domingo, 30 de setembro de 2018

Abandonado até quando?





Há pouco tempo foi publicada na página "Antigamente em Curitiba" uma foto do prédio que é uma UIP e que já sediou a EMBAP - Escola de Música e Belas Artes do Paraná, com um belo buraco no teto, o que obviamente implica em infiltrações/inundações internamente e assim, mais rapidamente o prédio que já está abandonado há 8 anos vai se degradando.

Muito papo e pouca ação vem acompanhando esse prédio na Emiliano Perneta, empurrando com a barriga sua reforma e sua reocupação. Lembrando que, diferente do Belvedere que é isolado numa praça, um acidente de mesmas proporções nesse prédio pode resultar em tragédia. Espero que o próximo governo resolva definitivamente esse problema e devolva à comunidade esse patrimônio de Curitiba.

Hoje (30/09/18) encontrei no site Bem Paraná uma notícia na qual os secretários de estado Décio Sperandio e João Luiz Fiani anunciaram no dia 27/09/18 reformas emergenciais no prédio após vistoria (lembrando novamente que o prédio está fechado há 8 anos). Essa ação emergencial prevê reparo no telhado e instalação de tapumes para que se evite invasões. Diz ainda a notícia que serão realizados estudos para restaurar de forma integral o prédio. Ao que parece, a intenção é a de devolver o prédio reformado para a EMBAP. Espero que não fique (mais uma vez) apenas no discurso.

O prédio é de 1930 e sediou desde 1951 até 2010 a Escola de Música e Belas Artes do Paraná, fundada em 1948. Propriedade do Governo do Estado, foi construído em alvenaria de tijolo, em dois pavimentos, com platibanda para esconder o telhado em quatro águas. Ao longo do tempo, recebeu anexos para atender às necessidades da escola, um tradicional celeiro de artistas.

sábado, 29 de setembro de 2018

Era uma casa muito engraçada...


Quase na esquina da José de Alencar com a Rua do Herval, tem essa não casa. O que se faz com uma não casa se ela não tiver portas e janelas? Chama o Pedro que ele desenha a porta e belas janelas coloridas e daí você pode fazer de conta que entra e sai da casa e olha o movimento pelas janelas coloridas.

sexta-feira, 28 de setembro de 2018

Do balcão ela observa


Do balcão de cobogós do primeiro andar do pequeno prédio Art Déco verdinho, na esquina da Riachuelo com a Alfredo Bufren, numa manhã de domingo, ela observa o movimento em direção à Praça Santos Andrade.

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Uma pequena vila de madeira de Santa Felicidade









Há tempos em Santa Felicidade, passei casualmente por uma sequencia de casas de madeira bem próximas à rua. Somente no último sábado quando fui do Bacacheri à Santa Felicidade pela Fredolin Wolf, encontrei novamente essa (digamos assim) vila de madeira e dessa vez, parei para fotografar.

São oito casas, todas iguais, diferenciando uma das outras apenas pela cor e pela ocupação. Algumas são residências e outras comércio. Elas foram implantadas bem próximas à rua, tendo um bosque na parte de trás de todas elas.

quarta-feira, 26 de setembro de 2018

João Paulo de Carvalho no ID Fashion















Hoje e amanhã está acontecendo na FIEP a quarta edição do ID Fashion. Estão previstas palestras, desfiles, oficinas, espaço de exposição interativa, comercialização das coleções das marcas participantes e gastronomia.

Mas estive ontem no local porque um amigo, João Paulo de Carvalho, foi convidado para elaborar um grande painel, cujo processo criativo inspirou-se nas minhas fotos, transferindo para grandes tecidos na forma de desenhos/pinturas, os personagens que encontro e registro circulando por Curitiba. Os desenhos do João são fabulosos e o conjunto é absolutamente lindo. Fiquei logicamente lisongeado ao ver o resultado.

O desenho desse que vos fala foi feito a partir de uma imagem feita pelo amigo fotógrafo Francisco Camargo.

O ID Fashion estará aberto hoje, 26/09 (último dia), das 15:00 às 22:00 no centro de convenções da FIEP que fica na Avenida Comendador Franco, 1341 (antiga Avenida das Torres).

terça-feira, 25 de setembro de 2018

Usk Curitiba na Sociedade Garibaldi




No último sábado voltei à Sociedade Garibaldi com o pessoal do USK Curitiba. Com pintura nova, o prédio continua a ser uma atração (quase sempre fechada) para moradores e turistas que passam pelo São Francisco, especialmente aos domingos.

A Sociedade Garibaldi, fundada em 1883, nasceu da idéia de se congregar, sob um mesmo ideal, os imigrantes italianos em Curitiba. A sede na Praça Garibaldi foi projetada por Ernesto Guaita e suas obras iniciaram  em 1887, tendo sido concluída em 1904. A fachada, em estilo neoclássico, ficou pronta apenas em 1932, obra do arquiteto João de Mio. Em 1943, durante a Segunda Guerra Mundial, o Palácio foi desapropriado pelo governo e foi usado como Palácio da Justiça e sede do Tribunal Regional Eleitoral. Foi devolvido à Sociedade somente em 1962 e em 1988 foi tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico do Paraná. Fonte: Site do Palácio Garibaldi

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Um senhor portão


O portão da Sociedade Garibaldi no São Francisco é tão bonito que merecia um post dedicado. Esse portão no livro de tombamento é citado como sendo artesanal e de estrutura fitomórfica, ou seja, com elementos decorativos que lembram estruturas vegetais. O prédio, projeto de Ernesto Guaita, teve sua construção iniciada em 1887, com conclusão em 1904.

domingo, 23 de setembro de 2018

Uma casinha de madeira do São Braz



Estive no bairro São Braz por sugestão de uma amiga para fotografar um belíssima casa de madeira e la, além da casa indicada (que publicarei quando descobrir alguma informação sobre ela), encontrei outras casinhas, como essa bem bonita que publico hoje. A bela varanda em L deve deixar a sala mais fresca no verão.

sábado, 22 de setembro de 2018

As vitrines


Caminhando pelo centro, passamos pela galeria do antigo Cine Condor e numa das lojas fechadas fotografei essa pessoa, que certamente não estava ali em exposição, mas possivelmente apenas num momento de descanso, eternizado por um bisbilhoteiro.

Na galeria, cada clarão
É como um dia depois de outro dia
Abrindo um salão
Passas em exposição
Passas sem ver teu vigia
Catando a poesia
Que entornas no chão

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Em reforma


Esse predinho perto da Praça Generoso Marques está em reforma e por isso uma tela foi instalada para evitar que pessoas sejam atingidas por resíduos na calçada. O centro da cidade precisa mesmo ser revitalizado, ocupado e assim garantir a preservação de tantos prédios importantes para a identidade de Curitiba.

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

O encantador de pombos


Esse senhor na Praça Generoso Marques não apenas alimenta os pombos (que dizem ser um problema de saúde pública e podem ser considerados uma praga urbana), ele interage com esses seres alados. Creio que já tinha visto ele nessa mesma praça, com pombos nos ombros, no colo e até na cabeça. Certamente alimentar esses animais é a sua distração.

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Déco de cá e déco de lá


O calçadão da rua XV de Novembro possui dois ícones da arquitetura curitibana de inspiração "Art Déco" em suas extremidades. Na Praça Osório temos o Edifício Moreira Garcez e na Praça Santos Andrade a agência do Correio Velho.

Essa foi a primeira agência oficial de correios e telégrafos de Curitiba, construída em 1934. Com iluminação potente, elevadores, relógios eletrônicos e instalações telegráficas, a construção foi considerada um marco da modernidade no estado na década de 30.

Art déco, por vezes referido apenas como Deco, é um estilo de artes visuais, arquitetura e design internacional que começou na Europa em 1910 (pouco antes da primeira guerra mundial), conheceu o seu apogeu nos anos 1920 e 1930 e declinou entre 1935 e 1939. O Art Déco afetou as artes decorativas, a arquitetura, o design de interiores e desenho industrial, assim como a moda, a pintura, as artes gráficas, o cinema e o design de vários tipos de meios de transporte (carros, trens e transatlânticos). Seu nome tem origem da abreviação de Artes Decorativas, da Exposition internationale des arts décoratifs et industriels modernes (Exposição Internacional de Artes Decorativas e Industriais Modernas) realizada em Paris em 1925. Combinou estilos modernistas com habilidade fina e materiais ricos. Durante o seu auge, o Art Déco representou luxo, glamour, exuberância e fé no progresso social e tecnológico. Fonte: Wikipedia.

terça-feira, 18 de setembro de 2018

Canela de Java Imune de Corte


Fomos conhecer um complexo gastronômico no bairro do Portão e casualmente passamos por essa incrível árvore. Ela faz parte do conjunto (51 até onde sabia) que são imunes de corte por decreto municipal. Trata-se de uma Canela de Java ou cinammomun burmanni, mas o importante é que a árvore é incrível e parece um brócolis gigante! Ela fica na Rua Theodoro Schneider, 685.

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Na janelinha


Numa janela formada por araucárias, coberturas de acrílico e luminária da Praça Tiradentes, o prédio que já foi Eduardo VII mostra-se timidamente.

domingo, 16 de setembro de 2018

De topo



Do primeiro andar de um prédio diante da Praça Tiradentes fiz as duas fotos de hoje. As pedras da calçada, muito sujas e não muito bem colocadas, formam um mosaico de fundo para as pessoas que passavam lá embaixo.

sábado, 15 de setembro de 2018

Vários bens numa mesma direção


Numa mesma foto alguns elementos importantes da paisagem curitibana na Praça Santos Dumont. Nela vemos a sede da Secretaria de Estado da Cultura, construída em 1903, que já foi sede do Gymnasio Paranaense e a escola normal. Vemos também duas das quatro tipuanas tombadas pelo patrimônio cultural e mais ao fundo, o grande grafite feito à seis mãos na parede do antigo Cine Condor.

sexta-feira, 14 de setembro de 2018

Circulando o Memorial Árabe











O Memorial Árabe inaugurado em 1996 é uma homenagem à cultura árabe localizado no centro da cidade, situado na praça Gibran Khalil Gibran, ao lado do Passeio Público, do Colégio Estadual do Paraná e do Shopping Mueller. Possui uma área de aproximadamente 140 m² em estilo mourisco, conta com abóbada, colunas, arcos e vitrais, em forma de cubo. Situa-se sobre um espelho d’água. Abriga uma biblioteca com capacidade para 10 mil volumes e uma pinacoteca, ambas com obras de autores árabes. Nessa recente visita ao local, olhando pelos vidros ficou evidente que a quantidade de livros está muito aquém da capacidade do local.

Os sírios e libaneses, no início do século XX, estabeleceram-se no comércio de roupas, sapatos, tecidos e armarinhos. Em função das características de suas lojas, ocuparam a área central da cidade. Os primeiros imigrantes vendiam as novidades às colônias mais distantes viajando em lombo de burro e batendo de porta em porta.
Fonte: http://www.curitiba.pr.gov.br/

O maior fluxo da imigração árabe em Curitiba ocorreu após a Segunda Guerra Mundial, quando chegaram a constituir cerca de 10% da população. A gastronomia foi outro ponto no qual a influência dos libaneses foi muito grande. Os temperos e condimentos foram incorporados a culinária paranaense além dos kibes e sfihas que são presença constante em qualquer casa de lanches de Curitiba.