sábado, 30 de abril de 2016

Os sobrados e a antiga estação ferroviária


O auge da gloria dessa região aconteceu na época em que a porta principal de entrada e saída de Curitiba era a antiga estação ferroviária, quando todo poder público concentrava-se na Barão do Rio Branco (antes chamada de rua da Liberdade) e oss principais hotéis ficava nesse entorno.
Hoje ainda temos a Câmara Municipal na Praça Eufrásio Correia, mas com o deslocamento do poder público para o Centro Cívico, fez a região perder grande parte do seu status.
A primeira foto foi feita da janela do prédio histórico da Câmara e a outra, da Barão, mostrando ao fundo o antigo prédio da estação ferroviária.

sexta-feira, 29 de abril de 2016

A Casinha da Praça 29 de Março






A série de fotos que fiz da Praça 29 de Março serviu de apoio para divulgar o evento do Encontro Urban Sketchers Brasil, principalmente a foto da casinha de madeira que fica perto da esquina da Padre Anchieta e Desembargador Motta.
A casinha, como podem ver pela foto, carece de mais cuidados, mas nada que impedisse os sketchers de representá-la de forma e linguagens belíssimas, inclusive com a figura emblemática do Zequinha circulando por ali.

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Uma casinha de madeira espremida




Essa casinha de madeira fica na Avenida Iguaçu no bairro Água Verde. O terreno é pouco profundo, o que fez com que os prédios vizinhos chegassem tão perto da casinha, que parecem querer empurrá-la para a rua.
A casinha é bem cuidada, com uma pequena varanda, sótão habitável e roseiras no jardim frontal. Um cenário que só o tempo dirá quanto resistirá ao avanço do concreto.

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Fotógrafo sobre rodas.



Estava na Praça Garibaldi acompanhando o evento do Urban Sketchers Brasil, quando um ciclista com uma câmera no pescoço parou e me perguntou o que estava rolando. Expliquei e ele começou a fazer círculos ao redor do pessoal, sem as mãos no guidão, fazendo suas fotos.

Um verdadeiro ciclista/malabarista/fotógrafo! Inusitado, divertido, mas particularmente, achei um pouco perigoso para ele e para quem circulava pelo local.

Há pouco descobri que o ciclista/malabarista/fotógrafo chama-se George Naday. Ele discorda do comentário (levemente editado) que fiz acima de que pode ser perigoso olhar num view finder e pedalar ao mesmo tempo. Disse que nunca machucou-se ou machucou alguém. (que bom).

Talvez eu tenha falado por mim mesmo, uma vez que se tentasse tal proeza, acabaria abraçado ao Cavalo Babão ou enroscado no Relógio das Flores!

terça-feira, 26 de abril de 2016

Conheça Herman.





Estava acompanhando o encontro Urban Sketchers Brasil no Paço e como a Rua XV estava no pacote, resolvi caminhar a XV em busca dos desgarrados.

Acabei encontrando Herman, um artista peruano, verdadeiro sketcher das ruas, que é comumente encontrado na rua XV,  onde cria grandes desenhos com giz coloridos que o tempo, os pés e a chuva acabam levando.

Ele me viu com a camiseta do evento e disse que talvez aparecesse no MON. Não o vi por lá, uma pena, teria sido bem bacana.

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Encontro Urban Sketchers Brasil - MON e Bosque do Papa






E terminou ontem o encontro nacional dos Urban Sketchers em Curitiba. Foram quatro dias muito intensos, com encontros em diferentes pontos de Curitiba em todas as manhãs e tardes, fechando sempre à noite num local para confraternizar.
Mais de 250 pessoas de Curitiba, do Paraná, do Brasil e até de fora do Brasil produziram muita arte, sempre num clima absolutamente ordeiro mas igualmente descontraído, dentro de um clima de muita camaradagem.
Curitiba e todos os Urban Sketchers de Curitiba mostraram como é linda a nossa cidade e o quanto esse povo que mora aqui é bacana! 



domingo, 24 de abril de 2016

Encontro Urban Sketchers Brasil - Jardim Botanico e Paço da Liberdade







Ontem encontro duplo do Urban Sketchers do Brasil. Pela manhã no Jardim Botânico e à tarde, no Paço da Liberdade e Rua XV. 
Em ambos os lugares, o enorme grupo de desenhistas chamaram muita atenção de todos os passantes, que admiraram tanto a atitude (valorizando a cidade) como a qualidade dos desenhos e pinturas. 
Para os de fora de Curitiba, o encantamento de estar diante de ícones da nossa cidade e para os daqui, o prazer de estar em tão boa companhia. E não podem esquece o quanto o tempo colaborou com tudo!





sábado, 23 de abril de 2016

Encontro Urban Sketchers Brasil - Praça 29 de Março







Ontem pela manhã o encontro nacional dos Urban Sketchers aconteceu na Praça 29 de Março. Sem dúvida um lugar com muitas marcas de Curitiba e amplo o suficiente para abrigar mais de 250 pessoas que debaixo de um sol escaldante produziram muito durante as quase 3 horas de evento.

Lindos desenhos e pinturas representando Curitiba se espalharão Brasil afora, assim como o clima acolhedor e descontraído com o qual todos foram recebidos.

Para ver cada uma das fotos dos mosaicos de hoje, acesse a página do evento no Facebook aqui.

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Encontro Urban Sketchers Brasil - Doce de Cidra



Ontem à tarde aconteceu o pré-evento do Encontro Urban Sketchers Brasil. Pessoas de todo o Brasil e até de fora do Brasil estão em Curitiba para fazer o que mais gostam, crônicas urbanas na forma de desenhos.
O pré-evento aconteceu na simpática casinha de madeira na rua Cândido Xavier onde funciona o Doce de Cidra. Logo de cara, uma amostra das muitas faces de Curitiba, nesse caso, a bela simplicidade de uma casinha com lambrequins.

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Primeiro Encontro Urban Sketchers Brasil em Curitiba

O olhar e o modo de representar a cidade dos curitibanos é único. Entre os dias 21 e 24 de abril, porém, todos terão a chance de interagir com artistas e entusiastas que se reunirão em Curitiba para a primeira edição do Encontro Urban Sketchers Brasil, um movimento dedicado ao desenho de observação.

A ideia surgiu por iniciativa do jornalista espanhol Gabriel Campanario, que resolveu retratar o cotidiano da cidade de Seattle (EUA), onde reside, e publicar o resultado no que começou como um blog e hoje é o site www.urbansketchers.org

Escolhida em acirrada votação na internet, a capital paranaense se destacou frente a Salvador, Rio de Janeiro e São Paulo. Na agenda estão previstas visitas tanto a locais icônicos da cidade (Jardim Botânico, Museu Oscar Niemeyer) quanto a outros ainda não amplamente descobertos, como as casas de lambrequim, elemento arquitetônico de influência polonesa, entre outros.

O evento de abertura do Encontro acontece no Memorial de Curitiba, nesta quinta (21), às 19h. A ocasião também marca o lançamento da publicação “Sketchers do Brasil”, que reúne o trabalho de 51 desenhistas e ilustradores que, através de sua arte, retrataram cenas do cotidiano “in loco”. Participam sketchers do Rio Grande do Sul, Bahia, Rio Grande do Norte, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Santa Catarina, Alagoas, Distrito Federal, Goiás, Ceará, Maranhão e Espírito Santo. Fonte: Gazeta do Povo

Acompanho o grupo desde o primeiro encontro no Museu Oscar Niemeyer. Dada minha proximidade com o grupo e paralelismo do que faço e do que o USK faz em Curitiba, fui convidado para ser o fotógrafo oficial do evento.

A maratona começa na tarde de hoje no Doce de Cidra (uma linda casinha de madeira no Água Verde) e termina no domingo à tarde no MON.

Toda programação pode ser conferida na página oficial do encontro. Todos estão convidados para acompanhar desenhando ou apenas observando essa gigantesca declaração de amor por Curitiba.

Logicamente nos próximos dias, postarei aqui como foi cada um dos encontros. Bons desenhos para todos!!


quarta-feira, 20 de abril de 2016

O Vaso da Amizade


Hoje vou abrir um parêntesis para falar de um projeto bem bacana que está movimentando um grupo considerável de artistas em Curitiba, o Vaso da Amizade, promovido pelo Hugo Umberto Carmesim.

Trezentos pequenos vasos brutos de cerâmica idênticos, foram entregues à trezentos artistas diferentes para que cada um trabalhasse esse vaso da forma que sua criatividade mandasse. 

Alguns viraram plantas, mosaicos, receberam pinturas e desenhos, outros foram concretados, desconstruídos, ganharam jeans (com direito a celular no bolso) e agasalhados com casaquinhos de lã. Uma festa!!

Na foto maior, um mosaico com todos os que já fotografei até agora e logicamente, na outra foto em destaque, o vaso Circulando por Curitiba. O mosaico com a nossa calçada paranista foi feito pela Marcia Flenik e as flores/fotos de vários pontos de Curitiba, são minhas.

No dia 04/05 todos os vasos estarão expostos na tradicional Decormade Living, que fica na Av. Vicente Machado, 878 - Batel. Nesse dia das 09:00 às 19:00 os vasos estarão expostos e à venda por um preço que pode ser considerado uma verdadeira pechincha!!

Acorde cedo nesse dia e faz fila na porta da Decormade para garantir o seu favorito! 

Para mais detalhes sobre o evento e para ver cada vaso até agora postado individualmente, visite a página do evento no Facebook aqui.


terça-feira, 19 de abril de 2016

Pelas ruas de Curitiba


No mesmo dia encontrei esses dois carros bem bacanas quando circulava pela cidade.
O primeiro parece ter saído de um antigo seriado policial norte americano. Na porta até estava escrito "to protect and to serve".  O segundo carro, pertencente à uma loja de antiguidades no Bacacheri, parece saído de um desenho animado (tipo corrida maluca).

segunda-feira, 18 de abril de 2016

O Grupo Escolar Lysímaco Ferreira da Costa e o Croquis Urbanos de Curitiba



Ontem o Lysimaco Ferreira da Costa foi aberto especialmente para receber a visita do Croquis Urbanos de Curitiba, matando a curiosidade de alguns e a saudades de outros (ex-professores e alunos).

Em Curitiba na década de 1940, os bondes foram substituídos pelas lotações, o que facilitou a circulação entre os bairros. O bairro da Água verde situava-se na fronteira entre o meio urbano e o rural, próximo ao bairro Batel.

Uma grande área, que seria futuramente ocupado pelo Grupo Escolar Lysimaco Ferreira da Costa foi comprada, o que proporcionaria uma visualização completa do edifício. O interventor Manoel Ribas assinou o decreto para desapropriação e compra do terreno em 30/12/1942.

A construção foi realizada pela firma Caron & Vellozo e o seu projeto pode ser considerado como o melhor exemplo da influencia da arquitetura neocolonial em Curitiba. A obra foi iniciada em setembro de 1943 e concluída em setembro de 1946. Mesmo não sendo um edifício de grande porte, destaca-se até hoje na paisagem urbana da região por estar num local alto do terreno.

Em 29/01/1946 o interventor Clotário Portugal assinou o decreto que mudava o nome de Grupo Escolar Água Verde para o atual Grupo Escolar Lysimaco Ferreira da Costa.

A linguagem neocolonial aparece nos frontões curvos e nas colunas com arcos rebaixados. Outra característica importante da influência neocolonial é a construção de uma torre, um dos elementos fortes da construção do século XIX, sobretudo na arquitetura religiosa.

O uso de uma pedra bruta escura disposta de forma irregular na parte inferior de todo o prédio, dá ao edifício um aspecto sólido e pesado, contrastando com a leveza da cor clara do restante do prédio.

Lysimaco Ferreira da Costa (1883-1946) foi um importante educador do Paraná. No início do século XX começou a participar intensamente na área de educação e, em 1920, dirigiu o Ginásio Paranaense e a Escola Normal de Curitiba, tornando-se depois disso, Inspetor Geral da Instrução Pública. Foi também Secretário da Educação.

Fonte: “HISTÓRIA & ARQUITETURA ESCOLAR: OS PRÉDIOS ESCOLARES PÚBLICOS DE CURITIBA (1943-1953)”, de autoria de ANA PAULA PUPO CORREIA.