terça-feira, 16 de outubro de 2018

Caos visual


Olhando para a rua Presidente Faria a partir da esquina com a Treze de Maio em direção à UFPR é essa a visão que se tem. Um emaranhado de cabos de energia e telecom, prédio abandonado, prédio em construção, prédio em reforma, grafites e pichações. Um caos visual que certamente encontra paralelo em qualquer grande cidade do Brasil. Que preservemos as coisas que tornam Curitiba única.

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Revisitando o Governador









Estive ontem com o pessoal do Croquis para desenhar o Edifício Governador. Já havia fotografado esse prédio outras vezes, mas o fato de ficar duas horas no mesmo local e na companhia de várias pessoas, permite a procura de novos ângulos e abordagens diferentes.

O projeto é de autoria do arquiteto Abrão Assad e foi construído em 1967. Sua planta se destaca pela distribuição radial, hall de elevadores e áreas de serviço mais ao centro e áreas de convívio na área mais externa.

Além de sua fachada com esquadrias contínuas, também se destaca um grafismo de azulejos em diagonais localizados na base do edifício, uma arte holográfica que muda de cor de acordo com seu ponto de vista. (Fonte: Prédios de Curitiba).

domingo, 14 de outubro de 2018

Um pouco mais de perto



No final de setembro estive com o pessoal do Croquis Urbanos para desenhar o único prédio que restou da antiga sede da Mate Leão no bairro dos Rebouças. Devido à quantidade de pessoas e fotógrafos, alguns de nós foram abordados pelo pessoal que trabalha/frequenta a grande sede da Igreja Universal e que é proprietária desse prédio.

Como fui receptivo e expliquei o motivo do encontro, acabei sendo convidado à fazer um pequeno tour pelo grande templo, o que considerei uma ótima oportunidade. Já sabia que fotos internas não são permitidas (o que é de pleno direito), portanto publico apenas as fotos que fiz da calçada, mas posso comentar o pouco que vi da instituição.

O grande auditório impressiona, pois acomoda 5.000 pessoas sentadas em poltronas confortáveis, em ambiente com iluminação agradável e com climatização perfeita (palmas para quem projetou a infra). O local, como era de se esperar, não possui muitos elementos decorativos. Os vitrais que circundam todo o auditório apresentam sempre de forma alternada uma imagem de um livro que certamente é a Bíblia e um candelabro.

No altar o único elemento que me chamou atenção por ser mais rebuscado, seria uma réplica dos querubins que foram esculpidos sobre a tampa (propiciatório) da Arca da Aliança, que segundo a Bíblia, guardaria as duas tábuas dos 10 mandamentos. Os querubins apresentam-se ajoelhados de frente um do outro, com os rostos voltados um para o outro, com as asas esticadas para frente, tocando-se na extremidade. Não sei o motivo desses elementos no altar.

Circulando pelo prédio, chama a atenção o quanto eles são profissionais, propiciando aos frequentadores todo o conforto, inclusive monitores que ficam em salas especiais com as crianças, separadas por faixa etária, fornecendo atividades e alimentação. Toda a infraestrutura do prédio é monitorada e uma empresa terceirizada responsabiliza-se por toda a manutenção do prédio: elétrica, hidráulica, civil, zeladoria. Isso tudo garante o perfeito funcionamento de todo o complexo.

Achei muito interessante conhecer um pouco mais de perto o funcionamento desse enorme templo e entender, mesmo que superficialmente, o motivo do seu gigantismo e enorme quantidade de pessoas que o frequentam.

sábado, 13 de outubro de 2018

Perto da feira


Essa casinha de madeira fica na esquina da rua Floriano Essenfelder com a 21 de abril, bem perto da feira de sábado da rua Alberto Bolliger. Não sei se já havia fotografado essa, porque na outra esquina existe uma outra casinha de madeira que é mais bonita e que sempre chamou mais a minha atenção. De qualquer forma, registrada está!