segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

A casinha do Seu Niquinho e Dona Júlia













A segunda casinha que visitei na companhia da família Oliveira Simões no Ganchinho me deixou de queixo caído pela beleza dela (incluindo seu incrível interior) e também, pela fabulosa propriedade na qual ela está implantada, que publicarei noutro dia.

Fiquei espantado por saber que naquela casinha tão pequena, morou uma família de oito pessoas e ali foram muito felizes. Pedi ao Luiz Antônio que contasse um pouco da história da casinha. Ele me enviou um lindo texto, o qual reproduzo na íntegra abaixo. Agradeço ao Luiz Antônio pelo relato e à sua família, Miriam Leonila, Luiz e Pedro.

Casa quase centenária, foi residência da família Simões Oliveira por mais de 60 anos.

Adquirida e 1957 por ocasião do casamento do senhor Antônio Simões de Oliveira (Seu Niquinho) e Dona Julia da Rocha, foi retirada do lugar onde há anos já servia de residência para outra família e remontada no endereço onde se encontra até hoje.

Nesta pequena casa, o meu pai seu Niquinho, como era conhecido, e Dona Júlia minha querida mãe, construíram sua família. Tiveram oito filhos, dois dos quais são falecidos. Os filhos vivos: José Luiz, Maria Lucia. Luiz Antônio (este que vos escreve), João Marcos, Tadeu Carlos e Inês Terezinha.

Trabalhando como lavrador meu pai, criou os seis filhos com muita dificuldade, porém nunca faltou à família dignidade e respeito. Casa simples, sem energia elétrica e pouco conforto, era composta de dois quartos, sala, cozinha e um sótão.

O fogão a lenha sempre com as panelas de comida e as canequinhas de chá feito carinhosamente pela mamãe Júlia, era o aconchego de toda família nos dia de muito frio. O varal estendido sobre o fogão servia tanto para secar roupa quanto para defumar lingüiça caseira, feita com a carne dos porcos criados no chiqueiro. Dentre as criações, além de porcos tinha também galinhas, patos, cabras e os cavalos utilizados pelo meu pai na lida da terra, de onde ele tirava o sustento da família.

Esta linda casa abrigou com simplicidade a nossa família e nos deixou muitas lembranças. Com toda certeza a melhor delas eram as reuniões de finais de ano, quando a casa ficava cheia de gente, barulho e muita alegria.

Filhos, noras, genros e netos, a rodear o Noninho e a Noninha, ouvindo suas histórias e saboreando o famoso pato assado no forno a lenha e a cuca feita pela Nona Júlia, com gasosa de framboesa que tinha sabor de felicidade.

Com o falecimento dos meus pais, as reuniões terminaram. Mas, ficou o sentimento de união, amor e respeito que recebemos deles e tentamos passar para os nossos filhos.

UMA CASA NÃO É SÓ UMA CASA, SE NELA HABITAR UMA BELA FAMÍLIA!

6 comentários:

  1. Que beleza!Quantas lembranças maravilhosas. Ao digitar o texto manuscrito pelo meu esposo, não pude conter as lágrimas de emoção e saudades. Orgulhosamente fiz parte desses momentos inesquecíveis que construiu a nossa história. Obrigada amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou eu quem agradece pela honra de poder conhecer a casa, publicar esse relato e conhecer vocês.

      Excluir
  2. Que linda história! A casa-coração mesmo pequena ficou gigante e abrigou uma família enorme.

    ResponderExcluir
  3. Emocionante! Fico cada vez mais impressionada com o poder das fotografias, elas tocam a alma e despertam sentimentos muitos especiais. Sinto-me feliz em ter acompanhado o passeio (para mim) e garimpo (para você), podendo observar sua escolha dos melhores ângulos com um olhar atento e poético. Parabéns! Miriam agradeço pelo presente de poder vivenciar emoções únicas.

    ResponderExcluir
  4. Eu que agradeço amigos.Eu vim de longe, do sertão pernambucano. Cruzei o Brasil para encontrar essa linda família,e, a partir dela construir a minha. Deus tem tudo preparadinho pra nós e a beleza da sua presença vai se revelando ao longo da vida. Só precisamos saber enxergar e agradecer. Um grande abraço a todos.

    ResponderExcluir

O que achou desse post? Seu comentário é muito bem-vindo.