sexta-feira, 6 de maio de 2016

A história da Casinha de Madeira da Praça 29 de Março - parte 1


O primeiro encontro oficial do Urban Sketchers Brasil em Curitiba aconteceu na Praça 29 de Março. Parte do grupo escolheu desenhar a praça e alguns, optaram pela casinha de madeira com lambrequins que fica na Des. Motta.

Depois de publicadas as fotos, uma leitora do blog, Hipólita, entrou em contato informando ser da família que construiu e ainda vive na casa.

Para minha grande alegria, Hipólita se dispôs a contar a história da casa e da família. Assim, mais uma vez com muita honra vou publicar a história da casa, acompanhada das fotos que fiz dos desenhos/pinturas que os sketchers fizeram no dia do encontro.

Com vocês hoje e amanhã, a bela história da família do Sr. Miguel Zarutski e da sua casinha de madeira da 29 de Março.

Aqui estou para contar a história singela de uma casa, ora chamada de “a casa da 29 de Março”,e dar umas pinceladas nas gerações que ela assistiu silente transitarem por ela, e deixaram em suas paredes várias histórias, resgatadas aqui e ali por nobres lembranças, pelo carinho aos seus moradores, fatos pitorescos que indeléveis ficaram na vida de outrem. 

A casa de madeira da 29 de Março foi mandada construir pelo Sr. Miguel Zarutski, operário polonês que aqui encontrou a descendente de italianos Maria; casaram-se e tiveram dois filhos, João e Anna. 
O lugar escolhido para moradia ainda era um bairro distante do centro, pertencia à família de Ana Mann desde 31 de dezembro de 1887, o terreno foi adquirido diretamente com ela e em 17 de junho de 1922 foi registrada na Prefeitura Municipal de Curitiba a transferência legal a favor de Miguel Zarutski. Na época o terreno tinha por vizinho o campo do Poti Esporte Clube, o qual, mais tarde, dava lugar ao surgimento da Praça 29 de Março. 

O projeto original da casa era muito simples, continha uma varanda que fazia sombra em todo o lado esquerdo da casa, o quarto principal à frente, uma pequena sala de visitas, sala de costura, comum à época, cozinha, banheiro, e mais um pequeno cômodo que abrigava a escada que dava acesso a dois quartos no sótão. A varanda nunca chegou a ser construída.

João, o filho mais velho de Miguel e Maria, tornou-se bombeiro e foi morar em Paranaguá, lá se casando com Iracema teve três filhos, Elizabeth, Roberto e Cézar Augusto. Anna, a filha mais nova, teve dois filhos, Luiz Alberto e Cleis Helena. Para Anna foi construída uma pequena casa, nos fundos do terreno tendo sido a planta aprovada pelo seu pai em 3 de dezembro de 1938, e com data para ser concluída até 6 de junho de 1939. Nesta casa permaneceu com sua filha, genro, netos e bisnetos até sua morte, em 1994.

Maria, esposa de Miguel veio a falecer com 56 anos, em 1955. Miguel casou-se novamente com uma senhora que ninguém sabe ao certo nos dias de hoje o nome correto, mas era carinhosamente conhecida como Dona Bina, senhora simples, de gestos e alma, poucas palavras e todas ditas com pausa típica de pessoas simples, e ali, na casa da 29 de Março continuaram a viver.

No ano que inaugurava a Praça 29 de Março, Miguel falecia, aos 15 dias de março de 1966; dona Bina, a segunda esposa, resolveu ir embora e, afora visitas esporádicas, nunca mais deu qualquer notícia.

Não se sabe bem ao certo quando João retornou à Curitiba, já como oficial reformado da Polícia Militar, com sua esposa e seus três filhos, mas voltou à casa da 29 de Março e ali colocou em prática a profissão que aprendera em sua juventude: sapateiro. Foi um artesão de sapatos conhecido e prestigiado por vários anos, e sua oficina ocupava o quarto que dava acesso ao sótão. Ali passava as tardes em meio aos moldes de sapato feitos em madeira, couros de vários tipos, tintas, saltos Amazônia, martelinhos finos, vez ou outra martelo grosso e o cheiro de cola que tomava todo o cômodo, e só não era pior porque a casa foi construída com quatro metros de pé direito, aproveitando toda a medida das madeiras encomendadas por Miguel, seu pai. A profissão de sapateiro acabou abandonada quando do falecimento da esposa Iracema, em 16 de junho de 1975, mas João foi morador na casa pelo resto de sua vida.

A primeira filha de João, Elizabeth casou-se e foi, inicialmente, morar no sótão da casa. Como a família cresceu, entre a casa da frente e a dos fundos, nova casinha foi construída para abrigar a família da filha, carinhosamente chamada Beth.

Na pequena casa construída para Beth, nasceram seus quatro filhos: João, José, Hipólita e Jefferson.

Continua amanhã ...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que achou desse post? Seu comentário é muito bem-vindo.