domingo, 19 de julho de 2015

O Castelo do Batel















O Castelo do Batel é uma relíquia arquitetônica que se impõe na mais nobre região de Curitiba, concretização do sonho do cafeicultor Luís Guimarães, inspirado nos castelos franceses da região do Loire. No início do século passado, acolheu grandes festas e hóspedes ilustres.
Em 1947 o Castelo passou a ser residência da família do então governador do Estado do Paraná, Moysés Lupion. Recebeu personalidades como Assis Chateaubriand, Juscelino Kubitschek, Eurico Gaspar Dutra, Jânio Quadros, João Goulart, príncipe Oshio do Japão, David e Nelson Rockefeler, príncipe Bernard da Holanda, entre tantos outros.
Em 1950, a convite do governador Moysés Lupion, Miguel Bakun, considerado um dos maiores pintores do Paraná e muitas vezes chamado de Van Gogh paranaense, decora com pinturas o Salão dos Papagaios, no ático e torreão do Castelo do Batel. Durante meses executa um excepcional trabalho de muralismo, cobrindo com pinturas uma área superior a 640 m².
Em 1974, o Castelo do Batel foi tombado pelo patrimônio histórico do Estado do Paraná. Fonte: http://www.castelodobatel.com.br

Quando cheguei em Curitiba em 1977 fui matriculado no Colégio Estadual Rio Branco no Batel. Morando no centro da cidade (Praça Osório), pegava os ônibus Rua XV/Barigui ou Batel/Jardim Social, na rua Emiliano Perneta, para ir à escola. A avenida Batel era o meu trajeto diário e o Castelo do Batel (na época ocupado pelo Canal 12) era parte da minha paisagem. Inevitável admirar a beleza dessa edificação e inevitável também, imaginar os segredos que esse castelo guardava por detrás de seu belo gradil e sua linda fachada.  Hoje mostro um pouco o que apenas imaginava quando criança.

3 comentários:

  1. Respostas
    1. Nesse dia foi aberto ao Croquis Urbanos de Curitiba. Ouvi (por alto) que acontecem visitas uma vez por mês, mas não tenho detalhes.

      Excluir
    2. obrigada, vou tentar informar-me.

      Excluir

O que achou desse post? Seu comentário é muito bem-vindo.