segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Comunidade do Redentor e o Urban Sketchers de Curitiba





No sábado o Urban Sketches de Curitiba esteve na comunidade do Redentor, fazendo parte dos 150 anos da fundação da primeira comunidade luterana em Curitiba, numa casa alugada no São Francisco. Em 1872 foi construído o primeiro templo, no terreno onde hoje estão a Igreja do Redentor e o Colégio Martinus.

domingo, 25 de setembro de 2016

Tudo o que você vê

A foto do carrinheiro (ou agente da reciclagem, como disse uma candidata) foi feita diante da sede da Fundação Cultural de Curitiba, o Moinho Rebouças na rua Engenheiros Rebouças.
Creio que novas intervenções foram feitas nas suas paredes, as quais espero fotografar em breve.

sábado, 24 de setembro de 2016

kur yt yba

Curitiba é uma palavra de origem Guarani: kur yt yba quer dizer "grande quantidade de pinheiros, pinheiral", na linguagem dos índios, primeiros habitantes do território.

Nos primórdios da ocupação humana, as terras onde hoje está Curitiba apresentavam grande quantidade de Araucaria angustifolia, o pinheiro-do-Paraná. A árvore adulta tem a forma de uma taça.

Sua semente é o pinhão, fonte de proteína e alimento de grande consumo, in natura ou como ingrediente da culinária regional paranaense. O pinhão servia de alimento a um pássaro também encontrado em grande quantidade no começo da ocupação do território: a gralha-azul (Cyanocorax caeruleus). De corpo azulado e cabeça preta, a gralha-azul, diz uma lenda, colhia o pinhão com o bico e o enterrava no solo para consumo posterior. Desses pinhões enterrados acabavam nascendo novos pinheiros. Fonte: Site da Prefeitura de Curitiba

O pinheiral que aqui existia foi devastado para dar lugar às casas de madeira de araucária, que lentamente estão também desaparecendo da paisagem e assim, uma segunda vez as araucárias estão indo ao chão. Inevitável? Penso que sim.

A foto de hoje foi feita na Rua Sete de Setembro, perto da Praça do Japão.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Telhados

Desse ponto de vista o Centro Histórico fica mais difícil de ser reconhecido. É necessário olhar um pouco mais de perto para perceber os prédios, o mural, a casa.
A foto foi feita a partir do Memorial de Curitiba.