quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Paraná em Páginas




No alto da trincheira que liga a Trav. Nestor de Castro à Al. Augusto Stellfeld há uma série da casas bem interessantes e antigas. Uma delas é a sede da revista Paraná em Páginas.

Por anos e anos assistia na televisão as propagandas da revista Paraná em Páginas. Usavam sempre a mesma música, o mesmo tipo de locução e tudo sempre soava antigo!
Até muito recentemente a revista circulou, pelo menos até a época da morte de seu criador, Cândido Gomes Chagas. 
O seguinte texto encontrei no obituário da Gazeta do Povo de 05/03/2012.
O parnanguara Cândido Gomes Chagas, o Candinho, faz parte da história recente da imprensa paranaense. Advogado por formação e jornalista por vocação, Candinho começou sua carreira na década de 1940 nos microfones da Rádio Guairacá, de Curitiba. Lá, chegou a participar das transmissões da Copa do Mundo do Brasil, em 1950. Anos mais tarde, deixou as ondas do rádio e partiu para a redação, atuando nos jornais Diário do Paraná e O Estado do Paraná. Em março de 1965 resolveu encarar o grande desafio de sua vida, ao qual se dedicou até os últimos dias. Com a ideia de criar um veículo de comunicação próprio, criou a revista Paraná em Páginas, que se tornou recordista de edições publicadas no estado e uma das publicações com maior regularidade no Brasil. Ainda que abordasse uma grande diversidade de assuntos, registrando os principais acontecimentos da vida paranaense ao longo das décadas, a revista sempre teve a política como carro-chefe. Mesmo com dificuldades, a Paraná em Páginas jamais deixou seus leitores na mão. Nos últimos anos, parou de circular mensalmente e passou a lançar edições trimestrais. A experiência à frente do veículo motivou Candinho a ser um dos sócios-fundadores do Sindicato das Empresas Proprietárias de Jornais e Revistas do Estado do Paraná. Candinho não hesitava em defender ferrenhamente os conceitos em que acreditava e suas opiniões.

6 comentários:

  1. Nossa!!! Ainda me lembro daquela propaganda que até assustava um pouco pela música! Mas era uma proposta jornalística interessante!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabe que eu tentei achar na internet um anuncio daqueles, pois realmente aquela musica marcante, lembro que eu não gostava, mas era marcante!

      Excluir
  2. A revista morreu junto com seu dono.

    ResponderExcluir
  3. A revista morreu junto com seu dono.

    ResponderExcluir
  4. Alguém tem aquela música da propaganda? Era muito legal.

    ResponderExcluir
  5. Alguém tem aquela música da propaganda? Era muito legal.

    ResponderExcluir

O que achou desse post? Seu comentário é muito bem-vindo.