terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Zombie Walk 2017 - a piazada zumbi se diverte!















Além das super produzidas maquiagens de zumbi que impressionam, uma das coisas mais bacaninhas que vejo na Zombie Walk são as crianças que sempre acompanhadas dos pais, divertem-se irá caramba mostrando suas fantasias e maquiagens, pedindo para tirar fotos com os personagens mais impressionantes e circulando tranquilos por uma aglomeração cujo único objetivo é proporcionar diversão à todos.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Zoombie Walk 2017 - o quase apocalipse zumbi!























Depois de sobreviver a quase um apocalipse zumbi dias antes do evento, com um cancelamento da Zombie Walk anunciado por algumas exigências que a organização não teria condições de atender, uma vez que não tem respaldo financeiro para tal, a tão esperada caminhada dos zumbis pela rua XV partindo da Praça Osório aconteceu, graças à grunhidos horripilantes e alguma conversa com a prefeitura, que garantiu o apoio necessário.

Hoje publico algumas que fiz ontem e amanhã, publicarei outras mais focadas nas crianças, que curtem demais a bagunça (no bom sentido).

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Urban Sketchers, os Cosmic Boys e a Praça Santos Dumont





Ontem o USK Curitiba reuniu-se no sábado de carnaval na Praça Santos Dumont ou Pracinha do Amor como me disseram ontem.

O painel do Cosmic Boys na lateral do antigo Cine Condor parece ter sido concluído e foi um dos temas para os sketchers, assim como o prédio da Secretaria de Cultura e a praça em si.

sábado, 25 de fevereiro de 2017

Circulando por Curitiba com futuros arquitetos






No final do ano passado entrou em contato comigo a Prof. Isabella, coordenadora do curso de arquitetura da Unibrasil informando que tinha interesse no meu livro, uma vez que nesse ano estaria ministrando o curso sobre arquitetura moderna para uma de suas turmas.

Além do livro, questionou se eu poderia disponibilizar algumas das minhas fotos sobre o tema para uma exposição na faculdade e talvez, conversar um pouco com a turma sobre o meu trabalho como fotógrafo e como/porque dessa minha relação com a arquitetura modernista.

Conversamos também sobre uma possível caminhada pela cidade com o objetivo de observar os exemplares do modernismo em Curitiba.

Pois isso tudo aconteceu. A exposição das minhas fotos está acontecendo em um dos corredores do bloco onde os futuros arquitetos estudam, conversei com eles sobre a minha relação com a cidade e a arquitetura através da minha fotografia.

Propus um pequeno roteiro por alguns exemplares do modernismo no centro de Curitiba e às 8 da manhã de ontem, circulei com eles desde a Praça Osório, iniciando nos prédios do Elgson Ribeiro Gomes e terminamos na Praça Santos Andrade diante do Teatro Guaíra, de onde partiram para uma visita guiada no interior do teatro.

Foi um grande prazer para mim poder mostrar um pouco do meu amor por essa cidade e também poder caminhar por alguns momentos ao lado dessa piazada durante a sua longa jornada da sua formação como arquitetos.

Desejo à todos eles um futuro brilhante e agradeço à Prof. Isabella e à cada um desses meninos e meninas pela oportunidade.

A primeira foto não é minha. Assim que eu souber quem a fez, darei o crédito aqui.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

O Grito de Adeus do Ballet Teatro Guaíra


















Cheguei em Curitiba em 1977 e dentre as minhas primeiras amigas nessa cidade havia uma bailarina. Aprendi a admirar essa arte e ver o Ballet Guaíra no Teatro Guaíra é uma experiência para se guardar com carinho pela vida toda.

Saber que o BTG existe é para mim tão parte de Curitiba quanto o próprio Guaíra, a XV e outros ícones da cidade que lhe conforta saber que estão lá, mesmo que você não os veja todos os dias. Essa sensação faz parte do elo afetivo que liga você à cidade.

O que é o Teatro Guaíra sem o Ballet Teatro Guaíra e sem a Orquestra Sinfônica do Paraná? Um CORPO SEM ALMA!

Infelizmente ontem diante do Guaíra, assisti e registrei uma linda e triste apresentação do BTG: o seu Grito de Adeus à cidade. No dia 28/02/2017 TODOS os bailarinos serão demitidos e metade da OSP também.

Burocracias e falta de planejamento irá na melhor da hipóteses extinguir o BTG por no mínimo três meses, sem qualquer garantia de que o BTG como existe hoje volte a ser recomposto. Como viverão esses artistas durante esse hiato? Esse vazio não poderá ser preenchido no Guaíra e na cidade de Curitiba.

Tomara que num futuro muito próximo esse não seja um adeus, mas apenas um até breve!

Para mais informações sobre os motivos que levaram à essa situação, peço que acessem o link dos Amigos do Teatro Guaíra e o site do Paraná Total.