segunda-feira, 11 de março de 2013

Paróquia São Francisco de Paula



Hoje a Igreja São Francisco de Paula está localizada nas esquinas das ruas Saldanha Marinho e Desembargador Motta, mas a realidade é que sua construção teve início ainda em 1799, há 2,5 km do atual endereço. Naquele tempo, foi criada a Confraria de São Francisco de Paula e erguida uma capela (concluída em 1809) no ponto mais alto da Vila de Curitiba, hoje conhecido como o Alto de São Francisco.
 Pouco depois, o local recebeu a bênção episcopal em 1811, junto com a imagem do Santo Padroeiro, esculpida em madeira de lei por um artista desconhecido. Reza a lenda que, em tempos de seca, os fiéis levavam a imagem ao cortejo e, em seguida, o céu escurecia, gerando ventos e chuva.
Foi a partir de então que se começou um árduo trabalho para dar origem a um grande templo. Ainda no Alto de São Francisco, a Igreja começou a ser construída. Porém, com a morte um de seus mais fiéis precursores, o coronel Manoel Gonçalvez Guimarães, em 1815, a obra foi interrompida e deixada em alicerces em pedra. Somente em 1899, com a chegada dos primeiros franciscanos à cidade, elas foram retomadas. Contudo, em 1901 ele se mudaram para a Praça Rui Barbosa e a obra foi novamente abandonada, deixando as hoje históricas e turísticas ruínas de São Francisco.
Mas esse não foi o fim dos planos para São Francisco de Paula em Curitiba. Em 1914, em uma permuta com a Prefeitura, a Diocese obteve nosso atual terreno e reiniciou a construção. Ainda com um templo temporário de madeira, em dezembro de 1936, nossa Igreja foi elevada à Paróquia.
Com dificuldades financeiras para tocar as obras, em março de 1949, o então pároco, monsenhor Boleslau Falarz, deu os primeiros passos para a construção da matriz com a venda de carnês e arrecadações feitas por meio de festas e quermesses. Ainda enfrentando problemas por falta de verbas, o monsenhor chegou a escrever a um pupilo: “reze para que São Francisco nos alcance este milagre”.
Pedido feito, pedido atendido. Em 1961, finalmente a Nova Igreja recebeu a benção episcopal. Mas esse não foi o fim das obras. Apesar de estar bela e estruturada, pouco a pouco, nossa Paróquia ainda está sendo construída. Falta, por exemplo, a instalação de um relógio, entre outros vetores. Mas isso pode ser até mesmo desejo do Santo Padroeiro. Segundo o pároco atual, padre Ricardo Hoerpers, “talvez o que São Francisco esteja nos mostrando é que seu templo tem tudo a ver com o ser humano, cuja construção é permanente”. Uma prova de que nossa Paróquia, assim como nossas vidas, tem o objetivo eterno por mudanças, reformas e busca incessante pela consagração.

Um comentário:

  1. Esta é a minha igreja favorita. Gosto muito de estar lá para elevar minhas preces a Deus.

    ResponderExcluir

O que achou desse post? Seu comentário é muito bem-vindo.