sábado, 30 de junho de 2012

Pessoas comuns e incomuns de Curitiba 86


Vindo do Bigorrilho em direção ao centro de Curitiba pela pela Rua Professor Fernando Moreira (a Rua dos Chorões), passei por um gari e pensei comigo que havia perdido uma boa foto, mostrando a rua, os chorões, o rio e o gari. Como parei no semáforo, olhando pelo retrovisor do carro, a cena continuava lá, apenas de um ponto de vista diferente. Usando o meu celular, fiz essa foto.

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Rosie and Me


I was born in a southern home
I was taught 'bout the right thing to do

Hoje não tem foto minha, mas não queria deixar de dividir com vocês uma descoberta (para mim pelo menos) recente no campo musical que é muito especial.

Certo dia estava eu no Fran’s Café do Batel e enquanto esperava o meu café, peguei um jornal chamado Cult (acho que era esse o nome). Li uma reportagem elogiando bastante uma banda de Curitiba chamada “Rosie and me” e fiquei logo interessado pelo nome e pelo estilo do som que descrevia o artigo (folk).
Acessei o site deles (www.rosieandmemusic.com) e vi que eles têm dois álbuns lançados. No iTunes, ouvi parte das faixas do segundo disco (“Arrow of My Ways”), achei muito bom e acabei baixando (comprando) o disco.

Ouvindo (praticamente continuamente) no meu carro com mais atenção a cada uma das músicas, pude constatar o quanto o “Rosie and Me” é excepcional. Pena constatar que um trabalho consistente e de altíssima qualidade como o deles não ganhou ainda a notoriedade que merece e precisa. Mas sabemos muito bem que pouco do que sai aqui da província é valorizado no Brasil, com raras exceções é verdade (Dalton Trevisan é uma dessas exceções).

Um detalhe ao mesmo tempo importante e irrelevante. Todas as músicas são cantadas em inglês. Importante, pois é nessa língua que Rosanne sente-se confortável em expressar a sua música e irrelevante, pois boa música é boa música, não importa o idioma no qual ela é cantada.

Fiz um contato com a banda para pedir informações e talvez imagens, para poder falar deles nesse espaço. A própria Rosanne respondeu dizendo que estão numa loucura danada para gravar um novo clip e com o lançamento do próximo single, mas recomendou uma matéria que saiu no site www.screamyell.com.br.
De lá, consegui algumas boas informações sobre a banda, que compartilho aqui com vocês.

O “Rosie and Me” é uma banda curitibana formada por Rosanne Machado, compositora, vocalista, violonista e líder da banda e também pelo baterista Tiago Barbosa, o baixista Guilherme Miranda, o violista Ivan Camargo e o guitarrista Thomas Kossar.

A banda existe desde 2006 e na internet, tiveram uma boa repercussão. O primeiro álbum (Bird and Whale) foi bem elogiado, tendo a música “Darkest Horse” incluída no episódio final da oitava temporada do seriado americano One Tree Hill.

Vários problemas com o antigo selo depois, já independentes, eles concentraram-se no segundo álbum, “Arrow of My Ways”, cujo título é um trocadilho com a expressão “error of my ways”. Ao substituir “error” por “arrow”, quiseram sinalizar que depois dos erros, estão seguindo um caminho certo.

O disco é do começo ao fim uma seqüência fabulosa de baladas pop-folk-country, com um vocal super doce de Rosanne e competência instrumental de todos da banda.

O “Rosie and Me” voltou recentemente de uma turnê pelos Estados Unidos e têm feito shows em São Paulo e Curitiba. O próximo show deles em Curitiba será no Espaço Cult no dia 07/07, num evento chamado Zebra Stage.

Espero que role um show deles num teatro (não tenho mais estrutura para baladas), assim eu poderia ter a chance de fotografá-los e curtir ao vivo o som dessa banda, que merece ser conhecida e reconhecida, principalmente por todos que moram em Curitiba.

Mais informações no site deles e no Scream &Yell (onde encontrarão uma entrevista bem legal da Rosanne).

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Bar Cana Benta - 4 anos















Para comemorar os quatro anos de existência e sucesso do Bar Cana Benta uma programação diferenciada foi promovida no local durante o dia 26.

Délio recebeu no bar amigos, parceiros comerciais e a imprensa no almoço e happy hour. Na ocasião, um novo prato foi lançado: o Galopé (na foto), especialidade feita com galinha caipira cozida e pé de porco. Integrantes do grupo ‘Na Tocaia’ levaram música aos encontros e o ilustrador e tipógrafo Marcelo Weber Macedo fez, ao vivo, durante todo o dia, bolachas de chopp personalizadas com a logomarca dos quatro anos do CanaBenta e de personalidades boêmias da música, em uma máquina de tipografia tradicional.

Estive no Cana Benta no happy hour e a descontração (além do jazz) foi o tom da noite. Muita gente bacana, boa comida e chopp gelado. O que mais se pode querer para um final de dia?

quarta-feira, 27 de junho de 2012

51 Árvores Imunes de Corte - Jatobá - Praça 29 de março



Essa árvore imune de corte é um Jatobá (Hymenaea courbaril) que fica na Praça 29 de Março. Com altura entre quinze e trinta metros (até 45 metros na Amazônia) e um tronco que pode ultrapassar um metro de diâmetro, suas folhas têm dois folíolos brilhantes com de seis a catorze centímetros de comprimento.
Há registros de exemplares, na Amazônia e no Rio de Janeiro, com altura de quarenta metros e diâmetro maior que três metros. A chamada "árvore de Martius", encontrada por este pesquisador na Amazônia, tinha altura estimada em trinta metros, diâmetro de oito metros, idade entre 2 000 e 4 000 anos e talvez fosse um jatobá.

terça-feira, 26 de junho de 2012

Rua Padre Germano Mayer



Fiz essas duas fotos da Rua Padre Germano Mayer no Alto da XV em duas épocas distintas do ano, mostrando o verão e o inverno. Gosto da forma como as árvores formam um túnel ao longo de toda a rua, dentre elas, inclusive uma imune ao corte que não localizei por não ter aquela placa característica.
Depois de, em vão, procurar por muito tempo na internet alguma informação sobre quem teria sido o Padre Germano Mayer, consegui achar essas informações no livro "1001 Ruas de Curitiba".
O Padre Germano Mayer nasceu em 08/03/1900 em Weilersbach, Alemanha , em uma pequena aldeia, onde viveu até ingressar no Seminário dos Padres Palotinos, sendo ordenado sacerdote em 14/07/1929. Foi missionário popular na Alemanha quando veio transferido para o Brasil, em 1933. Trabalhou com os católicos alemães de Curitiba até 1943, quando foi nomeado vigário de Londrina. Dois anos depois voltou para Curitiba, onde exerceu por 19 anos, o cargo de vigário da recém criada paróquia do Cristo Rei, no Cajuru. Naturalizado brasileiro em 1948, amou a pátria e a gente que o acolheu. Faleceu tragicamente em acidente de carro, nas proximidades de Rolândia, em 08/08/1964, sendo sepultado em Londrina.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Pessoas comuns e incomuns de Curitiba 86 e um Cavalo Babão


Finalmente um domingo menos aguado que permita sair de casa, ventilar um pouco os casacos, sentar tranquilamente sob o sol e mesmo com frio, apreciar a companhia de um amigo e observar as pessoas passeando.

domingo, 24 de junho de 2012

Frio e chuva.



Nosso inverno está tão chuvoso que quando limpa o tempo, há pessoas que se perguntam o que é aquela cor azul e a enorme bola incandescente no céu!
Parece que por uma conjunção de fatores meteorológicos, o inverno em Curitiba não será tão frio, mas será muito chuvoso. Em casa já temos percebido isso pelo mofo nas paredes e roupas!
Na primeira foto, ao fundo observem a Catedral já com a cara que ficará quando for finalizada a sua reforma.

sábado, 23 de junho de 2012

Peixe?


De início, peço desculpas pela foto! Achei esse peixe na Rua Inácio Lustosa ao lado da Praça 19 de Dezembro e por tratar-se de uma imagem tão inusitada, tive que fotografar, mesmo não tendo relação com nada! A foto foi ficando e como eu não consigo jogar ela fora, resolvi postar hoje e assim, me livro desse peixe! Como Curitiba não tem praia e não há rio aqui que tenha capacidade de manter um peixe vivo, só posso imaginar que ele caiu de algum transporte.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Relógio Solar da Tiradentes


Já havia postado esse relógio solar uma vez. Naquela época o prédio estava com a pintura um pouco velha e como esse é dividido por três lojas, a pintura desencontrada da fachada do prédio era perceptível. Dessa vez, a pintura pelo jeito foi combinada e está homogênea.
Hoje há duas lojas de roupa e uma farmácia ocupando o prédio, que originalmente foi ocupado pela Farmácia Stellfeld. Essa foi a primeira farmácia de Curitiba, aberta em 1857 por Augusto Stellfeld, situava-se na Santa Casa de Misericórdia. Em 1866, o estabelecimento foi transferido para a Praça Tiradentes, nesse prédio projetado e executado por empreiteiros alemães e nele, sempre destacou-se o relógio solar.
Tendo tantos prédios ao redor e sendo Curitiba a capital que menos vê o sol ao longo do ano, podemos dizer que esse relógio vive sem bateria!

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Dona Anna, sua casa, suas flores e sua pintura




Fiz um post em janeiro de 2010 com o título “Casas de Madeira de Curitiba 1”, onde mostrava duas casas de madeira na rua Cândido Xavier no Água Verde.
Com relação à primeira casa (que todas as vezes que passo por ela, sou obrigado a observar a sua beleza), recebi recentemente alguns comentários do bisneto da antiga dona.
A bisavó desse caro leitor chamava-se Anna Luiza de Oliveira Zanetti e de seu bisneto (Jonas), recebi a linda foto da Dona Anna, que tenho o grande privilégio de postar hoje.
Dona Anna veio de Palmeira, onde morava com 19 irmãos. Ela casou-se e teve 8 filhos. Já em Curitiba, quando seu marido faleceu, ela mudou-se para essa casa, que estima-se tenha mais de 100 anos.
A casa situava-se mais ao fundo do terreno, mas em função da construção de outra casa, ela foi puxada para frente do terreno. Hoje uma pessoa da família mora na casa e essa sempre foi o ponto de encontro da família, que é muito grande, com os 8 filhos de Dona Anna, 30 netos e 10 bisnetos
O Jonas comentou ainda que a foto que fiz, deve ter acontecido na mesma época em que a foto da Dona Anna foi feita, pelas flores rosas que aparecem em ambas as fotos e que a pintura que também estou postando hoje, foi feita pela Dona Anna aos 93 anos, um mês antes de falecer e que ela fez essa pintura de memória.
Agradeço ao Jonas por compartilhar essas lindas imagens e um pouco da história de sua família. Sempre imaginei uma bela história atrelada à essa casa por ela ser tão bonita e tão bem conservada, algo que só o amor poderia proporcionar.

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Casas de Madeira de Curitiba 63


Essa casa de madeira fica entre o Estádio do Paraná Clube e o rio, escondida numa curva que termina na Engenheiros Rebouças. Bem perto dali, há um galpão de uma torcida organizada do Atlético Paranaense, terá alguma relação com o torcedor vestido com a camisa do CAP?

terça-feira, 19 de junho de 2012

Rua São Francisco



Voltando (ou indo, não lembro) da seção de fotos dos tapetes de Corpus Christi, passei pelo cruzamento da Travessa Nestor de Castro com a Rua São Francisco e fiz essas fotos com cara de anos 60/70 (pelas cores e formato). Desse cruzamento vemos a Casa da Memória, o antigo casario, a Igreja da Ordem e mais ao fundo, a Igreja do Rosário.
Comprei um livro chamado "1001 Ruas de Curitiba" de Camila Muzzillo e dessa rua achei na verdade um resumo da vida do santo. Francisco Bernardone nasceu em Assis, Itália, no ano de 1182. São Francisco fundou a ordem de São Francisco de Assis e a Ordem das Claristas, para que sua obra de auxiliar os pobres seguisse adiante. Em 1206, aos 24 anos, renunciou às riquezas e à sua família para servir aos leprosos. São Francisco faleceu em 04/10/1126, no convento de Nossa Senhora dos Anjos. Foi canonizado em 16/07/1228 pelo Papa Gregório IX.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Pessoas comuns e incomuns de Curitiba 86


Fui ao MON ver a exposição de Antanas Sutkus e do Poty e na passagem pelo grande vão abaixo da gigantesca lage branca do Museu, como sempre, vimos vários grupos ensaiando sua dança, aproveitando a imagem refletida nos enormes vidros como apoio. Aproveitei para fazer essa pequena série de fotos dessa dupla de dançarinos auto-didatas, mostrando apenas a silhueta deles contra o fundo iluminado.

domingo, 17 de junho de 2012

Poty de todos nós.


A exposição "Poty de todos nós" que permanecerá atá 05.08 no Museu Oscar Niemeyer (MON), é uma oportunidade rara para ver Poty além de seus fabulosos painéis, desenhos e gravuras que estamos acostumados. Nessa exposição você terá a oportunidade ver itens muito pessoais como um triciclo que acompanhou a infância de Poty, bilhetes apaixonados trocados entre Poty e sua esposa Célia, fotos de seu pai e sua mãe no vagão do armistício e muito mais, num total de mais de 800 itens que ocupam completamente o "olho".
A mostra, que tem curadoria de Oswaldo Miranda (Miran), conta com patrocínio da Volvo e da Copel e mais detalhes podem ser encontrados aqui.

sábado, 16 de junho de 2012

Herbie


Passando ao lado dos tapetes de Corpus Christi, vi um conhecido personagem dos cinemas e fiquei imaginando o que ele diria do movimento todo se de fato falasse!

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Casas de Madeira de Curitiba 62


Essa casa de madeira existia na rua Professor Brandão no Alto da XV, perto da rua Sete de Abril. Existia? Sim, existia! Essa casa, onde antes funcionava uma estofaria, foi desmontada e ainda não sei o que a substituirá. Essa região tem recebido vários empreendimentos imobiliários (normalmente prédios não muito altos) e qualquer terreno é muito disputado.

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Show de cordas



Estive nessa grande livraria no Shopping Curitiba pois somente lá (em Curitiba), posso comprar uma revista de fotografia que é editada apenas uma vez a cada 6 meses. Circulando pelo lugar, encontrei esses dois músicos (um com um cavaquinho e outro com um violão bem estranho) fazendo um belo show. Não sei com que frequência esses shows acontecem, mas a idéia é muito boa e combina muito bem com o ambiente da loja.

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Antanas Sutkus no MON


Para os que curtem fotografia, não percam no MON até 01/07 a fantástica exposição de Antanas Sutkus.

A exposição “Antanas Sutkus: um olhar livre” reúne 120 imagens que revelam o talento do renomado fotógrafo lituano, um dos mais expressivos em âmbito mundial. Curitiba é a primeira cidade a receber a mostra, que segue em cartaz no Museu Oscar Niemeyer até 20 de maio.

Antanas Sutkus nasceu na Lituânia em 1939 e construiu o seu percurso durante o regime comunista, mas conseguiu escapar das armadilhas da censura política e não se perdeu nem se prendeu nas malhas da ideologia. O curador da mostra, Luiz Gustavo Carvalho, afirma que Sutkus descreve a vida cotidiana de maneira justa. “Às vezes irônica, mas sempre por meio de uma linha forte e resistente ao sistema e às influências”, diz Carvalho.

O público do MON tem a oportunidade de conhecer a cultura do leste europeu pelo olhar daquele que é considerado por críticos e jornalistas como “o poeta entre os soviéticos”. “As imagens não evocam memórias, e sim um presente contínuo que apresenta um povo com seus mistérios e idiossincrasias”, diz a diretora do Museu Oscar Niemeyer, Estela Sandrini.

Fonte: http://www.museuoscarniemeyer.org.br/exposicoes/antanassite.html

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Pessoas comuns e incomuns de Curitiba 85


Alheio às fanfarras, à exposição de carros antigos, ao show, ao Jaime Lerner e aos "free hugs", esse homem dormia tranquilamente, ocupando inteiramente um banco na Boca Maldita. Estranho notar que ele veste um terno (com tênis, é verdade) e dorme com a cabeça repousada num saco.

domingo, 10 de junho de 2012

Corpus Christi 2012 - pessoas 2








Mais um lote das fotos de pessoas feitas por mim durante o feriado de Corpus Christi, usando o meu telefone. Encontrei muitas pessoas com belas câmeras fotografando os tapetes e as pessoas, mas a maioria usava câmeras compactas e os próprios telefones para guardar uma recordação dos belos tapetes que logo seriam pisoteados pela multidão.

sábado, 9 de junho de 2012

Corpus Christi 2012 - pessoas 1








Fiz as fotos dos tapetes de Corpus Christi com minha câmera de sempre, mas resolvi fazer as fotos da pessoas com a câmera do meu celular, usando um programa baixado da Apple Store sobre o qual li na última revista ZUM (publicada pela Cosac Naify semestralmente sobre fotografia). Pessoalmente, gostei do resultado.