segunda-feira, 4 de junho de 2012

40 anos do calçadão da Rua das Flores - Parte 1











No último sábado para comemorar os 40 anos do calçadão da Rua das Flores, diversas homenagens aconteceram, como fanfarras de algumas escolas, uma exposição de carros antigos (como um caminhão D60 de 1953 da Coca-Cola, que abasteceu a cidade por muito tempo), uma mostra fotográfica, shows na Boca Maldita e na frente do desfile das fanfarras, o seu principal idealizador, o arquiteto, ex-prefeito e ex-governador Jaime Lerner.

Numa sexta-feira, no dia 19 de maio de 1972 às 18h, um exército de operários da Prefeitura de Curitiba, transportados em caminhões, juntamente com ferramentas e outros implementos, chega à rua XV de Novembro para interditá-la à passagem de veículos. A missão: construir o primeiro calçadão exclusivo para pedestres do Brasil.
A cidade vivia em meio à polêmica entre a intenção municipal de devolver um grande trecho da rua aos pedestres e a resistência de comerciantes, que alegavam seriam prejudicados quanto às vendas.
O então prefeito Jaime Lerner obteve aval da União Internacional dos Arquitetos, que reconheceu o pioneirismo brasileiro da humanização urbana.
Saem os carros, que dão lugar à escala do homem a pé. A obra de 1972 marcou pela primeira vez uma posição coletiva dos curitibanos, dispostos a discutir a vida urbana, tomando parte das decisões da cidade e tomando também- mesmo que simbolicamente – posse de seu espaço de vida.
No dia seguinte, 20 de maio de 1972, numa manhã de outono cinzenta e úmida, o calçadão é entregue à população sem festa nem pompa.

Fonte: Prefeitura Municipal de Curitiba

5 comentários:

  1. Mesmo os políticos atuais pedindo atestados de que nao sao "Lernistas", a verdade eh que todas as glorias que Curitiba ainda colhe como "cidade modelo", sao frutos das transformações que nasceram nas gestões do Lerner (dentes ainda rangem por isso).

    ResponderExcluir
  2. APESAR da boa idéia e do tempo ter provado que funciona muito bem, continuamos gastando zilhões em ruas e viadutos, em mais espaço para CARROS, enquanto os pedestres que se virem com calçadas estreitas e mal cuidadas... a RUA XV é uma ótima excessão, bem que poderia ser regra... DEVOLVAM AS RUAS PARA OS PEDESTRES E CICLISTAS... menos carro!

    JOPZ

    ResponderExcluir
  3. Uma coisa é certa, investindo em transporte de massa, teremos menos carros nas ruas. E com relação às bicicletas, os gestores da cidade precisam deixar de encara-las como (somente) um objeto de lazer mas também como um meio de transporte que traz somente vantagens (saúde, interatividade, não-poluente).

    ResponderExcluir

O que achou desse post? Seu comentário é muito bem-vindo.