segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Defina a sua Curitiba.


Pelo Facebook eu solicitei aos amigos que, usando suas próprias palavras, respondessem a seguinte pergunta: "Como você definiria a sua Curitiba?". Nada muito complexo, apenas algumas frases que expresse os seus sentimentos (bons ou não) sobre nossa cidade.

Assim se você meu caro leitor, não recebeu essa solicitação, peço que responda nos comentários desse post à essa pergunta.

Apenas para, quem sabe, servir de inspiração, segue o texto de uma amiga.

CONCEITOS (por Lívia Lakomi)
“O planalto é raso; o passado é tropeiro; o verde do dinheiro; a vanguarda do atraso.
O carnaval é vazio; a coxa é branca; a meretriz é santa; o verão é o frio.
O aeroporto é São José; o “r” é “Barerinha”; a casa? não na minha, que ser fechado é o que é.
O bicho é a gralha; o herói é o do óleo; a calçada é linóleo; o Paiol é a palha.
Reitoria é rampa; Santos Andrade escada; Ópera de arame farpada; a capital da província é Sampa.
A comarca é quinta; a flor é o pinhão; o Guaira é o saguão; o Poty é a tinta.
Favela é 300; Telepolaca é mentira; urbano é caipira e a tradição inventa.
O morador não é daqui ; mas a felicidade é santa; o IPPUC é a raiz da planta; a iguaria é o pierogi.
O Champagnat é o Bigorrilho; conversa de elevador dá medo na gente; o sotaque diz leite quente e o piá é o filho.
Perigo é a calçada; Batel é a quinta avenida; Graciosa é a Estrada; mimosa a fruta preferida.
Silva Jardim a ida; Visconde o retorno; o olho gigante é um forno; o mate é história e bebida.
Litoral é Santa Catarina; a festa é da uva; primeiros socorros é ter guarda-chuva; manhã de inverno é geada e neblina.
Casa China é onde se acha; a Boca Maldita é nunca se cala; Zequinha é a bala; e o biscoito é bolacha.
Araucária é o serrote; a rua é a XV; o festival é o Fringe ; o vampiro é o mascote.
Cini é o que se bebe; o poeta é o bigode enorme; a identidade é o velho sobrenome; todo resto somos plebe.
Ser melhor na teoria é o karma; o topete ainda é pequeno; o futebol são três, mas parece menos; o penal é onde eu guardo a minha arma.
O tubo as 6 é cheio; a salsicha é a vina; a determinante é o clima; a canaleta o caminho do meio.”

3 comentários:

  1. Curitiba...
    Meu novo refugio que vou conhecendo aos poucos, como se de um vinho novo se tratasse.
    Cheia de sotaques, cores, peles, cabelos, olhos... meu deus! muitas culturas juntas, mas nao mixturadas...o sim?? Ainda nao sei.
    Cidade fria, eu adoro!! Dia de chuva, a foto nao é boa, mas a saudade é mais gostosa desse jeito...
    Acho que estou te amando...

    ResponderExcluir
  2. CURITIBA...terra das Araucárias...
    Curitiba, linda,formosa,humilde,aconchegante,tímida,desconfiada,caridosa,amorosa...
    Curitiba, sua gente já espera as 4 estações no mesmo dia...
    Curitiba com seu dialeto único...
    Curitiba nossa linguagem rica e simples...
    Loco de bão, mas que paia, capaz de uma gambiarra para ornar com seu traje...parece tongo o animar de teta; hum... crendios pai!...
    puzoia a gente taí pro que dé e vié...é pra caba mesmo, voltimeia leva bordoada óh...maizinho do fiinho, atrô caminho, andandinho, olhandinho, passeandinho, chego em casa, eh...logo gritando...ô piá fala pra mamãe...quero leite quente com pão e vina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá...só agora vi que postou minha definição de Curitiba, muito obrigada...tomara que tenha ajudado de alguma forma...abraços.

      Excluir

O que achou desse post? Seu comentário é muito bem-vindo.