quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Sendo simples no Jardim Social






Há mais de sessenta anos atrás, quando as regiões onde são hoje o Jardim Social e Bacacheri eram consideradas regiões rurais muito longe do centro de Curitiba, essa casa e sua vizinha foram construídas.

A região passou por grandes transformações, viu suas ruas de terra ganharem asfalto, suas carroças substituídas por belos carros, suas casas e comércios simples tombarem para no seu lugar surgirem  mansões e grandes mercados e suas árvores sufocarem até tombarem.

Algumas poucas e velhas casinhas seguem teimosamente em pé, já meio capengas, com suas tábuas meio comidas pelo tempo e pelo cupins, com seus telhados sujos pela poluição e meio banguelas, observando a vida passar rapidamente pelos seus muros baixinhos, talvez por não muito mais tempo.

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

15 anos


Hoje um dos locais mais queridos dos que moram e visitam Curitiba, o MON, está fazendo 15 anos de existência como museu, já que o prédio existe desde 1978 e já foi escola e secretaria de estado da educação. Em 2002 a alteração do espaço para um museu foi anunciado, o anexo (o Olho) foi construído e no final do mesmo ano o Museu Oscar Niemeyer foi inaugurado.
Ao longo do dia várias atividades irão acontecer, com horário extendido até as 21:00. Pretendo no final do dia ir ao MON para registrar algumas dessas atividades.

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Ângulos do Solar do Barão







Não sei como seria morar numa casa tão grande quanto o Solar do Barão, mas certamente deve ter sido muito bom enquanto durou, dado o trágico fim do Barão do Cerro Azul e o confisco de sua casa.

O Solar é belíssimo com seus diferentes pisos, seus gradis, portas, janelas, enfim, uma enorme quantidade de lindos detalhes que sempre renderão novas descobertas, novos ângulos.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Uma breve conversa com o Zequinão








Enquanto acontecia o encontro do USK Curitiba na Mercearia Zequinão, tive a oportunidade de passar um tempo lá dentro e conversar um pouco com o Sr. Gabriel Zequinão ou Alceu ou Varanda. Ele nasceu na casa onde hoje mora e que era dos seus pais. Seu irmão e seu pai tiveram a ideia de abrir o pequeno armazém que até hoje ele cuida com grande dificuldade, uma vez que os grandes mercados praticamente acabaram com os pequenos comércios.
Contei para ele que moro mais adiante, onde hoje o bairro chama-se Bacacheri, mas que já foi um dia Planta Florestal e que disse ele, era conhecido há muito tempo como o bairro dos pobres. A hoje super movimentada Fagundes Varela, segundo ele, recebia tráfego apenas de carroças e quase tudo ali era desabitado.
Me mostrou a frondosa jabuticabeira que tem mais de 50 anos, que foi plantada pelo seu pai e que hoje atrai pássaros e pessoas que "pegam" os frutos e terminam por quebrar o pequeno muro de concreto. A jaboticabeira fica ao lado de belo pé de café.
Disse por fim que um grupo do bairro está se organizando para bancar uma nova pintura para a Mercearia, o que ele espera que aconteça nesse ano ainda. Tomara que sim.