sexta-feira, 22 de junho de 2018

Ora direis, ler a madeira? Certo perdeste o senso...


Já se vão algumas décadas desde que cheguei à Curitiba vindo do norte do Paraná. Aqui nunca mais morei numa casa de madeira, mas na minha cidade natal (Mandaguari), morava numa casinha de madeira nos fundos da farmácia do meu pai.

A nossa casinha não tinha qualquer adorno ou volumes que se destacavam do corpo principal como dessa casinha que fotografei (se não me engano) no Campina do Siqueira, mas a madeira dela assim como dessa, não era pintada ou a pintura já se perdera pela ação do tempo. O interessante da madeira nessa condição é que você parece conseguir "ler" melhor o que natureza ou o tempo escreveu nas tábuas e assim, soltar a imaginação nessa leitura.

Lembrando que a campanha no Catarse para compra antecipada do livro Saudade do Ninho vai muito bem e já chegamos a quase 40% da meta! Quer apoiar? Siga para www.catarse.me/saudadedoninho

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que achou desse post? Seu comentário é muito bem-vindo.