sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Grupo de caminhadas observacionais - Rebouças - Cores e Formas





A primeira foto foi feita de uma parede de azulejos de uma loja chamada Quebra Galho na Des. Westphalen. Todas outras foram feitas na Rua João Negrão, sendo duas delas de edificações claramente inspiradas no Art Deco.

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Grupo de caminhadas observacionais - Rebouças - Pessoas





Um dos pontos altos de qualquer caminhada é observar (e eventualmente registrar) as pessoas que encontramos pelo caminho. A senhora estava sentada na porta da sua casa na Silva Jardim (um muito longo corredor leva à sua residencia). A figura com a flor no cabelo desfilava pela região da rodoferroviária (talvez fosse se apresentar em algum lugar). O garotinho balançava-se na Praça do Ouvidor Pardinho. E na Conselheiro Laurindo, nas proximidades da Engenheiros Rebouças, a polícia montada preparava-se para fazer a segurança do jogo que aconteceu na Vila Capanema.

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Grupo de caminhadas observacionais - Rebouças - Ed. Teixeira Soares






Procurando informações relacionando a UFPR ao Edifício Teixeira Soares (antiga sede da RVPSC), encontrei um Informe Servidor da UFPR de maio desse ano, que reproduzo abaixo.

Era um fim de tarde frio de inverno, o calendário marcava os onze dias do mês de julho de 2008. Às 18 horas, um prédio há onze anos abandonado ganhava vida nova e a universidade um campus novo. Parece que foi ontem, mas desde que foi assinado o Termo de Cessão do prédio pelo então Ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, alguns anos se passaram e as obras do Edifício Teixeira Soares, antiga sede da RFFSA, estão em fase final de conclusão e o campus deve mesmo ser inaugurado  ainda  em  2012  –  ano  do  centenário  da UFPR.

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Grupo de caminhadas observacionais - Rebouças





O nome do bairro Rebouças é uma homenagem aos engenheiros Antônio e André Rebouças que vieram para o Paraná, no final do século XIX, para construir a Estrada de Ferro Curitiba-Paranaguá.  Isso explica o fato de uma das principais ruas do bairro se chamar Engenheiros Rebouças e não “Engenheiro Rebouças” como muitos a chamam. Antônio Pereira Rebouças Filho chegou a Curitiba em julho de 1864, quando assumiu o cargo de engenheiro chefe da Estrada da Graciosa. Já André Rebouças, um dos maiores cientistas da época, foi qualificado por Euclides da Cunha em sua obra “Os Sertões”, como um homem de “mentalidade rara”. André e Antônio Rebouças, associados a um grupo de capitalistas do Rio de Janeiro, foram os responsáveis pela fundação da primeira indústria madeireira do Estado do Paraná, a Companhia Florestal Paranaense. Também coube aos irmãos Rebouças, a inovação no sistema de embalagem da erva-mate, ao utilizarem barricas de pinho e não mais os surrões de couro.
O bairro está historicamente ligado à industrialização da cidade, pois até a criação da C.I.C. (início da década de 1970) era ali o "antigo" setor industrial, com as principais industrias de Curitiba, tais como: Matte Leão, Matte Real, Fiat Lux (Swedish Match) e a Brahma (AMBEV).
Tentei buscar algum histórico da fabrica da AMBEV no bairro, mas não achei. Sei que antes da AMBEV engolir todas as cervejas, ali era somente a fábrica da Brahma, que eu tive o prazer de visitar durante a faculdade (o final da visita foi memorável, com aqueles garçons todos trazendo o que desejássemos beber).

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Grupo de caminhadas observacionais - Rebouças




Nossa caminhada pelo Rebouças começou em frente ao DER, um exemplar importante da arquitetura modernista de Curitiba, cujo arquiteto foi Ayrton Lolo Cornelsen. Para saber mais do arquiteto e desse prédio, acesso o link.
Dessa vez o grupo cresceu bastante, com muitas pessoas participando pela primeira vez e como sempre, um bando com toda pinta de turistas, fotografando tudo, chama muito a atenção de quem passa por nós.
A pessoa com boné verde é o Prof. Mário Sérgio, um dos idealizadores desse movimento incrível que valoriza a cidade e aproxima dela quem participa da caminhada.

domingo, 26 de agosto de 2012

Grupo de Caminhadas Observacionais - Rebouças - Gateball





Ontem (25/08) fizemos a nossa caminhada observacional de inverno, passando pelo Rebouças e Centro. O grupo foi numeroso, muito incentivado pela reportagem da Gazeta do Povo.
Vou começar a série de posts dessa caminhada por um jogo pouco conhecido da maioria dos brasileiros. Trata-se do Gateball (ゲートボール Gētobōru).
No meio da nossa caminhada, paramos na Praça Ouvidor Pardinho para descansar e tomar uma água. Percebi na quadra de areia que havia três idosos japoneses e logo percebi que estavam jogando uma animada partida de Gateball. Fui até lá para registrar o evento.

O gateball é um esporte simples, que utiliza o taco e a bola e é praticado tanto em quadras de terra batida, como no gramado. Criado por um padeiro na província japonesa de Hokkaido, a região mais fria do país (Eiji Suzuki em 1947).
O jogo foi originalmente concebido para crianças, mas os idosos tornaram-se os grandes entusiastas do Gateball por ser fácil de aprender e não muito exigente fisicamente.
O gateball é jogado em uma quadra retangular de 20 a 25m de comprimento e 15 a 20 metros de largura. Cada quadra tem três gates e um goal pole. Os jogadores tem bolas numeradas correspondentes com suas ordem de jogo. A bolas são vermelhas ímpares e as brancas são pares. Os times marcam um ponto por bola rebatida com o stick (taco) que atravesse um gate (arco) e dois pontos por atingir o goal pole (pino central).
Atualmente 20 milhões de pessoas praticam gateball no mundo, sendo que a metade está na China, seguida pelo Japão, com 5 milhões e Taiwan com 1,8 milhão. No Brasil, estima-se que existam 10 mil praticantes. Vários campeonatos são realizados todos os finais de semana, movimentando um grande número de atletas.
Por ser um jogo leve, com um desgaste físico moderado, gateball é indicado para pessoas de qualquer idade e sexo.
Fonte: www.culturajaponesa.com.br e Wikipedia.

sábado, 25 de agosto de 2012

Adiantaram-se os Ipês?


Não entendo muito de botânica ou de meteorologia, assim a florada dos Ipês sempre me confunde. Acho que a sabedoria popular diz que uma vez que o Ipê dá a sua florada é porque o inverno acabou. Talvez os ipês ficaram confusos também, já que tivemos uma onda de calor aqui em Curitiba que durou algumas semanas (dizem que semana que vem o frio volta) e eles devem ter achado que a primavera já havia se instalado.
De qualquer maneira, ver essas árvores como nas fotos de hoje é sempre um prazer. Esse ipê eu fotografei na R. Pref. Ângelo Lopes, na altura da Souza Naves no Alto da XV.

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Mais uma vez o chafariz.


Enquanto eu estava sendo fotografado pela Gazeta, fui fazendo algumas fotos. A forma em curva do parapeito do chafariz da Praça Osório ficou bem interessante.
Esse chafariz foi construído em 1962 e suas peças em metal foram trazidas da França.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Casas de madeira de Curitiba 69




Na minha circulada pelo Bairro do Abranches para achar aquela incrível casa de madeira vermelha, acabei passando por muitas outras, infelizmente por ruas que não me lembro mais o nome, que divido com vocês aqui hoje.

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Tapume ecológico.

A pedido de uma amiga (Professora Doralice do blog namiradoleitor.blogspot.com.br), passei pela avenida Batel para fotografar esse tapume ecológico. Devemos reconhecer que até nesse quesito a construção civil vem evoluindo. Dos terríveis tapumes em maderite, passamos para outros de metal (muito mais duráveis) que em alguns lugares podemos ve-los decorados com belos grafites.
Esse modelo tomado por plantas, só vi na obra do novo shopping que está em fase de acabamento no Batel. Será que podemos esperar por uma obra mais sustentável nesse caso ou foi apenas por fins estéticos que o tapume foi criado?

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Pessoas Comuns e Incomuns de Curitiba 94

Tinha acabado de fazer a foto para a matéria da Gazeta e já estava indo embora, quando ouvi o ruido de um motor bem perto de mim. Assim que me virei, vi uma pessoa num daqueles skates motorizados, locomovendo-se com muita agilidade pela Boca Maldita. Fotografei rapidamente. A foto ficou meio desfocada, mas mesmo assim gostei dela.

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Igreja do Abranches


A paróquia de Abranches, situada na mais antiga colônia de imigrantes poloneses vinda do sul do Brasil, tem a sua história iniciada no ano de 1873, quando os recém-chegados da Polônia, após estabelecerem-se em Santa Catarina, finalmente fincam raízes na região norte de Curitiba. No bairro do Abranches, foi levantada a primeira capela dedicada à Sant’Ana. De 1892 a 1893, os colonos construíram a atual igreja.

domingo, 19 de agosto de 2012

Caminhadas Observacionais na Gazeta do Povo


A Gazeta do Povo fez uma matéria sobre as Caminhadas Observacionais, organizadas pelo professor de física da UTFPR Mário Sérgio Freitas e pelo artista plástico Rafael Codognoto. Fui indicado como um dos participantes do grupo para dar um depoimento sobre essa fabulosa iniciativa, que nos permite conhecer e vivenciar a nossa Curitiba de uma forma única e privilegiada.
Além de uma entrevista por telefone, solicitaram que fizessem uma foto minha em algum lugar de Curitiba que eu indicasse. Escolhi a Rua XV e a Praça Osório (tenho forte vínculos afetivos com essa região). Logicamente não perdi a oportunidade para fotografar o fotógrafo que me fotografava (Antônio More), que alías é uma pessoa excelente, me dando até algumas dicas para novas fotos.
A matéria foi publicada na edição de hoje (19/08) no seguinte link.

sábado, 18 de agosto de 2012

Arte na padaria



Estive na Confeitaria Requinte recentemente para tomar o meu café da manhã. O café estava muito bom, mas o que chamou a atenção foram belos quadros (óleo sobre tela) que estavam expostos e à venda.
A Confeitaria Requinte fica no Cabral, bem perto da Igreja do Cabral.

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Bustos e estátuas de Curitiba - Baltazar Carrasco dos Reis


Balthazar Carrasco dos Reis (São Paulo, 1617 - Curitiba, 8 de outubro de 1697) foi um bandeirante brasileiro e um dos fundadores da cidade de Curitiba.
Era casado com Izabel Antunes e recebeu por carta de 29 de junho de 1661, assinada por Salvador Corrêa de Sá e Benavides, uma Sesmaria de terras na localidade de Mariguy (Barigüi) onde já morava por vários anos, localizada na Villa de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais.
Possuia grandes extensões de terra nos Campos Gerais de Curitiba, no litoral paranaense e na Villa de Sant'Anna de Parnahyba.
Esteve presente na reunião ocorrida no dia 29 de março de 1693, quando foi instituida a justiça nessas terras, data que posteriormente seria adotada como a da fundação de Curitiba.
Segundo a obra clássica de Francisco Negrão publicada em 1926: "Genealogia Paranaense" as seguintes famílias: Andrade, Soares e Seixas, juntamente à do capitão Matheus Martins Leme se entrelaçaram por meio de casamento com a de Balthazar Carrasco dos Reis, formando uma grande prole, a partir de seus 8 filhos, e é tido como um dos povoadores de Curitiba, sendo que seus descendentes formaram a elite política do estado.
Fonte: Wikipedia

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Pessoas comuns e incomuns de Curitiba 93

O garoto fazendo malabarismos com três bolinhas na esquina da Mariano Torres com a Conselheiro Araújo no centro, não é um gigante. O carro encobre o colega de trabalho dele que serve de suporte para que o artista se eleve acima dos carros, facilitando a visualização do espetáculo.

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Trapezistas de shopping


Para chamar ainda mais atenção para sua liquidação de inverno, o Shopping Curitiba contratou trapezistas e acrobatas para apresentarem-se pendurados no teto do shopping. Para quem não sabia da rotina das apresentações, realmente a surpresa é grande caminhar pelos corredores e de repente dar de cara com um trapezista.

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Mercado Municipal reformado




Quem passa pelo Mercado Municipal, percebe que a revitalização deve estar na sua reta final. Já é possível ver que a nova entrada pela Sete de Setembro está praticamente pronta.
Essa reforma e revitalização não tem por objetivo apenas trazer maior conforto para clientes e trabalhadores do mercado, mas procurou adequar a sua estrutura ao perfil dos clientes (extremamente exigente) e também, tornar o local um ponto ainda mais forte de atração turística.
A área de alimentação mais que dobrará (com mais espaço para manipulação dos alimentos), haverá uma torre de estacionamento com sete andares, o Municipal contará com uma área para eventos e toda parte logística foi repensada. Bom para Curitiba!

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Casas de Madeira de Curitiba 68


Estive no Bairro Prado Velho, mais especificamente na Rua Cyro Vellozo, onde uma amiga de faculdade morou e pelo que disse, foi muito feliz por muitos anos.
Não achei a casa dela (penso que era uma semi-oculta por um muro), mas me surpreendeu a quantidade de outras casas de madeira.
Essa achei muito interessante pelo conjunto: casa, muro, terreno, árvores.

domingo, 12 de agosto de 2012

Pista de Skate do Jardim Ambiental

A pista de skate do Jardim Ambiental no Alto da XV ganhou alguns grafites novos. Recebi informações (não tenho como confirmar) de que havia um movimento para retirar essa pista, que revelou alguns talentos desse esporte, por questões de segurança e por eventual má freqüência.
Acho muito mais produtivo buscar uma melhor vigilância, evitando a má freqüência, que incomoda inclusive quem quer aproveitar a pista para seu lazer.

sábado, 11 de agosto de 2012

Mais um dia de feira!



Fiz essas fotos no último sábado com o meu celular (ouvi no rádio essa semana que a melhor camera que existe é aquela que está com você, por isso, o celular é sempre uma grande camera).
Enquanto espero a minha esposa alimentar nosso simpático golden chamado Bud, publico essas fotos e logo depois, vamos à essa mesma feira que fica no Alto da XV e que há muitos anos freqüentamos.
Gosto muito da variedade dos produtos, da qualidade desses e do pastel! Não há pastel melhor do que o da feira! Além disso, a feira é um ótimo lugar para (pelo meno eu acho) passear, ver pessoas, respirar um pouco mais tranquilo.