sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Que casa é essa na Des. Motta?





Quando circulava pela Des. Isaías Bevilacqua, passando pelo cruzamento com a Des. Motta, percebi uma casa de madeira num terreno muito alto. Parei e fui lá conferir. É de fato uma construção intrigante. É uma casa de madeira bonita (judiada pelo tempo), mas o que chama a atenção, além do endereço, é a sua implantação no alto de um terreno que deve ficar a 4 metros do nível da calçada, com um muro de pedras e tendo um belo portão com galhos de araucárias em chapas de metal. As janelas ainda têm cortinas e não há sinal de vandalismo, apenas os problemas pela falta de manutenção. Quem terá vivido nessa casa? Qual será a sua história?
Descobri um pouquinho da história da casa. A Iara Teixeira na sua página do facebook, mostrou suas fotos dessa mesma casa e comentou que quando fazia essas fotos, ela estava com a sua mãe, que essa teria dito que quando noiva de Nireu Teixeira, ela já tinha conhecido essa casa e que essa pertencia a um senhor chamado Leopoldo Grumm (ou Brunn), que trabalhava no antigo departamento de Terras e Colonização do Estado. 

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Chega aí freguesia!!!

Eis uma profissão muito comum em lojas de rua em Curitiba e em qualquer grande cidade brasileira. Na calçada (normalmente) fica o locutor falando com muita simpatia as ofertas do dia e tentando atrair para dentro da loja os passantes. Esse estava na rua XV, perto do prédio histórico da UFPR. Ele me cumprimentou e autorizou que fizesse a imagem de hoje.

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Sketch Crawl 42 - Curitiba


No último sábado (25/01) aconteceu um movimento mundial chamado Sketch Crawl, quando croquiseiros do mundo todo, no mesmo dia, desenharam as suas cidades. Aqui em Curitiba o ponto de encontro foi a rua XV de Novembro. A maratona aconteceu das 10:00 às 18:00 e eu registrei apenas o começo dessa reunião.

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

A árvore mais alta de Curitiba?





Num caderno onde aleatoriamente anoto pontos de interesse para fotografar, achei o seguinte: "fotografar a árvore mais alta de Curitiba na Praça Gal. Werner Gross". Não sei de onde obtive essa informação, mas de qualquer maneira, resolvi encontrar essa notável árvore no meu último dia de férias e sem dúvida alguma valeu muito conhecer essa gigante.
Depois de fazer as fotos (algumas das quais apresento hoje), fui pesquisar se de fato essa é a mais alta árvore de Curitiba. Não encontrei a confirmação dessa informação, mas descobri que essa árvore é tombada pelo Patrimônio Cultural do Governo do Estado do Paraná. No livro do tombo, encontramos o seguinte texto:
"Árvore Paineira: Data da Inscrição 10/09/74. Está localizada na Praça General Werner H. Gross, esquina com a Rua Valentim Trevisam, no Bairro do Bom Retiro, Curitiba. A paineira é nativa do Brasil, podendo ser encontrada em regiões de clima tropical e subtropical, em locais ensolarados e com umidade moderada. Distribui-se desde a Paraíba até o Rio Grande do Sul. É árvore alta, galhosa, com tronco engrossado e fortemente armado com grossos e curtos espinhos. Forma uma copa muito grande, arredondada, com folhas compostas digitadas. As flores são cor-de-rosa. A floração ocorre no outono, época em que a árvore apresenta grande beleza. É largamente utilizada na arborização urbana. Os frutos, quando maduros, abrem-se espontaneamente por cinco fendas longitudinais, as valvas se desprendem, ficando somente a paina (branca semelhante ao algodão) pendurada na copa. As sementes, ricas em óleo, estão envoltas na paina branca e, quando nova, são procuradas por bandos de periquitos, que abrem os frutos com o bico."
Não sei se é a árvore mais alta de Curitiba (é tão alta que nela foi instalado um conjunto de pára-raios), mas é certamente uma das mais lindas que já vi na nossa cidade.

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Uma casa de madeira da Des. Isaías Bevilacqua





Como já havia dito, a rua Isaías Bevilacqua é realmente um lugar diferente. Essa casa de madeira extraordinária eu encontrei na esquina da Isaías Bevilacqua com a Al. Presidente Taunay. A casa tem um belo jardim, duas bay windows e um sótão habitável que parece ser bem grande. Pelas janelas abertas e pelo cuidado com a propriedade como um todo, certamente pessoas que amam essa casa ainda a habitam.

domingo, 26 de janeiro de 2014

Uma casa modernista da Des. Isaías Bevilacqua


Essa linda casa claramente modernista, fica na esquina da Des. Isaías Bevilacqua com a Fernando Simas. As esquadrias são em madeira e em verde elementos vazados (Cobogós?) como nos vários prédios modernistas do centro. Alguém sabe quem é o arquiteto?

sábado, 25 de janeiro de 2014

Circulando pela Rua Des. Isaías Bevilacqua




Uma leitora desse blog, Mariana, sugeriu que eu desse uma circulada pela R. Des. Isaías Bevilacqua no bairro Mercês e como referência, me mandou um link para o blog da Bárbara Kirchner (link), que levava à uma foto da Iara Teixeira, de um casarão que deveria estar na terceira foto do post de hoje. O belo casarão foi obviamente demolido e de lembrança fica apenas a foto da Iara e até que o Google atualize sua base de dados, no Google Maps o casarão ainda está lá entre os coqueiros. 
A Iara muito gentilmente me enviou a foto (feita pela Dóris), que ela chama de a "Casa Monstro" e como podem ver, era fabuloso! Pena não ter sido reformado e transformado em algo à sua altura!
Além das fotos de hoje, fotografei outras casas que de tão especiais, postarei individualmente.

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Uma homenagem aos professores.










Sempre que passava pela via rápida que leva ao Pinheirinho, no bairro da Vila Izabel percebia uma seqüência de ruas com nomes de professores. Já vi em Curitiba (e em outras cidades) locais com seqüência de ruas com nomes de países, estados, animais, mas nunca havia visto com nomes de professores, o que achei bastante interessante. Ontem fui ao local para fotografar as placas e pesquisar quem são esses professores.
Como fotos de placas não é assim muito interessante, circulei pelas ruas dos professores e fotografei algumas coisas interessantes, com destaque para o Templo das Musas ou Instituto Neo Pitagórico, fundado pelo Prof. Dario Veloso.
Aproveito o post dizer que todos os professores mereceriam ter seu nome numa placa de rua, uma vez que ensinar no Brasil não é uma missão muito fácil, apesar de ser a mais importante das profissões.
Se desejarem saber um pouco desses notáveis professores, siga lendo.

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

No mundo da lua.

Estava fotografando o Instituto Neo-Pitagórico na Vila Izabel, quando vi as belas araucárias do bosque junto ao instituto. Junto às copas das araucárias, a lua destacava-se contra o azul de brigadeiro desse dia muito quente.

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Um triste "antes e depois"!



 Uma amiga de Croquis Urbanos (Eliane) me mostrou uma foto de uma casa que ela dizia ser urgente que fosse registrada, pois essa estava com os dias contados. Reconheci a casa pois já havia feito um post sobre ela no ano passado (clique aqui para ver esse post).
Ontem pelo FB, soubemos que a casa tombou. Como hoje estava na região fotografando algumas ruas do bairro Vila Izabel, passei novamente onde estava a casa para fazer esse "antes e depois" de mais uma linda casa de madeira que tombou para dar espaço a um (provavelmente) novo empreendimento imobiliário.
Não creio que possamos dizer que foi um erro do proprietário do terreno e da casa determinar a sua demolição, afinal é um patrimônio (o terreno) pessoal e super valorizado que seu (ou seus) detentor têm pleno direito de dispor como acharem melhor. Mas é triste ver um exemplar tão bonito da arquitetura de madeira de Curitiba como era esse, desaparecer de vez da história da nossa cidade.
A última foto mostra a minha sombra visitando a sombra do que já foi essa casa!


terça-feira, 21 de janeiro de 2014

As casas de madeira do Boa Vista







Circular pelo bairro do Boa Vista foi bem bacana. A cada rua e a cada curva, uma nova e linda casa de madeira surge, uma mais bonita do que a outra e todas muito bem cuidadas, certamente todas ocupadas. Fico pensando o que pode ter levado a evitar que essas casas tenham tombado para dar lugar a prédios. Será que o Aeroporto do Bacacheri tem alguma relação com isso?

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Alguém está me observando!

Essa é uma das câmeras que foram instaladas ao longo da Rua XV, com o propósito de ser mais uma ferramenta para aumentar a segurança nessa região da cidade. Não sei se de fato estão em operação, se de alguma forma ajudaram a reduzir a criminalidade, mas o fato é que aos domingos a Rua XV deixou de ser um lugar onde se possa caminhar com absoluta tranquilidade como antes.

domingo, 19 de janeiro de 2014

A gente não queria lutar!


Não raro um carro das forças armadas aparece transportando nossos bravos soldados. Sempre que posso, fotografo os piás e normalmente, sou percebido, como o fez o soldado da segunda foto.

sábado, 18 de janeiro de 2014

Scooby-Doo!! Cadê você??

Se a lógica do desenho se mantiver, o Fred estava no volante, a Daphne certamente ao seu lado e o Scooby do outro lado. Esse era um desenho no qual mudava a história, mas o roteiro era sempre o mesmo. Um fantasma ou monstro (SEMPRE falso) aparecia, assustava todo mundo e esse pessoal decidia investigar. Nas rondas dividiam-se sempre em dois grupos: Fred, Daphne (sempre) e a Velma num grupo e o Salsicha (aqui seria o Vina) com o Scooby no outro. Esses dois covardes sempre davam de cara com o fantasma/monstro primeiro. Um plano maluco elaborado pela Velma usava o Scooby como isca, que depois de muitas trapalhadas (e suborno com biscoitos Scooby) terminava por desmascarar o mal-feitor e seus mau-feitos. Os bandidos invariavelmente saiam de cena com a frase: "Eu teria conseguido se não fossem por aqueles garotos incheridos e esse cachorro idiota"! Bons tempos!!
Essa The Mystery Machine eu fotografei no Bacacheri.