terça-feira, 5 de junho de 2012

40 anos do calçadão da Rua das Flores - Parte 2















Curitiba, então com cerca de 500 mil habitantes, ganha a primeira via exclusiva para pedestres.
A ideia, trazida da Europa, foi motivo de contínuas discussões pela imprensa e os segmentos produtivos organizados. Uma ideia nascida em 1971, quando pela primeira vez foi aventada a possibilidade de transformar a rua num jardim.
O bloqueio da rua XV não se constituiu em um ato isolado, mas com o objetivo de gradativamente devolver a pequena área central ao pedestre, que se via prejudicado pelo intenso movimento de veículos numa área de poucos quilômetros quadrados. Além do prefeito Jaime Lerner, a iniciativa foi liderada pelos arquitetos Abrão Assad, Lubomir Ficinski Dunin, Carlos Eduardo Ceneviva e Marcos Prado (então diretor do Detran).
O calçadão recém-implantado ganha moderno mobiliário urbano, predominando o acrílico. Domos e luminárias são marca registrada do novo visual. Nos meses seguintes, o bloqueio estende-se, na rua XV, até a rua Barão do Rio Branco e, mais adiante, até a rua Presidente Faria. Também fecham-se as transversais – rua Monsenhor Celso (trecho entre a rua Marechal Deodoro e a Praça Tiradentes); a travessa Oliveira Bello, integrando-a à praça Zacarias, além da rua que margeia o casario paralelo às praças Generoso Marques e Borges de Macedo. Também é redesenhado o espaço do Marco Zero, em frente à Catedral.
E só um ano depois de implantado o calçadão entre a rua Ébano Pereira e a avenida Marechal Floriano, já em 1973, também foi bloqueada aos carros a avenida Luís Xavier – então ponto de concentração de cafés, hotéis e da chamada Cinelândia – por causa da concentração dos inúmeros cinemas de então, na rua ou proximidades (Palácio, Ópera, Curitiba, Arlequim, Avenida).

Mesmo não fazendo mais parte do meu dia-a-dia, caminhar pelo calçadão da XV é um dos meus passeios favoritos em Curitiba, por todas as lembranças que me traz. Considero esse, o principal cartão postal de Curitiba.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que achou desse post? Seu comentário é muito bem-vindo.