domingo, 17 de junho de 2018

Edifício Rosa Ângela Perrone


No ano de 1950, brota no Centro um gigante com notáveis quinze andares, elemento estranho aos casarões de dois pisos que marcam os arredores de uma região considerada uma das mais antigas da cidade.

O edifício foi implantado na esquina de duas ruas históricas, a São Francisco e a Riachuelo. Fica ao lado de pontos tradicionais como o Restaurante São Francisco, fundado em 1955 e que permanece no local servindo a famosa rabada à moda da casa até os dias de hoje, e o Nonna Giovanna, restaurante de massas e carnes conhecido pelo saboroso filé à parmegiana, presente na rua desde 1986.

A Rua São Francisco, curiosamente, já foi conhecida como Rua do Fogo. Algumas teorias afirmam que esse nome foi dado por conta de senhoras que comandavam a cafetinagem ocupando vários casarões pelas redondezas. Já uma outra teoria diz que o nome foi dado devido a um grande forno existente em uma ferraria que funcionava por ali.

O edifício está próximo a espaços públicos bem conhecidos da cidade, como o Largo da Ordem, que recebe a tradicional "feirinha" aos domingos, e a Praça Generoso Marques, endereço que abriga o espaço cultural SESC Paço da Liberdade.

Segundo relatos de moradores, nos tempos antigos era possível usufruir de uma bela vista para a Serra do Mar, mas que acabou impedida pela verticalização da cidade. O uso residencial, no entanto, liberou o seu pavimento térreo para o uso de lojas comerciais, atualmente ocupadas por um salão de cabeleireiros e por um brechó, comércio comum pela redondeza, assim como lojas de móveis antigos.

Na concepção estética do edifício, o arquiteto Romeu Paulo da Costa fez uso de uma linha simplificada remetendo ao estilo art déco, aproveitando-se do lote do terreno para a conformação da volumetria. Na fachada, balcões percorrem as duas laterais do edifício, evidenciando o ritmo dos pavimentos intercalados com esquadrias pontuais construídas em madeira. Apesar da altura imponente, o prédio possui um acesso tímido com uma portada revestida em pedras de granito.

Texto do arquiteto Guilherme de Macedo para o livro Prédios de Curitiba, disponível no site do Lona Arquitetos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que achou desse post? Seu comentário é muito bem-vindo.