sábado, 30 de setembro de 2017

Camadas de história


Na foto em direção à Catedral encontraremos em primeiro plano um lindo prédio que ocupa a esquina da Travessa Nestor de Castro e a rua José Bonifácio (antiga rua Fechada). Um pouco além, o prédio da antiga ferragens Hauer recém restaurado. Mais um pouco um toque de modernismo colorido do Ed. Nossa Senhora da Luz de Romeu Paulo da Costa e ao seu lado, a nossa Catedral Basílica com todas as suas torres (grandes, pequenas e minúsculas). Percebe-se algumas árvores da Praça Tiradentes e quase escondido, o belíssimo prédio que hoje abriga a Casas Pernambucanas.

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Edifício Valença


O Edifício Valença no Batel é outro projeto de Elgson Ribeiro Gomes que lembram os outros da região central de Curitiba, tais como o Provedor André de Barros, o Leonor Moreira Garcez e o Gemini.

O Valença, segundo um amigo arquiteto que trabalhou diretamente com o Elgson, é seu melhor projeto em termos de qualidade de execução e conservação.

O prédio foi construído entre 1967 e 1970 pela Velloso & Camargo e Comissária Galvão. Conta com 13 andares e um apartamento de 400m2 por andar.

O prédio, na esquina da Vicente Machado com a Coronel Dulcídio, fica há poucos metros dos bares e restaurantes que todas as noites lotam de jovens que ocupam e espalham a sua alegria de viver pelas calçadas.

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

De banho tomado


Depois de um longo período de riscos e rabiscos, a prefeitura em parceria com a iniciativa privada limpou as estátuas, painel e o obelisco da Praça 19 de Dezembro, livrando a praça (sabe-se lá por quanto tempo) das pixações que infelizmente emporcalham nossos monumentos.
Parece que os elementos da praça foram cobertos com algum tipo de produto que facilitará uma nova limpeza em caso de reincidência. Espero que demore e melhor ainda, que não precise.

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Urban Sketchers Curitiba: a cidade redesenhada












Os Urban Sketchers são um movimento mundial onde artistas visuais se reúnem regularmente para transformar em traços um local específico da cidade. São desenhistas de rua e da rua, que compõem obras que resultam do contato de seu olhar com cada esquina, prédio e outras situações cotidianas.

Curitiba faz parte do Urban Sketchers e possui representantes que semanalmente têm criado uma espécie de crônica visual da capital paranaense. A galeria interARTividade traz para o público uma seleção de quase 200 desenhos, de 34 sketchers, que reconfiguram imageticamente lugares que já consideramos "comuns". Por ser um trabalho coletivo, uma mesma paisagem adquire os contornos e cores que seu autor deseja e é a partir desta multiplicidade de olhares que a cidade nos aparece renovada.

A mostra apresenta ainda registros de 7 fotógrafos, dentre eles esse blogueiro que aqui escreve, que acompanha o USK Curitiba desde seu primeiro encontro no Museu Oscar Niemeyer. Numa mesa central, 15 imagens que fiz ao longo desse tempo todo são apresentadas com as de outros amigos fotógrafos.

A exposição "Urban Sketchers Curitiba: a cidade redesenhada" faz parte da Bienal de Curitiba e acontece na galeria intetARTividade no Shopping Patio Batel, piso L3. Apareçam e curtam essa bela homenagem que o USK Curitiba faz à nossa cidade semanalmente.

terça-feira, 26 de setembro de 2017

Um predinho na Treze de Maio


Num dia estivemos na Cinemateca para assistir a um curta e depois, fomos a um café bem perto dali. Do outro lado da rua, observei esse predinho e comentei com alguém que havia gostado muito dele por algum motivo. Não sei dizer se é por causa da simplicidade das linhas, do pequeno muro na entrada de um tempo que não se tinha medo de ver o movimento na calçada, da santinha lá em cima a proteger seus moradores ou da varandinha de onde se tem uma vista privilegiada do entorno.
Enfim, um prédio de uma Curitiba de um tempo em que o medo não era companhia tão constante como hoje.

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Numa esquina do São Francisco


Na esquina da Jaime Reis com a Portugal, há uma construção que não sei se é uma casa ou um estabelecimento comercial. Vista de cima é meio esquisita, tendo que se adaptar à forte inclinação da rua Portugal, com suas poucas aberturas para essa rua. Nesse mesmo lado, um grafite de uma garota e mais acima, um rapaz faz companhia ao personagem.

domingo, 24 de setembro de 2017

Casa Frederico Kirchgässner - parte 3













No terreno com apenas 318 m2, numa das partes mais altas da cidade, construiu a casa num bloco único, tendo apensa um dormitório, com paredes duplas de alvenaria, num total de 568 m2 quatro níveis, cujas plantas não se repetem.

Os dois níveis superiores abrem-se para terraços, sendo o acesso deles feito a partir do quarto do casal.

Os terraços possuem laje dupla de concreto, tendo o maior deles um grande espaço com pórticos de inspiração art déco que emolduram a passagem. Uma dessas paisagens era a Serra do Mar, que foi perdida com o crescimento da cidade.

A entrada principal da casa fica na Jaime Reis, num pequeno vestíbulo que dá acesso a uma área de circulação que dá acesso ao nível inferior e a suíte do casal, algo inédito na cidade em 1930.

Nesse mesmo nível há um escritório que foi mais tarde adaptado para servir de quarto para os dois filhos do casal.

Todas as esquadrias contam com um sistema sofisticado duplo em madeira e vidro, que se abrem completamente em guilhotina, correndo entre as paredes duplas.

Numa espécie de torre que contém a escada helicoidal para o terraço superior, encontram-se esquadrias metálicas com vidros curvos coloridos. No alto dessa escada chegaremos ao atelier do arquiteto, onde há uma escrivaninha e estantes com muitos livros.

O atelier liga ao terraço maior, onde estão os pórticos. Uma escada marinheiro leva ao menor e mais alto dos terraços.

De volta a área de circulação da entrada ao descer a escadaria, chega-se ao nível da casa onde há uma sala de refeições e a cozinha corredor, um conceito de vanguarda, que foi projetada para ser utilizada pelos moradores e não por empregados, algo inédito para um Brasil que demorou para superar sua herança colonial.

No mesmo nível encontraremos ainda uma sala de estar íntima e além dessa, uma ampliação executada ainda em 1930, utilizada como atelier do casal, iluminado por uma esquadria curva e uma iluminação zenital. Ali estão a maioria das obras do casal.

A segunda grande guerra e suas manifestações anti-germânicas, a não compreensão por parte dos moradores de Curitiba da sua visão vanguardista o fizeram recolher-se ainda mais como arquiteto e assim, não teve muitas possibilidades de desenvolver outros projetos além da sua casa e de seu irmão e do prédio da rua Portugal, dedicando-se assim mais ao urbanismo.

Frederico Kirchgässner faleceu em Curitiba em 19 de agosto de 1988.

sábado, 23 de setembro de 2017

Casa Frederico Kirchgässner - parte 2













Muito antes da criação dos cursos de arquitetura na nossa cidade e antes da arquitetura modernista predominar a partir da década de 1950 no Brasil, a casa Frederico Kirgässner de 1930 é o primeiro registro do modernismo em Curitiba, sendo um exemplar isolado, ombreando em pioneirismo à nomes como Gregori Warchavchik, Lucio Costa, Flavio de Carvalho, Luis Nunes e outros.

Diferente desses últimos porém, Kirchgässner projetou as suas casas para moradores específicos, ele próprio e seu irmão, para uso urbano, sem preocupação em ser um modelo a ser reproduzido.

Poeta, pintor, arquiteto, construtor, urbanista, agrimensor, Frederico Kirchgässner, nascido em Karlsrube, Alemanha, foi trazido para o Brasil com seus pais e registrado como nascido em 12 de abril de 1899 em Ibirama, Santa Catarina.

Frederico, Anna, Frieda, Elisabeth e Bernardo, filhos de Hugo Kirchgässner e Anna Schmidt, desembarcaram em São Francisco do Sul –SC em 1906 vindos do porto de Bremsn, na Alemanha. Passaram por várias localidades até instalarem-se em Curitiba.

Frederico e Bernardo estudaram na Deutcheknabeuschule do Colégio Bom Jesus. Mais tarde em 1916, seu tio, reitor da Escola Feminina de Baden Baden, ao receber seus desenhos, passou a incentivá-lo a estudar artes e arquitetura na Alemanha. Porém a primeira guerra postergou esse plano.

Em 1921 faz sua primeira viagem para a Europa, onde faz contato com intelectuais vanguardistas. De volta ao Brasil, inicia seu curso de arquitetura por correspondência Architectktur System Karnack Hachfeld de Potsdam e de belas artes na Deutche Kunstschulle de Berlim.

Na sua segunda viagem à Alemanha, realiza suas provas finais e obtém os diplomas em 1929. Nessa viagem conhece sua prima Hilda, com quem se casa em Baden Baden em 04/09/1929 e retorna à Curitiba.

Kirchgässner começou a trabalhar na Prefeitura de Curitiba, como desenhista, em 25 de junho de 1916, inicialmente como  topógrafo e mais tarde, contribuindo com o urbanismo da cidade, permanecendo no Departamento de Urbanismo até se aposentar.

Em 1930, construiria a sua própria casa onde a 13 de Maio, Jaime Reis e Portugal se encontram, que hoje é tombada pelo estado. Considerada uma obra prima técnica e estética, sofisticada e ousada para época, cujo mobiliário em grande parte é de sua autoria.

Olhando a casa numa dimensão experimental em residência unifamiliar, essa alinha-se na América Latina às casas de Diego Rivera e Frida Khalo  no México, as de Warchavchik em São Paulo e as de Alberto Prebisch em Buenos Aires.

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Casa Frederico Kirchgässner - parte 1













Aconteceu no MON tempos atrás uma exposição importantíssima para a história da arquitetura de Curitiba intitulada Kirchgässner – um modernista solitário.

Estivemos no MON após finalizada a exposição para o lançamento do belíssimo catálogo, quando aconteceu uma mesa redonda com Arwed Kirchgässner, Giceli Portela professora da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Maria Luiza Piermartiri professora da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e Salvador Gnoato, curador da exposição e professor da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR).

Depois de apreciar o catálogo, o desejo de conhecer a casa internamente apenas cresceu. Já havia conversado tempos atrás com o Sr. Arwed Kirchgässner (filho de Frederico e Hilda) sobre essa visita e reestabelecendo esse contato, consegui acesso ao interior da casa, cujas fotos compartilharei com vocês nesses próximos posts.

A vida e obra de Frederico Kirchgässner deve ser continuamente celebrada e relembrada, em exposições como a que recentemente aconteceu no MON, em livros como os que o Prof. Salvador Gnoato editou, incluindo o belíssimo catálogo, que foi a fonte principal das informações que acompanharão as minhas fotos nesses posts.

Espero que curtam essa viagem aos anos 30 tanto quanto eu e espero que o legado desse arquiteto que tinha seu olhar no futuro, permaneça preservado para sempre.

Lamento profundamente a impossibilidade da família em conter os pichadores, mas os saúdo por manter o interior da casa como se o casal Hilda e Frederico ainda morassem nela e a qualquer momento aparecessem no seu terraço e por um dos pórticos, pudessem apreciar mais uma vez a bela paisagem que sempre tiveram de Curitiba.

Agradeço imensamente ao Sr. Arwed pela generosidade em permitir o meu acesso e a realização das fotografias.

As fotos de hoje mostram o exterior da casa e a capa do catálogo da exposição no MON.