sexta-feira, 14 de abril de 2017

Arrisque um conto ou poema


Lá de cima do mirante da Igreja Presbiteriana fiquei admirando os prédios do centro histórico de um ponto de vista diferente e raro. Fotografando os prédios antigos que normalmente não se repara muito do chão, fiz essa cena de um casal descendo a rua do Rosário logo depois de passarem por uma pousada.
Que sensações essa imagem lhe transmite? Arriscaria um breve parágrafo de um conto ou um pequeno poema?

Fiz uma espécie de desafio aos leitores e para minha grata surpresa, muitos aceitaram. Alguns na forma de um mini-conto, um poema ou uma frase, sempre expondo a sensação (ou a falta dela em um dos casos) que as pessoas tiveram ao se deter por alguns momentos na foto publicada.

Incrível a diversidade das manifestações, o que reforça o que eu já sabia, que uma mesma situação é capaz de imprimir diferentes sentimentos e penso que isso se deve à história de vida de cada um.

Segue o que foi escrito no Facebook. Todas as manifestações eu seguirei acrescentando aqui:


Dez olhos! Alguns sonolentos, outros acordados nos observam! Ainda bem que andamos na linha! (Giceli Portela)

Na extrema curva do caminho? Uma calçada, ornada de pedrinhas, aponta inúmeras opções. Vamos à esquerda? À direita? Seguimos em frente? Ah...que dúvida! Ainda bem que temos alternativas. Qual a sua direção preferida? Vamos juntos. Depois, experimentamos as outras. Que tal? (Doralice Araújo)

Por que esses loucos anjos do amor insistem sempre em invadir justamente a minha vidraça, sendo tantas as janelas e almas neste mundo? (Cláudio Menna Barreto Gomes)

Claro e escuro se juntam como futuro e passado parecem presentes em uma mera caminhada. (Anderson Ch)

Imagem úmida, fria, cinzenta. Com suas janelas e paredes do passado, espreitando o futuro, logo ali lembranças de caminhos nunca percorridos... (Beatriz Marcucio)

Amomyway... (Sueli Bmp)

Enquanto caminhávamos uma garoa fina nos acompanhava. Senti frio e pedi que me desse o braço. Lembrei-me de nossos passeios vindo do Portão ao Centro. Eu tinha um fusca. Foi meu primeiro carro. Ela comprava tecidos em uma loja de um chinês. Eu gostava de comprar livros, mas as vezes íamos ao cinema. Ela era costureira, a melhor do bairro. Eu, escriturário. Eu sonhava com uma vida com mais cores, com mais vida, com mais ação. Depois de alguns anos, não percebi a doença chegar. Não prestava muita atenção nas coisas dela. Hoje apenas eu me recordo de nossos passeios. Às vezes ela mal se lembra de quem foi ou de quem é. Queria eu poder costurar nossas lembranças dos lugares onde passamos, dos beijos que trocamos e da vida que tivemos. Hoje eu a noto, tarde demais, pois ela mal se lembra de mim. (Rosiane Ferreira)

Meus cabelos brancos já não me deixam lembrar de onde vim, minha sorte que minha pequenina menina, lembrou que eu poderia estar aqui, perdido nas lembranças, então veio buscar-me, e agora descemos a rua no sentido presente, ficando o passado para trás e olhando o futuro lado a lado a cada passo. (Eliane França)

O amor é o companheiro do tempo, no pouso e no voo na eternidade do momento. (Hellen Maria Tiburski)

Saudades de Curitiba, antiga onde passeava a noite sem medo. (Cirlei Lopes)

Caminho de visual rotineiro para o meu trabalho! Todo dia uma surpresa! (Walquiria Rodiani P. Teixeira)

Saudades da infância, saudades de não ter medo. (Simone Brunor)

Porra nenhuma (Cadu Fiani)

Descaso. Tristeza (Regina D. Casagrande)

A passarela de tantos que como eu..apressados ainda observam o descaso...e caminham indignados...!!!!..E tudo..se acaba..!!! (Cecilia Cardoso)

Os edifícios do centro da cidade passam uma sensação de anonimato negligente, de falta de cuidado. Algo que já abrigou vida que um dia já foi vida e não é mais. Espaço de transeuntes. (Vicente Pudell Sobreira)

"Vindo do interior, ele entrou na Pousada em busca de paz. Encontrou um Vampiro e uma Polaquinha e ficou amor, ficou poesia, ficou teatro. Ficou." (Gisele Noce)

Europa brasileira. (Tereza Zotto)

Tristeza, muita tristeza por conta da parede pixada, oq é pior, as autoridades não tomam uma medida drástica contra isso. (Edi De Oliveira Majewski)

Saudosismo...bons tempos em que se podia passear tranquilo pelas ruas. (Cleu Aguiar)

Entre um ponto preto e um ponto branco, retas secas, inclinadas sofridas, sombras e luzes, mas seguem paralelos. (Lívia Albuquerque)

Dá a impressão que a foto é antiga, mas agora observando os detalhes, tenho outra sensação, de frio e aconchego. (Flavia Maria)

Saudades da Curitiba de outrora. .. que caminhar por suas calçadas era prazer...desfilar nas tardes de sábado ..... (Maria Adelice Contin)

O passado não muito distante devagar pouco tecnológico dando tempo a mais para se inteirar com as pessoas! (Ney Lemos)

Frias
Suas ruas
Suas vidas,
Nublado
O dia
A vista,
A vida segue
O tempo não para
E a história fica
(Carola Thamm)

Nostalgia de um tempo que não vivi (Gabriela ZSilveira)

Deveriam aterrar toda a fiação do centro da cidade. (Lucas Zava)

Vamos aproveitar enquanto ainda temos tempo. (Eliane Dec)

Muita saudade beijou (Maria Aparecida Cerqueira Lima Canziani)

Nostalgia... (Cristina Lessa)

Simplicidade, nostalgia, saudades do que não vivi ... (Flavia Maria)

Sensação de que um bando de viciados vão me assaltar! (Mariana Bail)

Saudades (Clarice Bodnar Hubner)

José espera. 
Pende a xícara no batente secular da pousada. O café preto e doce, fumegante, acompanha intermitentes baforadas as quais preenchem cada metro cúbico do hoje solitário quarto 101. Pela janela, através dos dois graus de astigmatismo da lente bifocal, observa o balé dos chuviscos e das polacas apressadas pelo petit pavet limoso, cautelosas.
Amanhã antes das seis da manhã o 1113 estará na estrada novamente.

José espera. (Tiago Ostrowski )

Emocionante (Maria de Lourdes Giglio)

o frio faz a proximidade ser mais íntima,
o silêncio em noite de outono torna o caminhar, um acalanto.
anos, dias, horas, tempos e tempos juntos
não importa a quantidade, os momentos são vindos.
ele se cobre nos cabelos dela, 
  os passos seguem lado a lado, 
não há pressa. (por divi)


Um comentário:

  1. Meus cabelos brancos já não me deixam lembrar de onde vim, minha sorte que minha pequenina menina, lembrou que eu poderia estar aqui, perdido nas lembranças, então veio buscar-me, e agora descemos a rua no sentido presente, ficando o passado para trás e olhando o futuro lado a lado a cada passo.

    ResponderExcluir

O que achou desse post? Seu comentário é muito bem-vindo.