segunda-feira, 5 de agosto de 2019

Palácio Riachuelo


Um imóvel em ruínas passou – no ano de 1925 – à propriedade da família de José Hauer. Posteriormente foi vendido por Alexandre Hauer para Ângelo Guarinello. O mesmo revendeu a um próspero imigrante sírio que já possuía outros imóveis na região – Jorge Pacífico Fatuch.

O Sr. Fatuch acabou por demolir a edificação para construir ao término da década de 1920 o atual Palácio Riachuelo. A data de inauguração – 1929 – está inscrita no topo até os dias atuais. O projeto arquitetônico previu o andar térreo para lojas comerciais e os superiores como moradia em geral.

A rotina comercial teve como um dos destaques a presença das Casas Pernambucanas – que permaneceram de 1935 até o final da década de 40. Em 1946 a família Fatuch vendeu o local para a firma Feira de Retalhos. O dono do estabelecimento – Ernesto Alves Padilha – viria a alterar a denominação para Feira dos Tecidos. Outros tradicionais comércios curitibanos tiveram o Palácio Riachuelo como sede. Entre eles a Casa Hilu; Salão Recife; Hotel Castelo; entre outros.

Fonte: site do Centro Histórico de Curitiba

Referências: BOLETIM INFORMATIVO DA CASA ROMÁRIO MARTINS. Cores da Cidade: Riachuelo e Generoso Marques. Curitiba: FCC. 1996. 90p.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que achou desse post? Seu comentário é muito bem-vindo.