sexta-feira, 8 de março de 2013

Casas de madeira de Curitiba 85



No Cristo Rei, na rua Schiller, na última quadra antes da Av. Pres. Affonso Camargo, por indicação de da Prof. Doralice do blog Na Mira do Leitor, encontrei oprimidas por edifícios, avenidas e fome imobiliária, três casas de madeira vizinhas uma das outras ainda bem conservadas.

7 comentários:

  1. Ainda ontem passei na frente do grupo de casinhas, Takeuchi; a sensação é de evidente transformação visual no trecho destacado da Rua Schiller. Grata pela habitual gentileza.

    Fico sempre com uma ponta de curiosidade sobre o destino do material obtido com o desmanche dessas construções; as grandes incorporadoras imobiliárias devem ter uma sistemática, mas ignoro qual. Você tem alguma ideia, meu amigo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Posso apenas imaginar professora. Acho que quando as condições da casa permitem, elas podem até ser montadas em outro lugar, caso contrário, devem virar lenha!

      Excluir
  2. Parece que os edifícios estão para atacar estas pobres sobreviventes do progresso.

    Belas imagens. Gosto das casas de madeira, mas também gosto dos muros pré-fabricados que quase sempre as circundam. Mereciam uma seção no site. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que é mais ou menos que acontece mesmo! As casinhas são atacadas!
      Os muros são bacanas também. Lembro até hoje do que cercava o hotel da minha avó no norte do Paraná.

      Excluir
  3. Caro Washington,
    as duas casas, a azul e a amarela, não existem mais. Pena!

    Veja as fotos: https://www.facebook.com/LongaVidaAoArquipelagoDeCamoes/photos/a.765051843577409.1073741866.686577814758146/764892826926644/?type=3&theater
    e

    https://www.facebook.com/LongaVidaAoArquipelagoDeCamoes/photos/a.765051843577409.1073741866.686577814758146/782879635127963/?type=3&theater

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Putz! Essas cairam muito mais rápido do que eu imaginava. Existem várias nessa região e obviamente despertam a cobiça. Que pena.

      Excluir

O que achou desse post? Seu comentário é muito bem-vindo.