sábado, 20 de julho de 2013

e entrei na Casa Gomm!









A Casa Gomm está incrivelmente bem cuidada como se a família lá ainda morasse. Tudo na casa é fabuloso: o piso, as janelas, as paredes e a grande quantidade de lareiras que se espalham por toda casa. Há detalhes, como uma espécie de roda-teto floral no quarto do casal, que será revelado numa futura ação de restauro.
A casa é de fato gigantesca e há tantos quartos, salas e escadas, que me fez ficar confuso lá dentro. A equipe do patrimônio histórico ocupou a casa há uma semana e tudo ainda parece um pouco improvisado.
Tive a oportunidade de ver um projeto de 1.998 (quando o governador do Paraná era Jaime Lerner e o prefeito de Curitiba Cassio Taniguchi) no qual um hotel e um centro de convenções ocupavam o terreno, só que nesse projeto, a Casa Gomm mantinha sua posição original e o bosque mantinha-se intocado. De qualquer forma, podemos facilmente concluir que a ocupação do terreno é uma intenção antiga que calhou de acontecer somente agora. O gigantesco valor comercial desse terreno é a explicação.
Pelo que soube, com a aprovação do projeto para construção do Shopping, a casa foi doada ao estado, incluindo uma outra de um terreno ao lado. Certamente a condição foi o translado da casa para a borda do terreno e o confinamento do bosque. Não sei se o bosque foi doado ao município, algo que está sendo questionado, mas que não foi confirmado ainda.
Havia um projeto para que as ruas Hermes Fontes e Alameda D. Pedro II se juntassem numa linha reta, o que deceparia uma enorme área do bosque (que assim como a casa, é tombado pelo estado). O projeto atual do prolongamento da Hermes Fontes pretende contornar a localização atual da casa e supostamente evitando o bosque. Vamos ver!
Agradeço à Secretaria de Cultura pelo acesso à casa e ao Cristiano (estagiário de história da secretaria) pela gentileza em me acompanhar pela casa, atrapalhando um pouco a rotina do pessoal.

2 comentários:

  1. O interior da casa é lindo, realmente! Agora, fico imaginando se a insensatez prevalecer e o poder formado pela dupla estadual & município permitir que o Bosque Gomm seja descaracterizado (corte de árvores e abertura de rua) a extensão do crime ambiental será incalculável, Takeuchi.


    Continuo aguardando que a voz oficial autorize a exibição de um documento oficial que funciona/funcionou como passaporte ao faz e acontece anunciado e temido pelos Amigos da Casa Gomm, Takeuchi. Deixar o RIMA/EIA à disposição do cidadão é amostra de ação administrativa transparente.

    ResponderExcluir

O que achou desse post? Seu comentário é muito bem-vindo.