domingo, 3 de abril de 2011

Araucárias do Boa Vista











Um bom amigo meu, sabendo dessas minhas incursões retratistas pela cidade, perguntou se seria pedir demais que eu registrasse as araucárias do seu bairro antes que elas desaparecessem. Não era pedir demais! Com muito prazer pude circular pelo Boa Vista e perceber que de fato há muitas araucárias por ali, isoladas, mas ainda existem. Pela forma que estão distribuídas, dá a impressão de que toda a região era tomada por essa árvore que é considerada um símbolo do Paraná e que deu nome a Curitiba.
Seu formato único só existe no Brasil e de tão explorada por sua madeira, basicamente somente no sul é encontrada. A Araucária angustifólia ou (Pinheiro-do-Paraná) pode atingir 50 m de altura e ter um diâmetro de tronco de 2,5 m.
A casca externa tem cor marrom-arroxeada, é persistente, áspera, rugosa, desprendendo-se em lâmina na parte superior do fuste; a casca interna é resinosa, esbranquiçada, cor rosada. Seus sistema radicular depende do tipo do solo. Quando em latossolos a planta produz uma raiz axial (ou pivotante) de cerca de 1,8m de profundidade, mas cresce como sistema fasciculado em litossolos ou solos muito úmidos, com crescimento lateral mais pronunciado.
As flores femininas são estróbilos, conhecidos popularmente como pinhas, e as masculinas são amentos ou cones cilíndricos com escamas coriáceas que protegem os sacos de pólen. As araucárias não têm frutos verdadeiros, ou seja, suas sementes não são envolvidas por uma polpa. Os pseudofrutos ficam agrupados nas pinhas que, maduras, assumem uma forma esférica, com um diâmetro de cerca de 15 a 30 cm, e chegam a pesar 5kg. As sementes, os pinhões, se originam em brácteas do amentilho feminino, desenvolvendo-se a partir de óvulos nus; são de cor marrom, cônicas, aladas, com cerca de 5 cm de comprimento, peso médio de 8,7g, ápice em espinho achatado e curvo; seu tegumento coriáceo esconde um endosperma nutritivo, ou amêndoa, rico em amido e aminoácidos, que envolve os cotilédones. Ou seja, pode comer pinhão a vontade que é bom!! Cozido, assado, sapecado, na sopa ou num bolo, vai muito bem e inverno não é inverno em Curitiba sem um pinhão fumegante nas mãos!
Mesmo o movimento paranista não tendo o sucesso que seus idealizadores sonhavam, a Araucária, o pinhão e a Gralha Azul enraizaram-se como símbolos do Paraná e mais especificamente de Curitiba. É uma espécie ameaçada de extinção, assim todo esforço para preservar esse nosso totem é muito bem vinda.

16 comentários:

  1. Lindas, lindas, as fotos e as araucárias do meu coração. Não sei porque não se faz por aí um mutirão anual para plantar novas mudas. É tão fácil fazer uma muda de araucária!: basta enterrar o pinhão pela ponta até mais ou menos metade de seu corpo, numa inclinação de 45 graus. Eu faço várias mudas a cada inverno, mas aqui em Campinas elas sofrem um bocado com o calor. Ainda assim tenho duas plantadas por mim em minha casa. Meu marido as chama de "invasão bárbara".

    ResponderExcluir
  2. Oi Ayde! LIndas mesmo as Araucárias. Mas a furia imobiliária não tem limite. Não sei se as que estão na área urbana irão resistir.

    OI Jopz! Obrigado.

    ResponderExcluir
  3. Olá,
    Não precisa se preocupar com a extinção da araucária, pois são protegidas pelo município. o que devia acontecer é um incentivo para os moradores plantar mais e mais desta espécie.

    ResponderExcluir
  4. Pois é! Mas já ouvi relatos de pessoas que deliberadamente deixam uma árvore dessas "doente" e tendo a questão da segurança como pretexto, extirpam a árvore. Impossível impedir isso, mas o replantio realmente seria uma saída.

    ResponderExcluir
  5. Olá...maravilhosas Araucárias e magníficas fotos parabéns...temos uma filha que mora no Boa Vista, e a casa dela é quase toda rodeada por essas árvores, lá aparecem uma quantidade e variedades de espécies de pássaros e até Tucanos que pousam para se alimentarem, pois tem muitas árvores de umas frutas que eles gostam, parecem araçá, ela até já tirou várias fotos dos Tucanos...

    ResponderExcluir
  6. Que interessante. Tucanos livres? Deve ser muito legal ve-los por aí.

    ResponderExcluir
  7. Você lembra o nome das ruas em que fotografou as Araucárias do Boa Vista...

    ResponderExcluir
  8. Entrei na Ludovico Geronasso e dessa, à direita na Dr. Antonio Amarante. Basicamente fotografei as araucárias no entorno dessa rua até a Fernando de Noronha.

    ResponderExcluir
  9. Essa última rua aí é onde eu disse que aparecem os tucanos é rua da casa da filha que te falei, vi que não me eram estranhas essas Araucárias...vou ver se consigo as fotos dos Tucanos e postar pra vc

    ResponderExcluir
  10. No Batel, R. Brigadeiro Franco tina um casa , agora o lancamento imobiliario acabou com as araucarias.(quase esquina Al.Dr.Carlos de Carvalho.http://maps.google.com.br/maps?hl=pt-br&tab=wl.MVargas

    ResponderExcluir
  11. Não entendo como conseguem derrubar Araucárias!!! Isso é muito estranho!!

    ResponderExcluir
  12. Eu amo essa árvore, ela é majestosa! Tenho duas plantadas em vaso enquanto puder as manterei em vaso. Este ano plantarei mais pinhões. Riberto, ribertooliveira@sabesp.com.br

    ResponderExcluir
  13. Eu amo essa árvore, ela é majestosa! Tenho duas plantadas em vaso enquanto puder as manterei em vaso. Este ano plantarei mais pinhões. Riberto, ribertooliveira@sabesp.com.br

    ResponderExcluir
  14. Hola. Leyendo este post, recordé que mi padre trajo de Curitiba unos piñones que fueron plantados en su día en un club privado de mi ciudad. Yo ya no voy por allí, pero sí mi madre y me dice que allí están. En jardines públicos también hay araucarias plantadas. Sin embargo son diferentes, por lo que leo se debe al suelo. O a la variedad, no sé.
    Creo que de esta vez me va a tocar a mi hacer una foto y mandártela.

    ResponderExcluir

O que achou desse post? Seu comentário é muito bem-vindo.