quarta-feira, 1 de junho de 2011

Igreja do Rosário restaurada



Quem circulou recentemente pelo Largo da Ordem e adjacências, deve ter observado como nossas igrejas históricas estão mais bonitas. Hoje mostro como ficou a Igreja do Rosário.
A nova pintura em azul e o restauro da fachada foram finalizados recentemente. A restauração obedeceu os critérios internacionais estabelecidos para recuperação de monumentos históricos. A igreja é uma das UIPs (Unidades de Interesse de Preservação) definidos pela prefeitura de Curitiba por sua importância histórica e por manter características da arquitetura neocolonial. Internamente acontecerá ainda a recuperação de seus vitrais.
Por tratar-se de uma UIP, todo o estudo do restauro e definição das cores teve o aval da Fundação Cultural de Curitiba, que manteve os azulejos portugueses representando a santidade de Nossa Senhora do Rosário e uma procissão de colonos.
As obras de reparo da igreja começaram em 2004 com recursos obtidos em campanhas de arrecadação entre a comunidade. Desde esta data, já foram substituídos o forro de madeira, a escada da torre e o telhado. Em 2009, os bancos receberam almofadas no genuflexório. A sacristia, secretaria e gabinete também receberam móveis sob medidas, o órgão foi melhorado e os sinos voltaram a tocar. O templo também possui de uns tempos para cá uma nova instalação elétrica e infraestrutura para sonorização.
A Igreja Nossa Senhora do Rosário - Santuário das Almas carrega a história de sua antecessora, a Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos de São Benedito, de 1737. É uma construção de 1846, em estilo barroco, e foi construída no mesmo local da antiga Igreja, demolida em 1931.
Erguida por escravos e a eles destinada, a antiga construção acabou servindo de igreja matriz de Curitiba durante 18 anos, enquanto a Catedral Nossa Senhora da Luz era construída. Depois da abolição dos escravos, o santuário passou a ser conhecido como "Igreja dos Mortos". Instalado no trajeto para o Cemitério Municipal, o local era a escolha preferida da comunidade para a realização das missas de corpo presente.
Considerando a tradição foi que dom Pedro Fedalto, em seu segundo ano como arcebispo de Curitiba, determinou que a igreja também fosse chamada de Santuário das Almas. Seu interior abriga azulejos portugueses, com os Passos da Paixão, e o túmulo do Monsenhor Celso, antigo pároco de Curitiba, falecido em 1931.
Se quiser ver como a igreja era antes do restauro, clique aqui.

4 comentários:

  1. Ontem estive no Largo da Ordem, um lugar que adoro.
    Fui registrar as exposições que estão ocorrendo no Memorial de Curitiba e aproveitei para fotografar a igreja com essa nova pintura. Ficou linda!
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Oi Gina. As nossas igrejas da região do largo estão ficando mesmo muito bonitas. Preciso investigar melhor a Catedral e ver o que já foi feito lá. Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Tem razão, as nossas igrejas estão ficando lindas mesmos, passei no Largo e pude observar as pinturas novas, pena que nossa cidade está td pixada...fico imaginando se as pessoas que viveram na Curitiba dos anos passados vivenciasse esses pixes morreriam de desgosto...ainda bem que temos o nosso amigo aí (WTakeuchi)pra fotografar coisas bonitas e dividi-las com a gente.

    ResponderExcluir
  4. Obrigado Dioneia! Saiu recente na midia que pixação agora é crime. Espero que diminua a barbárie.

    ResponderExcluir

O que achou desse post? Seu comentário é muito bem-vindo.