa”, explica.
Até agora, o grupo já conheceu o Uruguai, Paraguai e as Cataratas do Iguaçu. Depois disso, cinco retornaram à cidade de origem e os outros seis seguiram viagem. Passaram por Rio Negrinho, em Santa Catarina e conheceram, em um restaurante onde trabalharam temporariamente, três novas colegas. Tornaram-se nove e juntos foram à praia de Bombinhas.
Além de ceder o espaço do estacionamento, Délio também está oferecendo almoço e jantar ao grupo. “Valorizo a cultura em todas as suas formas, e o que puder fazer para contribuir com manifestações individuais de arte, farei com o maior prazer”, diz ele.
Durante a semana, para retribuir, eles tocam violão no CanaBenta Bar e aos finais de semana, no Estofaria. Em breve, ainda sem saber ao certo quando, o grupo espera seguir para o Nordeste. De Curitiba, tudo indica, eles levarão excelentes lembranças.

Tá explicado o ônibus e estão aqui, as fotos que fiz nessa manhã.

sábado, 26 de maio de 2012

Casas de Madeira de Curitiba 61


Fui levar minha filha para uma festa da faculdade num lugar chamado Chácara do Caqui em Colombo. Numa determinada altura da rodovia da Uva, toma-se uma rua até a tal chácara. No caminho a paisagem é basicamente rural. Essa casa eu achei nesse caminho.

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Circulando por Curitiba - Ano 3


Hoje esse meu projeto de manter um blog com postagens diárias completa três anos e felizmente (para mim pelo menos), continua sendo um jornada que tenho feito com muito prazer e carinho. Curitiba continua sendo uma fonte inesgotável de motivos para que eu continue apontando a minha câmera e fazendo as minhas fotos.
Por causa do blog, algumas oportunidades muito interessantes surgiram, como uma entrevista para a Ó TV, outra no programa da Maria Rafart na Transamérica, algumas fotos minhas publicadas num livro do SESC, outras fotos publicadas em revistas, a possibilidade de alguns projetos culturais e a participação regular no Grupo de Caminhadas Observacionais, que tem permitido que eu realize o meu antigo desejo de poder caminhar por cada um dos bairros de Curitiba (com segurança) e com isso, ter o tempo necessário para apreciar detalhes e poder tranquilamente fazer as minhas fotos, que nesses três anos já formam um acervo de quase 20 mil imagens.
Falando em números, hoje o blog tem 359 seguidores, algo como 5.000 fotos publicadas, perto de 1.500 visualizações de página por dia e um total de (praticamente) 490.000 visualizações de página nesses três anos.
Por isso tudo agradeço a cada um dos que visitam o Circulando diariamente, esporadicamente ou mesmo, raramente! Assim como são as pessoas que tornam Curitiba o que ela é, são vocês quem fazem com que eu tenha motivação para continuar a manter o Circulando por Curitiba, que só tem trazido boas coisas para a minha vida.
Continuem Circulando por aqui!

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Grupo de Caminhadas Observacionais - Água Verde - Os muros


Não fotografei todos que vi, mas algo que vimos muito no Água Verde enquanto caminhávamos (inclusive parando para observar melhor alguns) foram grafites. Eu particularmente gosto muito desse tipo de expressão artística (diferente da pichação), que convive perfeitamente bem com a paisagem urbana de uma cidade. A diversidade de estilos, temas e cores dão vida aos muros, fachadas e painéis.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Pessoas comuns e incomuns de Curitiba 83


A mulher de olhar ausente, sentada no ponto de taxi fumando o que no zoom parece ser uma bituca, ignora o anúncio de que "Ela vai entrar na sua vida". O ela em questão refere-se à Revista Helena, lançada pela Secretaria de Estado da Cultura no último dia 19/05 no MON. A revista foi criada para ser mais um canal de divulgação da cultura paranaense. A publicação traz análises críticas, resenhas, trechos literários, ensaios históricos e reportagens referentes às atividades artísticas do Paraná.

O nome é uma homenagem à escritora Helena Kolody, uma das principais poetas da nossa terra, e também à civilização helênica, berço da produção cultural ocidental. A publicação é trimestral e será distribuída gratuitamente para bibliotecas públicas do Paraná, além de espaços culturais públicos e privados. A revista também estará disponível nos sites www.cultura.pr.gov.br, www.issuu.com/revistahelena e www.facebook.com/revistahelena. (Fonte: Agência de Notícas do Paraná).

terça-feira, 22 de maio de 2012

Grupo de Caminhadas Observacionais - Água Verde - Janela do Rio




Algo muito interessante que encontramos na nossa caminhada pelo Água Verde foi uma janela! Mas o que poderia haver de interessante numa janela? Não é uma janela qualquer, mas a Janela do Rio. Não sei quem teria instalado essa janela, mas olhando por ela, não enxergamos o interior de uma casa, mas o próprio Rio Água Verde, num trecho em que ele não está canalizado.
O rio que empresta o nome ao bairro, dizem uns, foi batizado de verde porque houve uma época na qual uma fábrica de mate lançava seus efluentes diretamente no rio, o que lhe dava uma coloração esverdeada, antes desse desaguar nas águas do Rio Belém no Prado Velho. Outros dizem que o nome do rio era devido a algas que davam a cor esverdeada às suas águas.
Depois da janela, passamos por uma pinguela e de perto pude constatar que o rio já não tem nada de verde (quer por ausência de algas ou de mate) e o seu cheiro também não é nada agradável.
A janela, para quem quiser dar uma espiada, fica no encontro das ruas Amazonas, Rio de Janeiro e Otávio Francisco Dias.

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Grupo de Caminhadas Observacionais - Água Verde - Natureza









O legal dessas lentas caminhadas, é que temos bastante tempo para observar detalhes que de passagem no dia-a-dia, normalmente não se notaria. Nessas fotos, paineiras, tomates japoseses, romãs, flores e uma árvore repleta de passarinhos.

domingo, 20 de maio de 2012

Bustos e Estátuas de Curitiba - Maria Polenta


Um pontos visitados durante a nossa caminhada pelo Água Verde foi a praça Maria Polenta, que fica no encontro da rua Carneiro Lobo e av. República Argentina, onde encontra-se o busto dessa famosa personagem do folclore curitibano.
Maria Trevisan Tortato – Maria Polenta – nasceu em 2 de março de 1880 e faleceu em 22 de abril de 1959, com 79 anos de idade. O nome Maria prevaleceu durante toda vida, mas o Trevisan Tortato foi substituído por Polenta, cujo apelido veio a impor-se de maneira tão forte que até a data da sua morte, constrangendo a cidade, foi assim conhecida, tratada e benquista.
Ela exercia a medicina prática, que está associado ao passe, à reza e a certos aspectos místicos, que acabam fornecendo elementos produtores de sabor às histórias. Maria Polenta era especialista em massagens magnéticas e diziam, principalmente os jogadores de futebol, que ela voltava qualquer osso no devido lugar.
Por ser uma espécie de curandeira, não apreciava médicos. Também benzia e receitava chás. Além de recolocar articulações como ninguém, transmitia ao elemento receptor a fé daquelas aplicações. Era tamanho o êxito de seus tratamentos que a cada dia aumentava sua clientela.
Era extrema a bondade de Maria Polenta. Vestia-se em trajes longos, a cobrir-lhe os pés. Nada cobrava pelos serviços, cabendo a cada um deixar numa caixinha o que pudesse. Seu sobrenome, Trevisan Tortato, associa-a a origem italiana. Não há registro de o porque do apelido.
Foi sepultada no cemitério da Água Verde.
Fonte: Ruas e Histórias de Curitiba - de Valério Hoerner Jr.

sábado, 19 de maio de 2012

Santuário Sagrado Coração de Jesus




Durante a nossa última caminhada, circulamos o cemitério da Água Verde e por isso, fiz as fotos o Santuário Sagrado Coração de Jesus dos ângulos que mostro hoje.

Encontrei o site da paróquia e dele, replico o seguinte texto contando a sua história.

Na colônia Dantas (o primeiro nome do Bairro Água Verde), a vida religiosa teve início com o Padre Pedro Colbachini, missionário italiano, que celebrou a primeira Missa na casa de Antônio Bonato no dia 25 de maio de 1886.
A primeira capela de madeira foi logo substituída por uma construção maior de alvenaria, que foi inaugurada em 29 de junho de 1888.
No ano de 1889 veio da Bélgica a imagem do Sa­grado Coração de Jesus, que solenemente foi in­troduzida na nova igreja.
Os Padres Claretianos executaram os trabalhos religiosos na região de 1905 a 1919, ano em que a colônia da Água Verde passou para a jurisdição da Paróquia do Portão, sob a responsabilidade dos Padres Josefinos até o ano de 1954.
O arcebispo Dom Manoel da Silveira D'Elboux cri­ou no dia 25 de junho de 1954 a Paróquia do Sa­grado Coração de Jesus, no bairro da Água Ver­de, dando posse ao seu primeiro pároco, o Padre Francisco Starzynski no dia 29 de junho do mes­mo ano.
O maior problema inicial da nova paróquia era substituir a pequena e acanhada matriz por um no­vo templo que viesse atender melhor o grande de­senvolvimento do bairro. Em julho de 1959 teve início a construção da atual igreja, que é uma das maiores de nossa capital.
Entre os anos de 1972 e 1975 ocupou a função de pároco o padre Domingos Salomão Kahel.
Na sequência foi nomeado o padre Francisco Gorski que ocupou o cargo até falecer em 1998.
Atualmente o pároco é o Pe. Octávio Aládio Vaz Fi­lho, que é também o Padre Reitor do Santuário, visto que a nossa matriz foi elevada à categoria de Santuário Diocesano do Sagrado Coração de Je­sus em 30 de junho de 1999.
Fonte: Site da Paróquia Agua Verde

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Bailarina!



Por dias esses saca-rolhas gigantes instalados em quatro pontos diferentes de Curitiba, chamaram a atenção e despertavam a curiosidade de quem se deparava com eles. Houve até uma reportagem de tv que declarou o desconhecimento da Prefeitura quanto a quem, quando e o porque desses gigantes.
Pois bem, o mistério foi revelado. Trata-se de uma peça de divulgação do Festival Internacional de Teatro de Objetos que acontecerá de 25 a 27 de maio no Museu Oscar Niemeyer. Todos os detalhes do festival podem ser encontrados aqui.
Ah! E o objeto na Boca Maldita não é um saca-rolhas, mas segundo a organização do festival, uma delicada bailarina!

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Pessoas comuns e incomuns de Curitiba 82


Lá vai um típico eleitor brasileiro! Cabisbaixo depois de ver as notícias da CPI do Cachoeira (que certamente não é de água), depois de saber da farra do TJ do RN, da farra na nossa câmara municipal, assembléia estadual, câmara federal, senado e por aí vai a lista!!
Será que um dia, nós pobres eleitores e fiéis pagadores compulsórios de toda sorte de impostos, poderemos deixar o nosso nariz redondo e vermelho em casa? Espero que sim!

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Uma carranca do Poty?



Além da bela vista que se consegue no Mirante da Sanepar do Alto da XV, temos o fabuloso painel do Poty contando a história do saneamento e na fachada de um dos prédios junto do mirante, encontrei duas esculturas (uma delas parece uma espécie de carranca) que penso ser de autoria do Poty. Não consegui identificar o que são, então se alguém souber do que se trata, fique a vontade para nos explicar.

terça-feira, 15 de maio de 2012

Já subiu!



Eu já havia feito fotos como as de hoje. Fim de tarde, meio escuro já, parado num congestionamento, um muro grafitado do seu lado e pessoas passando. Pronto! Basta focar o muro e a cada pessoa que passa, click! Muro nítido e pessoas transformadas em vultos.
Acho que o recado legível nas fotos faz referência ao preço da passagem de ônibus em Curitiba. Percebe-se que apesar do protesto, a passagem já subiu!

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Grupo de Caminhadas Observacionais - Água Verde - Casas de Madeira 2






Mais algumas casas de madeira que fotografei durante a nossa caminhada observacional pelo Água Verde. Na casa da segunda foto encontramos o dono e seu cachorro. Disse ele que a casa existe há mais de 70 anos e pelo jeito, vai durar mais um bom tempo ainda pelo cuidado que ele dispensa à casa.

domingo, 13 de maio de 2012

Grupo de Caminhadas Observacionais - Água Verde - Casas de Madeira 1






Já sabia que encontraria muitas casas de madeira no Água Verde. Fotografei muitas e tenho plena consciência de que muitas ficaram sem registro. As duas primeiras ficam na mesma rua da Associação Médica do Paraná e foram as minhas favoritas no dia.
Selecionei 10 fotos das casas, parte publico hoje e o restante amanhã. Espero que resistam por um bom tempo ainda.

Ah! E aproveitando, desejo um Feliz Dia das Mães para todas as mamães!

sábado, 12 de maio de 2012

Grupo de Caminhadas Observacionais - Água Verde - Mini Biblioteca





Uma bela surpresa descoberta pelo Mário (professor da UTFPR que organiza as nossas caminhadas) foi essa enorme (em intenções) mini-biblioteca.
Trata-se de uma casinha de madeira na Rua Petit Carneiro (penso eu), que foi adaptada para conter uma pequena quantidade de livros. Nas suas portas (abertas 24 horas) está escrito o seguinte recado: "Livros não devem ficar guardados, devem circular e levar conhecimento ao maior número de pessoas possível. Se você tem livros que já leu, traga para cá. Se você deseja ler algum, leve e se possível, devolva para aumentar nosso acervo, caso contrário, repasse para outra pessoa interessada. Boa leitura!"

Não é uma iniciativa sensacional? Uma pessoa que você não conhece lhe oferecendo cultura e de graça?

A dona dessa mini-biblioteca se não faz parte de uma comunidade de uma amiga blogueira (Jô Bibas), certamente tem total convergência com a filosofia. Trata-se da Freguesia do Livro. Nesse site você encontrará o seguinte texto:

Olha aí, freguesia, é a Freguesia do Livro que está chegando!
É o livro, bem fresquinho!
Livro de história, de criança, de gente grande, de escola!
É o livro, que vai mudar a sua história, freguesia!
Levando um livro, bem fresquinho, você abre uma janela.
Levando mais livros, você abre as portas dos seus sonhos, freguesia!


Permita que mais pessoas tenham acesso aos livros, libertando os seus. Livros livres abrem portas para novos sonhos. Você pode doar livros. E você também pode sugerir locais onde podemos formar pequenas bibliotecas: o salão de beleza que você frequenta, a panificadora, a sala de espera do seu médico, no refeitório da sua empresa, em alguma instituição ou hospital do seu bairro, no restaurante onde você almoça todos os dia. É fácil, sem compromisso e você estará nos ajudando a espalhar cultura.

Acesse o site da Freguesia do Livro e descubra com detalhes o que é, como doar os seus livros e onde doar. São pessoas assim que podem transformar o mundo em algo melhor, em algo que se possa olhar com esperança.

Parabéns ao idealizador da Mini-biblioteca e à Freguesia do Livro. Isso prova que uma boa ação não depende de dinheiro (ou muito dinheiro), mas de uma boa intenção e principalmente de ação!

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Pessoas comuns e incomuns de Curitiba 81




O nosso grupo de caminhada parou na Avenida Iguaçú em frente ao Zé Pelin, acho que para observarem o São Sebastião numa vitrine, enquanto rolava um som ao vivo e o pessoal curtia as suas bebidas e petiscos.
Logicamente aquela galera toda com chapéu, câmeras e toda pinta de turistas, chamou a atenção de todos. Recebemos muitos acenos, sorrisos e dessa vez, não me pediram para fotografar os nativos.