quinta-feira, 9 de agosto de 2018

Franco Giglio no Cemitério Municipal




A realização desse mural do artista plástico italiano Franco Giglio fez parte de um programa de melhorias para o cemitério, desenvolvido na gestão do prefeito Ivo Arzua, em 1964. A encomenda previa a execução de um mural ornamental sacro, em pastilhas vitrificadas. A obra foi instalada no Cemitério Municipal em 1966, na entrada da antiga capela. Sofreu uma primeira intervenção em 1985. Depois, em 1995, foi transferido para o novo pórtico do cemitério. Em 1997 passou por outros trabalhos de recuperação.

Com 110 m², o mural foi realizado num processo direto - o desenho foi elaborado na argamassa e colocado depois no painel por meio de pastilhas de vidro, numa composição com características estilizadas que lembram os períodos da arte bizantina/gótica. Franco desenvolveu uma narrativa que descreve com maestria e sutileza a cena de almas tentando entrar no céu, guiadas e protegidas por anjos tocando trombetas. Nas extremidades laterais, compõe o painel uma citação de Fagundes Varela. De matizes predominantemente azuis e verdes nas figuras e usando como fundo o branco, o artista obteve a representação de um cenário celestial que o local inspira.

O mural foi uma das primeiras obras de Franco Giglio, em Curitiba. Nascido na Itália, o artista veio para o Brasil em 1956, instalando-se na capital paranaense, onde deixou grande parte de sua produção artística.

Em 2009 o mural foi restaurado emergencialmente com recursos do Programa de Recuperação do Patrimônio Histórico do Fundo Municipal da Cultura, sob a supervisão da Fundação Cultural de Curitiba, com o apoio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. De 30 a 40% das pastilhas tiveram que ser substituídas por novas, porém da mesma fábrica das originais. (Fonte: Site Bem Paraná).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que achou desse post? Seu comentário é muito bem-vindo.