segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

O epitáfio de uma casa de madeira



Ontem o Croquis Urbanos topou registrar a casinha de madeira que mais gosto de Curitiba antes de seu colapso total. 

Aproveitando a companhia do grupo, alguns (eu inclusive) se aventuraram com todo cuidado ao redor da casa e também, parcialmente no seu interior. Foi possível perceber que certamente no seu auge, essa casa deve ter sido um lugar muito bom de se viver, com seu grande quintal, posição privilegiada no alto terreno e seu amplo espaço interior.

Assim como uma pessoa que vai envelhecendo, uma casa de madeira demanda atenção, manutenção e carinho para que continue a ser um lugar aconchegante e seguro. O que se percebe agora nessa casa é que ela foi abandonada para morrer. Tomara que tenha cumprido seu papel enquanto existiu e foi habitada como um lar.

domingo, 28 de fevereiro de 2016

Uskers na Manoel Coelho Arquitetura e Design





Ontem o USK Curitiba esteve na sede da Manoel Coelho Arquitetura e Design. Lá pai e filho (Manoel Coelho e André Coelho) nos receberam com muito carinho e muitas histórias foram descobertas e recordadas. E se Denise Coelho não estava, suas belas cerâmicas marcavam sua presença.

Manoel Coelho formou-se em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) em 1967 - sendo aluno da primeira turma do curso. Na UFPR foi professor titular e coordenador do curso por vários anos. Participou do processo de Planejamento Urbano de Curitiba com projetos para o mobiliário urbano de Curitiba e a revitalização da Praça Osório. Ele também é o responsável pela arquitetura do Centro de Design do Paraná e do Tecnocentro.

Entre as diversas premiações destacam-se o Prêmio pelo Conjunto da Obra no 15° Congresso Brasileiro de Arquitetos Oscar Niemeyer; Prêmio pelo Projeto de Sinalização e Mobiliário Urbano de Curitiba na 3ª Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo; Prêmio de Excelência na 2ª Bienal Brasileira de Design; além de participações na Bienal de Arquitetura de Buenos Aires e Bienal Mundial de Arquitetura de Sofia, na Bulgária.

O lote de esquina induziu a um volume singelo com desenho que remete a uma proa de barco ancorada ao terreno. No pavimento térreo, o hall de entrada com pé-direito duplo promove a integração vertical dos espaços e deixa à mostra a estrutura em tesouras de madeira que sustentam a cobertura. A seguir alinham-se a recepção, reuniões, sanitários, biblioteca e sala de direção como volumes autônomos e vivamente coloridos. O pavimento superior é um espaço aberto, um amplo ateliê, no qual trabalham de forma integrada arquitetos e designers desfrutando de vista privilegiada para o bosque vizinho e à paisagem da cidade.

sábado, 27 de fevereiro de 2016

Enquanto você espera...




Retirado o painel de Franco Giglio, um grande painel inicialmente em branco foi instalado no lugar do mosaico original. Um véu escondia parcialmente um artista e seu trabalho que aos poucos foi sendo elaborado.
Ontem os andaimes e o véu foi retirado e então foi revelado um belíssimo desenho de Ezekiel Moura, inspirado no mosaico de Franco Giglio, que ficará no local enquanto durar o restauro.
O painel está no Edifício Brasilio de Araújo, na rua Visconde de Nácar, centro de Curitiba.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Da janela do Paço


Ontem estivemos no Paço da Liberdade para o lançamento do livro e exposição dos Desenhadores de Rua. Enquanto esperava a abertura do evento, de uma das janelas do Paço fiz as fotos de hoje a partir do meu celular. Que vista bacana, não é mesmo?

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Arte cemiterial








No dia em que o Urban Sketchers de Curitiba esteve na Praça do Gaúcho, alguns escolheram o Cemitério Municipal São Francisco de Paula para fazer seus desenhos.
Creio que nunca havia circulado por esse cemitério e mesmo tendo ficado muito pouco tempo por lá, fiquei impressionado com a beleza de alguns mausoléus e seus detalhes. Compartilho hoje algumas das fotos que fiz.
O Cemitério Municipal São Francisco de Paula é mais antigo de Curitiba. A pedra fundamental foi lançada em 1854, mas o primeiro sepultamento foi registrado somente em 1883. É uma espécie de síntese da memória curitibana, onde em capelas e mausoléus de várias épocas, encontram-se sepultados muitos dos nossos personagens mais ilustres.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Protestos

Parece que aquela fúria ou surto de protestos deu uma esfriada Brasil afora. Será que é tanta gente grande sendo algemada que ficamos entorpecidos ou seria estupefatos?
Tomara que depois dessa revirada na lama, surja um país melhor e um povo mais atento e imune à política feita de marketeiros ao invés de estadistas. Pode ser que estejamos bem distantes disso, mas não custa ter esperança.
A foto de hoje foi feita a partir do meu carro na Praça Rui Barbosa.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Pista de Skate da Praça do Atlético











Destruída para atender as exigências da Fifa para a Copa do Mundo 2014, a pista de skate da Praça Afonso Botelho, popularmente conhecida como pista do Atlético foi objeto de discussão durante muito tempo para os skatistas de Curitiba.

A antiga pista possuia um layout característico das pistas de skate do final dos anos 90/inicio dos anos 00. Quarter Pipe, rampa reta, palco e savana com canos, além de um spine.

Bastante surrada e sem manutenção, a pista era mantida pelos próprios skatistas locais. Alguns destes locais se uniram e formaram a As Praça, ou associação dos skatistas da Praça.
Após a demolição da antiga pista de skate, a prefeitura prometeu aos skatistas da cidade a reposição da pista ao final da Copa do Mundo.

Iniciou-se ali, algo inédito em Curitiba. Uma parceria entre Prefeitura de Curitiba e skatistas, os quais foram representados pela Associação dos Skatistas da Praça (AS Praça).
A AS Praça contribuiu para o desenvolvimento do projeto da nova pista (layout) e de fato, em 2015 começaram as obras na Praça.

Pouco antes do termino das obras da pista, novamente a Prefeitura acionou as entidades que representam o skate como a PRa Skate, a AS Praça e a FSP e alguns skatistas de Curitiba, para avaliar o que ja estava construído e discutir sobre últimos ajustes, como a angulacão dos quarter pipes, as cantoneiras dos palcos e bordas, acabamento do piso da pista, construção das rampinhas retas (rampas que servem para gerar velocidade para usar corrimão e as Hubbas (muretas) e a rampa do gap).

A Parceria foi honrada, as sugestões foram atendidas pela prefeitura e o resultado final pode ser observado agora com a pista em uso.

São centenas de skatistas utilizando diariamente a pista, que por sua fez ficou muito bem construída e com um acabamento impecável.

A PRa Skate agradece aos skatistas da AS Praça, ao Prefeito Gustavo Fruet, aos secretários municipais de Esporte e Lazer, Aluisio de Oliveira Dutra Junior e a todos envolvidos direta e indiretamente pela entrega da pista de skate.

O texto bem bacana acima, que conta a história da nova pista de skate da Praça do Atlético, retirei do site da PRaskate - Associação Paranaense de Desenvolvimento da Cultura e Prática do Skate.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Casas da Mercês e São Francisco













O legal de caminhar com o objetivo de observar a cidade é a possibilidade de descobrir elementos da paisagem que dificilmente notaríamos, quer pela pressa ou por serem locais que dificilmente passaríamos por estarem distantes da nossa rotina.
Hoje um pequeno grupo de belas casas que fotografei durante a caminhada pelos bairros das Mercês ou São Francisco.

domingo, 21 de fevereiro de 2016

Grupo de caminhadas observacionais - Mercês e São Francisco - Casas de madeira






Esperava encontrar novas casas de madeira para fotografar nos bairros pode onde caminhamos e não deu outra. A caminhada começou justamente diante de uma delas.
Apresento hoje seis dessas casas. Nelas observamos bay-windows, mesclas com alvenaria, cores vivas em algumas e discrição em outras. Todas elas em locais de residências baixas, aparentemente distantes do risco de serem engolidas (pelo menos por enquanto) das altas edificações.