sábado, 31 de agosto de 2019

Circulando pela Eufrásio Correia




Recentemente a Praça Eufrásio Correia passou por uma revitalização de piso e iluminação, tentando tornar essa importante praça mais atraente para a população. Movimentada ela é, pela Câmara dos Vereadores, enorme estação tubo e pelo entra e sai do Shopping Estação.

quinta-feira, 29 de agosto de 2019

Casinhas de sonho



Essas duas casinhas no bairro das Mercês parecem ter saído de um conto de fadas pelo tamanho, cores e detalhes espalhados pela fachada.

quarta-feira, 28 de agosto de 2019

Pessoas no Largo da Galícia




Num sábado à tarde, parado no Largo da Galícia no bairro das Mercês, além de fotografar os amigos, fotografei também pessoas que aleatoriamente passaram pelo local, alguns com seus cachorrinhos a passear nesse belo dia de sol.

terça-feira, 27 de agosto de 2019

Tempestade à caminho


Esse close na parte superior do centro de convenções da Barão do Rio Branco, onde um dia funcionou o Cine Vitória, mostrando e refletindo as pesadas nuvens, criaram um efeito cênico que achei muito bonito.

segunda-feira, 26 de agosto de 2019

Um Cedro Rosa imune de corte




Essa belíssima árvore que fica na Praça Eufrásio Correia é um Cedro Rosa e ele é uma das 51 árvores que são imunes de corte em Curitiba, ou seja. essas árvores não podem ser cortadas e até mesmo a poda só pode ocorrer com autorização e orientação da secretaria municipal do meio ambiente.

domingo, 25 de agosto de 2019

Duas UIPs com pintura renovada


Esses dois casarões ficam na Alameda Dr. Muricy e passaram recentemente por um restauro na pintura (não sei se foi pelo projeto da prefeitura Rosto da Cidade) e ficaram muito mais bonitos não apenas pela renovação da pintura, mas pela escolha das cores.

Acho curioso esse conjunto porque os dois casarões são colados, mas absolutamente diferentes em termos de adornos de fachada. Será que foram construídos em épocas distintas, são de fato dois prédios diferentes?

Observa-se pela foto que apesar de novinha a pintura, já há uma pichação no prédio amarelo, o que confirma que há sempre um estúpido atento a novas oportunidades de vandalismo (que é crime!).

sábado, 24 de agosto de 2019

Sua iminência o Bolinho de Carne


Bolinho de carne (com ou sem pão) é uma presença quase certa em quase todos os bares de Curitiba e em muitos restaurantes. Cada um tem o seu bolinho favorito e o sucesso do quitute é tamanho que temos anualmente o festival do Pão com Bolinho, que nesse ano contou com 51 estabelecimentos.

O bolinho da foto de hoje eu degustei e fotografei no bar Ao Distinto Cavalheiro e posso dizer que é sensacional!!

sexta-feira, 23 de agosto de 2019

O Semeador

 


A estátua do Semeador fica na Praça Eufrásio Corrêa no centro de Curitiba e é considerada a obra-prima do escultor Zaco Paraná. A estátua foi um presente da colônia polonesa à cidade de Curitiba, por ocasião do centenário da independência do Brasil em 07 de setembro 1922, como pode ser lido na placa fixada no pedestal.

quinta-feira, 22 de agosto de 2019

Lojas Prosdócimo





A loja Prosdócimo, um ícone entre as lojas de departamento de Curitiba, não existe há muito tempo, mas seu prédio continua em perfeito estado de conservação e é ocupado por uma faculdade.

Na fachada da rua Saldanha Marinho, percebe-se uma bela estrutura cilíndrica envidraçada, que não sei o seu propósito (iluminação? escada? os dois?), destacando-se no conjunto.

quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Edifício Miguel Calluf



Acho que o Edifício Miguel Calluf ou Eduardo VII para muitos, é o meu prédio favorito em Curitiba e não há uma vez que passo pela região sem parar um instante para apreciar esse lindo prédio, ainda mais numa luz como essa da foto.

O prédio continua sem um destino digno à sua imponência e localização. A Gazeta do Povo fez uma bela matéria em 2012 sobre o prédio, contando sua história e relatando um projeto de restauro que não andava pela bur(r)ocracia do poder público. Triste constatar que 7 anos se passaram e nada foi feito.

terça-feira, 20 de agosto de 2019

Luz e sombra



Já ouvi dizer que Curitiba é uma ilha cercada de Maderos, Salões Marlys e grafites do Rimon por todos os lados. Pois na Saldanha Marinho encontrei mais esses dois. Nesse horário específico o sol entrava na rua por frestas, sem iluminar por completo e uniformemente toda a rua, jogando sombras que deixaram os grafites ainda mais interessantes.

segunda-feira, 19 de agosto de 2019

Uma UIP que virou restaurante


Essa bela casa que fica na Rua Kellers, 95 é uma unidade de interesse de preservação e hoje abriga o restaurante Oriente Árabe, um restaurante de gastronomia árabe que existe desde 1969. Conheci o restaurante em outro endereço (no Alto da XV) e lembro que era muito bom.

domingo, 18 de agosto de 2019

Descendo a Claudino dos Santos


Certamente já fiz essa foto outras vezes ao descer a Rua Dr. Claudino dos Santos em direção ao Largo da Ordem, mas é que acho o conjunto dos prédios, paralelepípedos e casarios tão bonito que não resisto.

Nos paralelepípedos podemos perceber uma linha vermelha que se não me engano, pode ser seguida e será uma guia para um passeio por pontos turísticos importantes. A meia lua nos paralelepípedos e uma meia rosácea no mosaico português indicam os pontos de paradas para apreciação.

sábado, 17 de agosto de 2019

Passeando os cachorrinhos


Estava fotografando a Casa Frederico Kirchgässner no São Francisco quando essa moça chegou passeando seus simpáticos cachorrinhos, que fizeram ali o seu xixi e seguiram seu caminho.

sexta-feira, 16 de agosto de 2019

O mosaico português da Praça Garibaldi


Há diversos padrões de mosaicos portugueses em Curitiba: rosáceas paranistas na XV e Praça Osório, pombos correio no correio velho, liras na Carlos Gomes e outros padrões espalhados pela cidade. Esse da foto eu fotografei na Praça Garibaldi no São Francisco. Não consigo identificar o motivo do padrão. Caso alguém saiba, compartilhe.

quinta-feira, 15 de agosto de 2019

De cima



É sempre bacana observar uma paisagem de cima, de onde se tem tranquilidade e tempo para ver e registrar sem ser visto, ainda mais se trata-se da minha rua favorita em Curitiba, a rua XV de Novembro. Nesse dia eu estava num daqueles restaurantes que são anunciados na rua por pessoas vestindo placas. A vista da sacada foi a melhor parte do almoço.

quarta-feira, 14 de agosto de 2019

Em ruínas


As Ruínas de São Francisco, na Praça João Cândido, são os remanescentes de uma construção inacabada, iniciada pelos portugueses, que viria a ser a Igreja de São Francisco de Paula.

Distantes de serem o que sobrou de um edifício demolido pela ação do homem ou do tempo, suas paredes de pedra são, na verdade, resquícios de uma construção inacabada do que viria a ser a Igreja de São Francisco de Paula, que atravessou as décadas praticamente ilesa ao crescimento da cidade.

Outro diferencial das ruínas é o fato de elas serem tombadas pelo patrimônio histórico do estado. Isso porque, juntamente com o Belvedere, elas compõem o conjunto de edificações da Praça João Cândido, que recebeu o título em 1966.

Para conhecer com mais profundidade a história das nossas ruínas que não são ruínas, mas uma obra inacabada, siga para a matéria completa no site da Gazeta do Povo, de onde obtive as informações acima. Leia mais em: https://www.gazetadopovo.com.br/haus/estilo-cultura/a-historia-das-ruinas-de-sao-francisco-marco-na-paisagem-de-curitiba/



terça-feira, 13 de agosto de 2019

Bogogós



Esse predinho de três andares fica há poucos metros da Igreja do Rosário na Trajano Reis. Ele não tem nada de muito excepcional, mas por algum motivo gosto dele. Talvez seja as duas camadas em planos diferentes (azul e laranja), ou os cobogós que devem prover luz e ventilação na escadaria.

No térreo há duas lojas. Uma de artigos para presentes, decoração e tapetes chamada Ramsés. A outra cujo nome é "Novo Louvre", merece alguns comentários. A Novo Louvre é uma loja de roupas femininas que pertence à terceira geração da família de Miguel Calluf, comerciante sírio libanês que construiu o prédio onde está a loja, mas que é mais conhecido por ter tido a loja de tecidos Louvre, onde hoje está a Lojas Marisa na rua XV de Novembro e também por ter construído o prédio do Hotel Eduardo VII, cujo nome oficial é na verdade Edifício Miguel Calluf, à imagens e semelhança do Flatiron Building de Nova York.

segunda-feira, 12 de agosto de 2019

Uma janela para o mundo


Na rua Dr. Claudino dos Santos, sentado em frente ao Memorial de Curitiba com o reflexo da Casa Hoffmann ao fundo, esse distraído transeunte comunicava-se com o mundo, alheio ao fotógrafo (também refletido) que flagrava o momento.

domingo, 11 de agosto de 2019

Um close e uma panorâmica do Largo da Ordem



O Largo da Ordem tem uma coleção de prédios históricos que não canso de olhar e eventualmente, fotografar. A primeira foto mostra um close dos prédios junto à escadaria da Galeria Julio Moreira (ou Galeria do TUC), tendo ao fundo o Ed. Eduardo VII. Já a segunda foto abre o Largo da Ordem numa panorâmica e mostra vários outros prédios, inclusive a Igreja que dá nome ao largo e seu bebedouro.

sábado, 10 de agosto de 2019

Curitiba 1886



Acho muito lindo esse prédio que fica na esquina da rua XV com a rua Monsenhor Celso. Desse ângulo a perspectiva fica ressaltada pela sequencia de portas e janelas que se repetem. No alto do prédio se lê o ano de sua construção: 1886.

Fiquei pensando o que teria acontecido em Curitiba nesse ano. Fiz uma breve pesquisa e achei algumas coisas, como por exemplo: o Passeio Público foi inaugurado nesse ano, bem como a chegada da primeira lâmpada elétrica na capital, acesa justamente no Passeio Público no dia 19 de dezembro, comemorando a instalação da Província do Paraná.

Achei também um jornal, edição 47 da Gazeta do Paraná de 1886, onde é possível ler uma matéria da Sociedade de Immigração de Curitiba a respeito de um ofício encaminhado ao ministro da agricultura. Para o senso comum dos dias de hoje, o conteúdo da matéria é bizarro e incrivelmente ofensivo, mas vendo tantas notícias de refugiados, crianças separadas dos pais e foto de pai e filha mortos ao tentar atravessar a fronteira americana ou solicitações de fechamento da fronteira do Brasil com a Venezuela, fico pensando o quanto de fato evoluímos nesses 133 anos.

sexta-feira, 9 de agosto de 2019

Pessoas da Praça Tiradentes



A Praça Tiradentes é uma muvuca de gente o dia todo. Gente que passa, gente que mora, gente que dorme, gente que vagueia, gente que bebe, gente que fuma, gente que pede, gente que vende, gente que compra, gente que esconde, gente com medo, gente que ajuda, gente que trabalha. Enfim, uma gentarada!

quinta-feira, 8 de agosto de 2019

Entrada emparedada




A prefeitura de Curitiba tem um belíssimo projeto de recuperação de fachadas (as vezes além disso) de prédios históricos da cidade chamado Rosto de Curitiba. As pinturas são refeitas, destacando a beleza que cada imóvel desse tem e pelo menos por um tempo, ficamos felizes de ver o quanto nossa arquitetura conta a história da cidade e de todos que aqui vivem e viveram.

Mas não basta cuidar apenas do rosto, quando o corpo padece. Esse maravilhoso prédio fica na esquina da Riachuelo com a São Francisco, funcionando no térreo um brexó. Olhando mais de perto e através da porta amarela que dá acesso ao andar superior, não vemos um corredor, mas uma parece de tijolos bloqueando a entrada. Provavelmente o proprietário do prédio, cansado de invasões, vandalismo e dores de cabeça, resolveu tomar essa atitude radical.

A São Francisco por um breve período, talvez o mesmo tempo que dure uma pintura nova, foi uma promessa de ocupação de uma área degradada e perigosa, mas a ausência amiga do poder público afastou os estabelecimentos (a maioria pelo menos) boêmios e seus clientes, voltando à triste realidade de antes.

Um pequeno detalhe da foto mais aberta. Junto à porta amarela percebemos uma figura sentada que parece estar anotando algo. Na verdade trata-se do grande Simon Taylor com sua prancheta, papel, canetas e aquarelas, fazendo mais um belíssimo desenho da cidade, gravando para sempre o momento visualizado.

quarta-feira, 7 de agosto de 2019

Entubados


Da praça onde fica o Café do Estudante, que se chama Largo Leonor Twardowski, vemos o Teatro Guaíra de um ângulo que acho bem bonito, o prédio onde funciona há décadas uma tradicional escola de inglês de Curitiba e o elemento mais novo da paisagem, que é uma Estação Tubo dos ônibus que partem e passam nesse local, como a Linha do Estudante, que vai até o Centro Politécnico.

terça-feira, 6 de agosto de 2019

Pessoas na rua XV





Estar na XV além de vivenciar um trecho histórico e vibrante de Curitiba, sempre pode ter a certeza de poder observar o vai e vem das pessoas que moram, trabalham e passeiam pela rua mais famosa de Curitiba. É um prato cheio para novas fotos.

segunda-feira, 5 de agosto de 2019

Palácio Riachuelo


Um imóvel em ruínas passou – no ano de 1925 – à propriedade da família de José Hauer. Posteriormente foi vendido por Alexandre Hauer para Ângelo Guarinello. O mesmo revendeu a um próspero imigrante sírio que já possuía outros imóveis na região – Jorge Pacífico Fatuch.

O Sr. Fatuch acabou por demolir a edificação para construir ao término da década de 1920 o atual Palácio Riachuelo. A data de inauguração – 1929 – está inscrita no topo até os dias atuais. O projeto arquitetônico previu o andar térreo para lojas comerciais e os superiores como moradia em geral.

A rotina comercial teve como um dos destaques a presença das Casas Pernambucanas – que permaneceram de 1935 até o final da década de 40. Em 1946 a família Fatuch vendeu o local para a firma Feira de Retalhos. O dono do estabelecimento – Ernesto Alves Padilha – viria a alterar a denominação para Feira dos Tecidos. Outros tradicionais comércios curitibanos tiveram o Palácio Riachuelo como sede. Entre eles a Casa Hilu; Salão Recife; Hotel Castelo; entre outros.

Fonte: site do Centro Histórico de Curitiba

Referências: BOLETIM INFORMATIVO DA CASA ROMÁRIO MARTINS. Cores da Cidade: Riachuelo e Generoso Marques. Curitiba: FCC. 1996. 90p.

domingo, 4 de agosto de 2019

E a antiga sede da EMBAP?




Ainda na antiga gestão do governo do estado, uma matéria da Gazeta do Povo chamou a atenção para o estado de abandono e degradação desse prédio histórico para a cultura de Curitiba, a antiga sede da Embap. Havia inclusive um buraco no telhado, por onde certamente muita água entrou e certamente muitos danos causou.

Na época houve todo um jogo de cena, vistorias, pronunciamentos e logo depois, silêncio e o prédio continua igual, com aqueles olhos colados na janela observando a cidade e a cidade sem observar o prédio.

Gostaria de saber se o atual governo, que extinguiu a Secretaria de Cultura, fundindo suas funções com a Secretaria da Comunicação, tem algum plano para recuperar e ocupar esse prédio.