quarta-feira, 31 de julho de 2019

To everything (turn, turn, turn) There is a season...


Ao longo de praticamente um ano (2018-2019), durante um curso que marca uma mudança importante na minha vida, registrei a passagem do tempo nesse grafite de Helder Oliveira na rua Fernando Moreira e percebi a mudança das estações nele.

Duas músicas vieram à minha mente enquanto trabalhava para juntar essas fotos. Uma do musical Rent! chamada "Seasons of Love" que pergunta de que forma se pode medir o tempo: em minutos, semanas, anos, xícaras de café, sorrisos, lamentos, degustações, mis en places, amores?

Outra música é Turn! Turn! Turn! (To Everything There Is a Season) do grupo Byrds. Essa música, que foi praticamente toda baseada no texto da Bíblia Eclesiastes-3, fala que tudo na vida tem seu tempo e seu propósito.

Esse tempo de passar todo dia por esse grafite e o motivo disso, teve seu propósito, está assimilado e agora é hora de novas estações.

To everything turn, turn, turn
There is a season turn, turn, turn
And a time to every purpose
Under heaven

A time to be born, a time to die
A time to plant, a time to reap
A time to kill, a time to heal
A time to laugh, a time to weep

A time to buid up
A time to break down
A time to dance, a time to mourn
A time to cast away stones
A time to gather stones together

A time of love, a time of hate
A time of war, a time of peace
A time you may embrace
A time to refrain from embracing

To everything turn, turn, turn
There is a season turn, turn, turn
And a time to every purpose
Under heaven

A time to gain, a time to lose
A time to rain, a time of sow
A time for love, a time for hate
A time for peace
I swear it's not too late


terça-feira, 30 de julho de 2019

Casinha de madeira da Praça 29 de Março



Como disse Hipólita Senem, da família que construiu essa casinha de madeira pertinho da Praça 29 de Março, os lambrequins ausentes da casinha são como as cicatrizes ou marcas que a vida deixou na casa, assim como deixa nas pessoas.

Em maio de 2016 publiquei um texto da Hipólita no qual ela conta a história dessa casa. Os dois posts foram acompanhados dos desenhos que artistas do Brasil todo fizeram dessa casinha por ocasião do primeiro encontro nacional dos Urban Sketchers.

Abaixo apenas os primeiros parágrafos só para dar um gostinho do que podem encontrar no belo texto completo que tive a honra de publicar. Recomendo muito, pois é uma bela história. Links no final desse texto.

Nos disse então Hipólita Maria Zarutski de Paula Senem

Aqui estou para contar a história singela de uma casa, ora chamada de “a casa da 29 de Março”, e dar umas pinceladas nas gerações que ela assistiu silente transitarem por ela, e deixaram em suas paredes várias histórias, resgatadas aqui e ali por nobres lembranças, pelo carinho aos seus moradores, fatos pitorescos que indeléveis ficaram na vida de outrem.

A casa de madeira da 29 de Março foi mandada construir pelo Sr. Miguel Zarutski, operário polonês que aqui encontrou a descendente de italianos Maria; casaram-se e tiveram dois filhos, João e Anna.

O lugar escolhido para moradia ainda era um bairro distante do centro, pertencia à família de Ana Mann desde 31 de dezembro de 1887, o terreno foi adquirido diretamente com ela e em 17 de junho de 1922 foi registrada na Prefeitura Municipal de Curitiba a transferência legal a favor de Miguel Zarutski. Na época o terreno tinha por vizinho o campo do Poti Esporte Clube, o qual, mais tarde, dava lugar ao surgimento da Praça 29 de Março.

O projeto original da casa era muito simples, continha uma varanda que fazia sombra em todo o lado esquerdo da casa, o quarto principal à frente, uma pequena sala de visitas, sala de costura, comum à época, cozinha, banheiro, e mais um pequeno cômodo que abrigava a escada que dava acesso a dois quartos no sótão. A varanda nunca chegou a ser construída.

Para ver o texto completo e os lindos desenhos produzidos pelo USK Brasil, acesse o primeiro post aqui e o segundo post aqui.

segunda-feira, 29 de julho de 2019

USK Curitiba no Largo da Galícia





Estive com o USK Curitiba no último sábado num local de Curitiba chamado Largo da Galícia, que fica no encontro da Rua Prof. Fernando Moreira com a Rua Padre Anchieta. O que temos ali são belas árvores, que quando floridas deixa a praça muito bonita. E uma casa bem interessante que foi o foco do desenho da maioria das pessoas/

domingo, 28 de julho de 2019

Residência Zattar





Completando o trio de lindas mansões da esquina da Avenida Batel com a Ângelo Sampaio, publico hoje as fotos que fiz da Residência Zattar.

Essa mansão foi construída pelos Irmãos Thá no início dos anos 40, a pedido da família Zattar, tradicional família de madeireiros da região de Ponta Grossa. Chama a atenção o seu portão de entrada situado na esquina, uma influência da arquitetura espanhola. Hoje a casa é ocupada pelo Centro Europeu.

sábado, 27 de julho de 2019

Uma casa de madeira azul no Ganchinho




Em companhia de amigos tive a oportunidade de visitar mais essa casa de madeira no bairro do Ganchinho, mesmo sendo de arquitetura simples, a casa tem belos atributos, como estar implantada num enorme terreno onde crianças e eventualmente animais podem correr à vontade. A casa está extremamente bem cuidada pois é ocupada por uma família que faz suas reuniões familiares e com amigos numa grande área coberta na lateral da casa. E logicamente não poderiam deixar de existir as cortinas rendadas que além de embelezar, evitam a entrada de mosquitos.

sexta-feira, 26 de julho de 2019

Casa Muzzillo









A Casa Muzzillo, que fica na esquina da Rua Ébano Pereira com a Al. Augusto Stellfeld, foi o vigésimo imóvel que teve a sua fachada recuperada pelo projeto "Rosto da Cidade" da Prefeitura de Curitiba. Há muito tempo já havia reparado o quanto a casa é bonita e cheia de detalhes, mas sem dúvida a nova pintura realçou ainda mais todos esses atributos.

A Casa Muzzillo abriga o Instituto Cidadania e Voluntariado, antigo Centro de Ação Voluntária.

Fonte: Site da Prefeitura de Curitiba

quinta-feira, 25 de julho de 2019

A mais linda das mansões







Esse casarão no Batel que fica na esquina da Av. Batel com a Ângelo Sampaio (exatamente em frente do outro casarão que postei ontem) é para mim o casarão antigo mais lindo da cidade e olha que a concorrência é alta nesse quesito. Mas há algo de especial nessa casa, meio que me lembra aqueles filmes de ocupação inglesa em ilhas tropicais.

Um leitor do blog, Luiz Venske Dyminski, comentou ter lido na página "Antigamente em Curitiba" que o local chamava-se Casa da Tia Paula ou Casa da Mãe Solteira, que seria uma casa de acolhimento de mães solteiras que não tinham apoio e condições de cuidar de seus filhos.

Hoje o local é sede de um grande banco.

quarta-feira, 24 de julho de 2019

Uma mansão que virou confeitaria






No último domingo o Croquis Urbanos esteve no Batel para desenhar um belo casarão na esquina da Avenida Batel com a Ângelo Sampaio, que foi sede da Clini Hauer por muito tempo, ficou um bom tempo fechado, depois um bom tempo em reforma para reabrir como uma confeitaria e café colonial.

Não conheço a história da casa, assim caso alguém queira contribuir com informações, agradeço!

terça-feira, 23 de julho de 2019

Residência Bittar




Construída pela família Virmond no início dos anos 30, foi adquirida em 1935 pelo 1o. Cônsul da Síria para o Paraná e Santa Catarina, senhor Elias Abrad Bittar. Mantém a cor e a arquitetura originais e sua arquitetura tem influência francesa da época da Renascença.

Hoje o imóvel é ocupado pelo Consulado Geral do Paraguai e fica na Rua Benjamin Lins, 935.

segunda-feira, 22 de julho de 2019

Árvores floridas do Alto da XV




Parece que foi ontem que postei as árvores com flores rosadas. Um ano se passou e lá estão elas novamente, com suas lindas flores que rapidamente caem e formam um belo e vivo tapete.

A curiosidade desse ano fica por conta da árvore das duas últimas fotos, que fica na rua Angelo Lopes no Hugo Lange. Nela fica evidente a poda agressiva pela qual a árvores passa para permitir a passagem dos muitos cabos de energia, algo que pode ser minimizado com um tipo de agrupador de cabos que podem ser vistos pela cidade.

domingo, 21 de julho de 2019

Takeuchi Ramen no Oidê






Há pouco mais de um mês a proprietária do Oide (um lindo restaurante/café/Izakaya), a amiga Karla Keiko, convidou à mim e meu filho Guilherme para fazermos uma noite de Ramen no Oide.

Foi a oportunidade ideal para colocar em prática o meu plano de ingressar na gastronomia trabalhando especificamente com esse prato da culinária japonesa que já é querido mundo afora e que está cada vez mais sendo conhecido no Brasil.

Ontem aconteceu então a noite de ramen no Oide oferecido pelo Takeuchi Ramen, lançando oficialmente a nossa marca para os amigos e clientes que lá estiveram. A surpresa é que toda a produção prevista para atender ao almoço e jantar foi totalmente consumida no almoço, tendo inclusive fila do lado de fora do restaurante.

Logo depois do almoço, os amigos do USK Curitiba apareceu para desenhar o local e o Memorial David Carneiro que fica bem na frente do Oide.

Mesmo tendo ficado tantas horas em pé, de toda a pressão e tendo apenas eu e meu filho tocado todo o serviço, foi para mim a confirmação de que a gastronomia é algo que realmente gosto e fico feliz em estar tentando entrar depois de tantos anos em outra profissão.

Agradeço imensamente à Karla Keiko, ao Will e à todo o staff do Oide (que fica na rua Brigadeiro Franco, 1845) por terem nos recebido na sua casa. Estar cercado pela minha família e amigos num lugar tão bacana, não tem preço!

sábado, 20 de julho de 2019

Minha antiga casa


Edifício Asa, onde de 1977 à 1989 eu morei com meus pais e irmã. Gostava e ainda gosto muito do centro, de seus parques, prédios, praças e pessoas. Do nono andar, fui testemunha das mudanças da nossa cidade.

sexta-feira, 19 de julho de 2019

Memorial David Carneiro - Curitiba Sua Linda


Depois de muito tempo, o que restou da casa e Museu David Carneiro, grande historiador (além de engenheiro, escritor, poeta) curitibano, foi transformado no Memorial David Carneiro, mas o que se vê da rua são peças que estão à venda na loja "Curitiba Sua Linda" que divide espaço com o memorial (que não conheci ainda). O memorial e a loja são anexos do Hotel Pestana na Brigadeiro Franco com Comendador Araújo.

quinta-feira, 18 de julho de 2019

Uma casinha estilosa



Na rua Sebastião Paraná na Vila Izabel encontrei essa simpática casa verde em alvenaria com diversos detalhes charmosos na entrada, como os desenhos na janela frontal e porta de entrada, um desenho em alvenaria no pórtico de entrada onde fixa-se uma luminária, desenhos em alvenaria no pórtico, formando um arco de boas vindas, o telhado da varanda de acesso à casa com um desenho meio oriental, fixado na parede do lado esquerdo da porta de entrada um bordado onde se lê "It's wrap" com moldura flora e do lado direito, uma pequena escultura que parece representar o Espírito Santo (ou é apenas uma pequena ave).

Procurando algo em Curitiba relacionada à frase "It's Wrap", descobri que essa casa é a sede dessa empresa que produz alimentos que pretendem ser práticos, saudáveis e frescos, tendo o Wrap como carro chefe.

quarta-feira, 17 de julho de 2019

Caricatura da arquitetura 2




O super talentoso e incansável Simon Taylor, que além disso é um baita amigo e gente boa demais, vai lançar o segundo volume do livro "Caricatura da Arquitetura", no dia 23/07 na Livrarias Curitiba às 19:30. Tive a oportunidade de ver o livro e mais ainda, de filmar o Simon produzindo novamente o desenho da capa do livro e posso dizer que está sensacional.
Não perca então a oportunidade de pegar o seu exemplar devidamente autografado no próximo dia 23/07!